Alcinéa Cavalcante

Liberdade de expressão!
Macapá - Amapá

Extra! Extra!

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 16/04/10 as 7:48 pm

Um avião bimotor, prefixo PT VAL,  caiu agora há pouco às proximidades do Curiáu, na rodovia AP-70, em Macapá.
Ele era pilotado por Sandoval da Silva Cunha.
O piloto – que está sendo atendido no hospital da Unimed –  sofreu pequenos ferimentos. Nada grave, felizmente.
Não havia passageiros.

Lembra do isopor?

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 16/04/10 as 6:46 pm

No dia 2 de março eu disse aqui que mais cedo ou mais tarde ia estourar uma bomba que ficaria conhecida como “o escândalo do isopor”.
Pois é. Agora me chega a informação de que o pavio já está sendo aceso.
Vou ali checar e se for verdade volto pra contar.

Sapiranga no Marabaixo

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 16/04/10 as 10:06 am

Marabaixo na Favela e a Festa dos Inocentes
Milton Sapiranga Barbosa

Durante o ciclo  do Marabaixo, que no meu tempo de criança era realizado na casa da  dona Gertrudes, um  dia  era reservado para a garotada se divertir  denominado de  festa dos inocentes, realizada no segundo domingo de maio, Dia das Mães. Naquela  época, de muito respeito,  criança não se metia na dança  dos adultos, como hoje é tão comum. A meninada podia ficar piruando, mas bem sentadinha nos bancos que  circundavam  o salão da casa da Tia Gertrudes com tio Caba Branca, seu esposo.

A Festa dos Inocentes tinha  três  acontecimentos  ansiosamente esperados e festejados  pelos garotos e garotas do  bairro: o  primeiro, era quando os batuqueiros aceleravam  os toques nas caixas, sinal   para se jogar capoeira, sem técnica nenhuma, é claro, mas era tanta pernada e rabo de arraia, que era bonito de  se ver.  Quando um moleque ia ao chão, era vaiado  e o  que aplicara o golpe, era muito festejado, principalmente pelos pais. Os campeões  na virada  das caixas, até por  herança genética, eram: Venturoso ( filho do seu Vadoca  com dona Natalina)  e o Raimundo Calango Sêco ( filho do sr. Zeca Costa  com  Dona Mundica), é mole. O segundo e melhor  momento da festa era o almoço, servido  sempre que  o relógio marcava 12 horas. Ninguém ficava sem comer. Era tanta comida, que sobrava, e a dona Gertrudes  dava para as mães levarem para suas casas. A terceira parte, a mais engraçada,  ocorria durante uma representação teatral, feita por  um menino e uma menina escolhidos dias antes da festa do Marabaixo começar. Numa dessas apresentações, o Arideu, filho da dona Margarida fez uma encenação com a Isabel, filha caçula de dona Gertrudes; o Arideu, todo pomposo chegava  e dizia para Isabel, sua pretendida na peça: “ bela minhá menina, o que tu me achas?”  e a Isabel, para gargalhada geral dos presentes respondia: “Olha a cara dele, até parece uma bolacha”. Meu amigo e vizinho Arideu sofreu muito nas mãos dos moleques da Favela, mas daquele dia em diante, quando chegava outro ano e o Ciclo do Marabaixo iria começar, ele  passava longe da casa da Tia Gertrudes, temendo ser outra vez  escolhido como ator principal da peça.
O Marabaixo e  a Festa dos Inocentes são   boas  lembranças da minha infância feliz vivida no meu querido bairro da Favela.