Alcinéa Cavalcante

Liberdade de expressão!
Macapá - Amapá

Tensão no oeste do Pará

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 3:39 pm

MPF pede proteção urgente para testemunha ameaçada
Homem que denunciou extração ilegal de madeira já sofreu atentado

O Ministério Público Federal enviou ofício à Secretaria de Segurança Pública do Pará pedindo proteção urgente para mais uma testemunha ameaçada no caso dos madeireiros que invadem, através do Projeto de Assentamento Areia – em Itaituba – a Floresta Nacional de Trairão e o Parque Nacional do Jamanxim, em Trairão e a Reserva Extrativista Riozinho do Anfrísio, em Altamira, no Pará. O nome da testemunha está sendo mantido em sigilo por motivos de segurança.

A testemunha sofreu um atentado a bala no local onde mora, no assentamento, no início de dezembro. Outra testemunha do mesmo caso, João Chupel Primo, foi assassinado em outubro na localidade de Miritituba, em Itaituba. Ele foi morto depois de denunciar a extração ilegal de madeira, que tem como porta de entrada o PA Areia, em Itaituba, mas vem colocando em risco a vegetação e os moradores até a Resex Riozinho do Anfrísio, em Altamira. Na Resex, os madeireiros já ameaçaram o líder comunitário Raimundo Belmiro.

O pedido do MPF ao secretário Luiz Fernandes é que designe proteção policial urgente para os ameaçados nesse caso, já que o risco de novas tentativas de assassinato é iminente. Na semana passada, depois do atentado à testemunha, a Polícia Civil prendeu Vilson Gonçalves, vice-prefeito do município de Rurópolis, na Transamazônica, e Carlos Augusto da Silva, ambos acusados pela morte de João Chupel. Mesmo com as prisões, as ameaças às outras testemunhas continuam.

Em resposta a pedidos do MPF e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) houve uma operação de combate à exploração ilegal de madeira na região no fim de novembro. Os resultados ainda não foram convertidos em relatório. O ofício do MPF pedindo proteção policial foi enviado hoje ao secretário de segurança.

(Assessoria de Comunicação/Ministério Público Federal no Pará)

Poesia na escola e no hospital

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 12:46 pm

O Movimento Poesia na Boca da Noite estará hoje, quinta-feira, na Escola Santini Rioli.
Das 17h30 às 19h, os poetas e amantes da poesia que fazem parte do Movimento vão falar sobre poesia e declamar poemas com os alunos da oitava série. Neste encontro, com certeza, novos talentos serão descobertos.

E amanhã, sexta-feira, o Movimento Poesia na Boca da Noite estará mais uma vez no Hospital da Criança e do Adolescente, a partir das 17h, levando lirismo, amor e carinho em forma de versos aos pequeninos ali internados, aos médicos, enfermeiros e todos os funcionários.

Cronistas do blog

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 12:44 pm

O exemplo da matrioshka
Márcia Corrêa


Ás vezes é preciso o corpo dar sinais de exaustão para que a mente reelabore o viver. Mais ou menos assim me chega esse final de ano. Em volta de mim tudo é caos, mas nada nesse caos me apavora. Há roupas, sapatos, objetos, papéis, bolsas, discos e livros fora do lugar por toda parte. As paredes esqueceram de rogar por tinta fresca, o piso amarelado pelo tempo, aquela lâmpada queimada no canto da sala, tudo dorme há cem anos.

E eu que sonhava com a “casa no campo” da letra de Zé Rodrix, esqueci que a casa do sonho começa na gente. Esquecer, lembrar, aprender, reeditar os textos escritos há muito tempo nos rascunhos da mente, esse é o exercício que o recolhimento tem me postulado a fazer. Ímpeto de revirar tudo pelo avesso do avesso, do avesso… Reencarnar em vida e começar do marco zero a mover todos os esforços novamente, de forma consciente.

Porque fazemos quase tudo na vida sem o concurso da consciência? Repetimos padrões de comportamentos viciosos, receitas de má conduta, erramos repetidas vezes o mesmo erro, desonramos com frequência nossos próprios compromissos. Vivemos por conta de nossa parte menor, a satisfazer seus desejos imprudentes, atendendo aos ditames de sua sabedoria rasa, de sua compreensão rasteira.

Essa parte menor é nosso corpo físico. Ouvi tal definição de uma mulher no documentário “Vivendo de Luz”, exibido pelo canal GNT nesse dezembro de mudanças climáticas. Lindo o que ela disse: “somos como uma matrioshka”, tradicionais bonecas russas. Brinquedo que pode ser feito de madeira, argila e outras matérias-primas, mas que tem uma lógica única, o encaixe de várias bonecas semelhantes, de tamanhos diferentes, uma dentro da outra.

Só a menor delas, que fica dentro de todas as outras, não é oca. E é justamente essa parte menor e maciça que representa nosso corpo físico. Os demais corpos maiores e mais expostos da boneca seriam nossos corpos astrais. Por desconhecermos e por não sabermos lidar com os sentidos ampliados dessa dimensão espiritual que somos, é que vivemos a pobre experiência de dedicar a vida a atender as demandas rústicas da matéria.

Fome e sede são as básicas, depois vem a indumentária, os adornos, os prazeres, os vícios, os maus hábitos, as ambições, o desejo do supérfluo, os valores descartáveis vendáveis e compráveis. E tudo gera insaciedade, nunca é o suficiente no campo do ter. Então vem a doença e nos enfeia, descama a aparência, confronta as ilusões com a dor e leva de enxurrada pessoas ainda jovens.

