Alcinéa Cavalcante

Liberdade de expressão!
Macapá - Amapá

Ciro Gomes na TV

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 26/04/10 as 1:35 am

Ciro Gomes, destrambelhado e sem  papas na língua, abriu o verbo em entrevista esta madrugada à Rede TV.
O blog selecionou algumas frases para quem perdeu a entrevista.
Eis:

“Hoje quem manda no PMDB não tem escrúpulo, nem ética. Michel Temer é o chefe dessa turma”.

“O Ibope e o Sensus fazem qualquer negócio. O Datafolha é o único instituto que não se aluga a partidos e empresas”.

“Só quem não chora nesse país é Serra que tem olho de cobra”.

“FHC se juntou com uma turma inescrupulosa, bandida e suja para governar. E vem Lula e se junta com essa mesma gente?”

“Sabe quem foi ministro da Justiça do governo FHC? Renan Calheiros. Quem comanda o esquema de Lula no Senado? Renan”.

“A mídia brasileira é superficial.”

“O PMDB é um ajuntamento de assaltantes”

Macapá tem…

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 26/04/10 as 1:30 am

nessa época do ano vendedor de pupunha em cada esquina. Pupunha cozida, pupunha crua, pupunha verde, amarela, vermelha; pupunha grande e  pequena; pupunha-mãe e pupunha sem caroço, pupunha oleosa e pupunha seca.
Será que existe alguém no mundo que resista a um café preto com pupunha?
Acho que não.


Na foto, o meu amigo Ricardo. Ele não pode ver um carrinho de pupunha na rua que para pra comprar. Compra cozida e crua. A cozida ele come logo, na rua mesmo. A crua leva pra casa pra cozinhar e comer tomando aquele cafezinho preto feito pela esposa Dulcivânia – que também fez esta foto.

Perigo na frente das escolas

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 26/04/10 as 12:57 am

Horário de entrada e saída de alunos na frente das escolas particulares o trânsito vira uma bagunça.
Muitos pais, quando vão deixar ou buscar seus pimpolhos, se acham os donos da rua. Param em cima da faixa de pedestre, estacionam em fila dupla e até na contramão.
Por que não colocam alguém para controlar o trânsito na frente das escolas?

Vida dura

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 26/04/10 as 12:25 am

Aos 63 anos de idade, João Conceição da Silva ainda tem pique para esse trabalho tão duro: abrir e fechar, na munheca, as comportas do canal a cada seis horas. Sorrindo, ele mandou um recadinho pro prefeito: “Diz lá pro prefeito ver se já não existe um equipamento moderno que possa abrir e fechar as comportas na hora porque isso é dureza”.
Seu João é servidor público municipal há 28 anos, mas nem sempre fez este serviço. Está há poucos dias nessa dureza substituindo o colega, que sofreu um acidente doméstico.
(Foto: Ricardo Santos)

Cadê a bancada?

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 26/04/10 as 12:07 am

Recebi do leitor Jr. Vales com pedido de publicação:

“No programa do Belair, o Bronca na Mesa, no sábado, dia 24, estavam o geólogo Feijão, desembargador Gilberto Pinheiro e Alberto Góes. O tema era desenvolvimento da Amazônia. Durante o debate, eles falaram sobre vários temas entre os quais a Zona Franca Verde. E os entrevistados foram unânimes em dizer que falta vontade política para o projeto sair do papel. É um embate com os empresários do sul do país.  Alberto Góes disse que os industriais do centro-sul não querem que as fábricas se instalem no Amapá. Ele explicou que com a Zona Franca Verde, com os incentivos fiscais, o estado passa a transformar a matéria-prima em produto e com preço muito competitivo. Segundo ele, chegar em Manaus com a matéria-prima e sair de lá com produto tem o custo de transporte agregado alto. E isso não vai acontecer no Amapá.
E aí pergunto: cadê a bancada?
Outro ponto que Alberto Góes tocou que me chamou atenção: é a criação de duas reservas extrativistas mineirais, uma em Oiapoque e outra em Lourenço. Segundo ele, o projeto já está pronto e o governador
Pedro Paulo Dias já vai encaminhá-lo a Assembleia Legislativa. Pelo que entendi, a idéia, no caso de Lourenço, seria normatizar a atividade de garimpagem com a intenção de por fim aos conflitos entre brasileiros e polícia francesa. Foi o que ele deixou claro na entrevista.
Como funcionariam essas reservas? Pode ser importante para o Amapá já que ele diz que é um projeto pioneiro.
Achei bom o debate, mas muitos assuntos precisavam ser mais claros, como a reserva.”