Alcinéa Cavalcante

Liberdade de expressão!
Macapá - Amapá

No twitter

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 02/04/10 as 8:44 pm

“Waldez vai conhecer os judas em pleno sábado da aleluia. Ironia do destino?”
(Alípio Junior)

Judas

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 02/04/10 as 4:39 pm

De que  político você faria um boneco Judas e passaria o Sábado da Aleluia inteirinho malhando?

Posse de Pedro Paulo é amanhã

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 02/04/10 as 1:02 am

Está confirmada para as 10 horas de sábado, 3, a posse de Pedro Paulo Dias (PP)  no cargo de governador do Amapá.
O governador Waldez Góes (PDT) – que está deixando o cargo para candidatar-se ao Senado – reuniu ontem à tarde com Pedro Paulo e com o presidente da Assembléia Legislativa, Jorge Amanajás (PSDB) para acertar os detalhes.
Apesar de ser feriado, a AL vai receber nesta Sexta-Feira Santa o documento de WG renunciando ao cargo de governador.

Dando o troco

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 02/04/10 as 1:00 am

Tamanha Quinta-Feira Santa o ainda governador Waldez Góes (PDT) foi massacrado na Assembléia Legislativa.
Numa das mais longas sessões do Poder Legislativo, ex-aliados e  novíssimos ex-aliados baixaram a peia, sem dó nem piedade, em Waldez Góes e os ainda aliados ficaram caladinhos, com exceção Isaac Alcolumbre (DEM) e José Soares (PDT).

A peia começou com Leury Farias (PP) afirmando que o governo Waldez chega ao fim de forma melancólica deixando uma dívida de cerca de R$ 800 milhões.
Era o gancho que o ex-aliado Moisés Souza (PSC) queria para contar que ” os adjetivos que são atribuídos ao Waldez  na Assembléia são: governador mentiroso, dissimulado, ladrão, bandido, fraco e corrupto.”

Ferrenho defensor do governo até dia desses, Dalto Martins (PMDB) também chamou WG de mentiroso e acusou-o de perseguir os funcionários da Polícia Técnica.

Numa defesa tímida do governador, José Soares (PDT) e Isaac Alcolumbre (DEM)  estranharam que os colegas que viviam paparicando WG de repente se voltaram contra ele. “É muito estranho  que os deputados da base que viviam falando bem do governador, hoje no último dia de seu governo estão o atacando”, falou Alcolumbre.

Nos corredores e gabinetes da Assembléia comenta-se que a peia de ontem não passou de uma “simples palmadinha” diante do que está por vir.
A renúncia de Waldez Góes  ao mandato  entregando o governo ao vice Pedro Paulo – que é pré-candidato a governador –  foi, segundo os deputados, uma traição a eles. De acordo com eles havia um acordo pelo qual WG cumpriria todo o mandato de governador e faria de Jorge Amanajás, presidente da AL,  seu sucessor. Além de ajudar a reeleger a maioria dos parlamentares.

Dos 24 deputados estaduais, 22 faziam parte da base de apoio ao governo.

Do caderninho da vovó:

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 02/04/10 as 12:50 am