Vemos isso acontecer todos os dias, mas nos recusamos a compreender de forma profunda que a vida não segue a lógica de nossos desejos. Ela não responde ao nosso planejamento financeiro, ao nosso projeto acumulativo, ao nosso anseio de sempre atender a parte menor da matrioshka. Tem Leis e regência que nos fogem completamente ao controle e ainda assim as ignoramos.

Esse é um final de ano cabal, no qual o único plano que me permito fazer é o de sair da zona de conforto da boneca maciça e menor, corajosamente, para caminhar por dimensões mais inteligentes, mais fraternas e mais universais. Porque o único compromisso válido nesse mistério que é viver, é com a gente mesmo. É o compromisso de lavar do rosto espiritual a maquiagem das ilusões.

Feliz Natal a todos mesmo, do fundo do coração e da mente. Porque somos de fato parte de uma mesma e multidimensional humanidade.

Seminário sobre Literatura

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 11:16 am

O Governo do Amapá, por meio da Escola de Administração Pública (EAP), realiza nesta sexta-feira, 16, em horário integral no auditório da Escola, o seminário “Construindo o Programa de Literatura do Amapá”. O encontro com representantes da classe literária tem como objetivo criar uma unidade que integre as ações literárias do Estado.
Atualmente, o Estado não possui um centro de registro cultural nesse contexto, com diálogo e troca de experiência, os participantes irão construir propostas para fortalecer o Programa. As propostas serão desenvolvidas pelos grupos de trabalho, com base nos quatro eixos do Plano Nacional do Livro e Literatura (PNLL), conforme diretriz do Ministério da Cultura e Ministério da Educação.

A literatura desenvolvida no Estado acontece de forma pulverizada, cada artista trabalha suas obras de forma isolada. A diretora da EAP, Izabel Cambraia, destaca que a iniciativa do governo do Estado surge da necessidade de integrar e dar visibilidade às ações literárias: “O Amapá não faz parte do calendário nacional dos grandes eventos literários e nossos artistas merecem ser conhecidos e reconhecidos”.


Eixos de ação

No período da tarde, os grupos de trabalho terão a missão de apresentar propostas para os quatro eixos do PNLL: Democratização ao acesso; Fomento à leitura e à formação de mediadores; Valorização institucional da leitura e Desenvolvimento da economia do livro.
Programação:

Manhã: 8h às 12h
Mesa de Abertura
Apresentação Artística
Palestra Magna: Benita Prieto (Contadora de História – Fundação da Biblioteca Nacional)

Tarde: 14h às 18h
Grupos de Trabalho: Apresentação de proposta para eixos:
GT1 – Democratizando o acesso;
GT2 – Fomento à Leitura e à Formação de mediadores;
GT3 – Valorização institucional da leitura e incremento de seu valor simbólico;
GT4 – Desenvolvimento da economia do livro

(Texto: Crisler Samara, da  Assesossoria de Imprensa /EAP)

Hoje tem cantata natalina no Largo

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 10:55 am

Encham os baldes, panelas e camburões

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 10:43 am

Comunicado da Caesa

A Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa) comunica que haverá interrupção no fornecimento de água em Macapá nesta sexta-feira, 16, no horário de 6h às 22hs, para a instalação de duas bombas de distribuição de água na Estação Central de Tratamento.

A Companhia informa que após a instalação dessas bombas o sistema terá mais pressão para atender tantos os bairros da zona Norte de Macapá como também Centro e zona Sul, além de proporcionar um sistema reserva em caso de pane.

A direção da Companhia pede desculpas pelo transtorno, porém afirma que tais medidas são necessárias para as melhorias no abastecimento de água em Macapá.

A Macapá que queremos

Postado por: Alcinéa Cavalcante em 15/12/11 as 10:38 am

Debater, apontar caminhos e formular propostas de políticas públicas para a cidade de Macapá, esse é o objetivo do Seminário “A Macapá que Queremos”, que começou agora há pouco – e prossegue até amanhã –   na Câmara de Vereadores.

A iniciativa partiu de um grupo de partidos políticos que inclui o PSOL, PTC, PC do B, PRB, e o recém-criado Partido da Pátria Livre – PPL.

Aberto à comunidade, o seminário traz a Macapá o ex-prefeito de Belém e deputado estadual, Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), para falar sobre sua experiência de gestão no tema “Cidade da Amazônia”. Para o tema “Estatuto das Cidades – Planejamento Urbano”, o palestrante será o senador Inácio Arruda (PC do B/CE). A conjuntura nacional será o tema do senador Randolfe Rodrigues (PSOL/AP) e do deputado federal Evandro Milhomem (PC do B/AP).

“Plano Diretor” será o tema da mesa redonda com o doutor em arquitetura e urbanismo, Alberto Tostes, o vereador Clécio Luís e o ex-deputado federal Aroldo Góes. Para debater o “Desenvolvimento Local” foram convidados os economistas Charles Chelala, Marlon Oliveira e Evandro Freitas Siqueira.

Segundo o IBGE, Macapá está entre as cidades brasileiras que se caracterizam pelo rápido crescimento econômico e populacional nos últimos dez anos. A cidade conta hoje com um população de 407.023 habitantes, sendo que desse total 97,92% vivem na zona urbana. Esses dados revelam urgente necessidade de planejamento e desenvolvimento de políticas públicas que respondam com eficácia ao crescimento e à concentração populacionais.

(Texto: Ascom do vereador Clécio Luís)