Alcinéa Cavalcante

Liberdade de expressão!
Macapá - Amapá

Dia: 3 de junho de 2010

Piquenique no feriado

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 03/06/10 as 10:55 pm

Emília, Allan, Emilinha e Cris

Emília, Allan, Emilinha e Cris

Feriado é bom demais  para sair da rotina, para fazer coisas diferentes, né? Eu gosto! E por gostar não hesitei quando meu sobrinho Allan me ligou, por volta das 14h.
– Tia, topa  fazer um piquenique hoje no lugar bonito?
–  Claro que topo!

Combinamos que ele passaria em casa então às 16h30. E começamos a arrumar tudo. Ele

Alcilene, Dulcivânia, Leda e Allan

comprou um cento de salgadinhos, um bolo “formigueiro” e refrigerantes. Tem cadeira? Tenho quatro, é suficiente. Cestinha de vime? Ele providenciou. Mas piquenique sem toalha xadrez pra colocar no chão não cola. Uma passadinha rápida no comércio e resolvido o problema da toalha. Allan ligou para a Alcilene e fez o convite. Ela topou. No twitter convidei a Dulcivânia, que também topou.
16h30 o Allan chega em casa, com  suas Emílias (esposa e filha) e Cris, coleguinha de Emilinha. Embarca as cadeiras na mala do carro, dá uma conferida em tudo (ih, não esquece a máquina. Piquenique tem que ter foto) e lá vamos nós. Curtir uma tarde diferente à beira do rio Amazonas. Brisa, crianças brincando, adultos caminhando, jovens no skate, vendedores ambulantes, modelitos dos mais diversos estilos desfilando, casais de namorados, garotos empinando papagaio, boas risadas, conversa à toa (nada de assunto sério) e nada de relógio. Ninguém tem hora marcada pra voltar.
Pois bem, arrumamos tudo. Toalha no chão, cestinha na toalha, cadeiras em volta… logo logo

Emília, Dulcivânia, Leda, Allan e Gabriel

chegam a Dulcivânia e a Leda, trazendo água de coco e biscoitinhos. Não demora muito chega a Alcilene com o filho Gabriel com pães de queijo e sanduíche e quando o sol já estava se despedindo chegam o mano Alcione e esposa Vilma.
Quer saber? Esse piquenique foi tão gostoso que todos disseram que devemos fazer isso mais vezes. Emilinha disse que na próximo vai levar suas bonecas e já intimou o pai a comprar uma toalha menor exclusiva para o piquenique das bonecas. Tá combinado.
Parece que o tempo passou tão rápido. Quando voltamos para casa já era noite. Voltamos com a alma leve, iluminada e sorridente.
E por ser tão bom eu sugiro a você, que está lendo este blog, que reúna a família e alguns amigos e faça um piquenique qualquer dia no “Lugar Bonito” ou em qualquer outro bonito lugar. Só não esquece de levar uma sacolinha para recolher os restos das guloseimas e os descartáveis. Não vale deixar o lixo por lá, tá?

E Deus abençoou nosso piquenique com este lindo por-do-sol

Chá das cinco

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 03/06/10 as 5:00 pm

ANÚNCIO
Álvaro da Cunha

Eu estou sonhando com um regaço de virgem,
onde eu ponha a cabeça
e adormeça
quando este mundo se despedaçar.
Será que este quebranto no meu corpo
não é cansaço,
mas um pretexto para repousar?

– A vida é triste, o mundo é triste,
o amor é triste.
Quem me censura o ato de sonhar?

(Ainda posso encontrar o meu desejo
sem arredar um pé deste lugar)

E vou escrever anúncios no jornal:

“Poeta, em Macapá,
está precisando de um regaço de virgem
onde ponha a cabeça
e adormeça
quando este mundo se despedaçar”.
(Extraído da Antologia Modernos Poetas do Amapá – Macapá-AP, 1960)