Alcinéa Cavalcante

Liberdade de expressão!
Macapá - Amapá

Dia: 20 de abril de 2010

Tá… eu conto

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 20/04/10 as 4:22 pm

Essa avenida larga, movimentada, tida como a principal de Macapá, por onde passam todos os ônibus e onde ficam escolas, secretarias de governo, hospitais, tribunais, Assembléia Legislativa, Câmara de Vereadores e Prefeitura, foi o primeiro campo de aviação de Macapá. Por isso quando virou avenida recebeu o nome de Avenida FAB (Força Aérea Brasileira).

Aí  pousavam todos os aviões que chegavam em Macapá e daí decolavam.

O poeta Manoel Bispo – que chegou gitinho em Macapá – conta que  quando a molecada ouvia o barulho do avião corria pro “aeroporto” vislumbrando ganhar uma grana pra comprar gibis, picolés e garantir o da matinê do cinema.

Manoel Bispo

É que naquela época não existia táxi em Macapá e quase nenhum carro particular (ônibus nem pensar). A pessoa chegava, descia do avião e ia a pé pra casa. É aí que a molecada entrava. Se aproximava do passageiro e oferecia o serviço: carregar a maleta, do aeroporto até a casa. O ‘carreto’ mais longo que fiz com uma mala na cabeça foi do aeroporto pro bairro do Trem. A maleta era daquelas de madeira, mas me rendeu um bom dinheirinho”, me disse o poeta certa tarde.

Dia desses o Celso Façanha estava lembrando dos seus tempos de moleque e disse que uma vez viu “com esses olhos que a terra há de comer” um avião quase entrar num prédio ali por perto de onde é hoje a Escola Integrada.
Deixemos o Celso contar:
- Era um dia de chuva, a pista tava um lamaçal, o avião aterrissou mas não

Celso Façanha

conseguiu parar logo. Foi indo, indo, indo…  e só conseguiu  parar ali perto do GM, quase que entra num prédio onde era o Irda. Quando a porta  abriu  o primeiro passageiro a descer foi o Pernambuco, um açougueiro brabo. Ele desceu reclamando: “Pô, esse cara (piloto) podia ter logo me deixado em casa.”

Minha mãe contava que, sentada no pátio da nossa casa, via os pousos e decolagens. “Era ali, dizia apontando com o dedo, o campo de aviação e daqui a gente via tudo.” E minha avó completava: “o avião passava aqui na ilharga de casa”.

Retrato do descaso

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 20/04/10 as 2:25 am

Na área mais nobre, na frente da cidade, defronte do rio Amazonas, ao lado da OAB e a poucos metros da residência oficial do governador, este prédio – que não sei se pertence ao governo federal ou estadual –  abandonado, deteriorado, tomado pelo mato e pela sujeira, é, talvez o maior criadouro do mosquito da dengue em Macapá. Além disso, abriga ratos e cobras.

A água empoçada – no que um dia foi um corredor – tem lixo,
fedentina e milhares de larvas do mosquito.
E ao lado dessa “piscina” esverdeada pelo limo os ratos brincam de pira.

Aí tem cobras e outros peçonhentos. Tá faltando o que?

Não. Não falta mais nada. Taí a merda.

Além do descaso com o patrimônio público, com o dinheiro público, isso aí é uma ameaça à saúde pública.

Tô fora

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 20/04/10 as 1:25 am

Indicado pela militância pra ser o candidato do PSB ao governo, o deputado estadual Camilo Capiberibe jura que não passa pela sua cabeça trocar a poltrona da Assembléia pelo trono de governador.

“Não sou pré-candidato ao governo e ninguém dentro do PSB defende  mais do que eu o diálogo com os pré-candidatos (Lucas Barreto, Jorge Amanajás e Pedro Paulo)  e a tentativa de formar aliança”, disse Camilo no twitter.
Então tá.

Coisas do PT

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 20/04/10 as 1:16 am

O ministro Padilha veio aqui e disse que o PT (do Lula) tem interesse na reeleição de Pedro Paulo Dias (PP) para o governo do Amapá.
Mas o  PT  do  prefeito Antonio Nogueira e do deputado estadual  Joel Banha   sonha com uma coligação com o PSB.
Uma coisa é certa: o PT não lançará nenhum Errolflyn candidato ao governo, mas vai brigar pela vaga de vice.