As festas de São João

“Era festa da alegria  São João
tinha tanta poesia São João
tinha mais animação
mais amor, mais emoção
eu não sei se eu mudei
ou mudou o São João”
(Zé  Dantas e Luiz Gonzaga)

Junho é mês de passar fogueira, comer canjica e pé-de-moleque, beber aluá, quebrar o pote, subir no pau de sebo, ver o boi e o pássaro, testemunhar casamento na roça… Não, não. Não é mais assim. A cidade cresceu e a tradição foi se perdendo. As quadrilhas já não são as mesmas,  já não se grita “anarri-ê”, nem “lá vem a chuva”, “olha o toco”… As meninas que dançam quadrilha já não usam vestidos de chita e os meninos deixaram de usar calças remendadas e bigodes desenhados com carvão. Hoje o figurino é outro e a coreografia também. As modernas quadrilhas mais parecem comissão de frente de escola de samba. E o Chico Tripa pegou o beco.

Lembro do meu pai fazendo pé-de-moleque, da minha mãe fazendo aluá, de toda gente da minha rua fazendo fogueira, munguzá, cocadinha. Lembro das festas no terreiro. Em algumas casas era uma festança… no quintal, que se chamava terreiro, todo enfeitado com bandeirinhas feitas com  papel de pão e de revistas, principalmente revistas de fotonovelas.

Lembro do Rouxinol, na esquina da Leopoldo Machado com a Almirante Barroso. Era uma mercearia, mas como tinha um grande quintal o proprietário, Sr. Luís, realizava ali as mais famosas festas juninas da cidade. E chamava quadrilhas, bois e pássaros para se apresentarem. Depois começava o arrasta-pé. E no chão batido as damas da alta sociedade dançavam de salto Luís XV com seus cavalheiros impecavelmente vestidos. A molecada ficava na cerca olhando. Os melhores bois e pássaros se apresentavam lá. Um dos pássaros era do Cutião, o mesmo homem que fazia a boneca da banda. Era uma festa ver o pássaro do Cutião passar, imagine vê-lo se apresentar.

Outra festa inesquecível era numa casa na Avenida Padre Júlio, entre a Leopoldo Machado e a Jovino Dinoá. Lá tinha pau de sebo e quebra-pote.

Até aqui falei no bairro da Favela. Mas o bairro do Trem também era pura alegria. Era de lá a quadrilha mais famosa da cidade. Organizada, ensaiada e marcada pelo “chefe Biroba”.
E ninguém marcava tão bem e com tanta animação quanto ele.

biroba

Moleque atrevido

O que a ventania não levou – Por Flávio Cavalcante

fla1fla2fla4fla6 fla7

Ventania derruba árvores e arranca telhados em Macapá

Uma forte ventania na tarde de hoje derrubou mais de 20 árvores, destelhou casas e destruiu fachadas em Macapá.
Veja imagens enviadas ao blog por internautas:

Fotos de Márcia Fonseca

vento2

vento3

vento1

Fotos de Celso Teran:

vento-teran3

vento-teran1

vento-teran4

Fotos enviadas por Raquel Braga:
y2y3
y4

y5y11

 

Publicado em: Imagem Ir para o Post
  • houve algum alerta da defesa civil gente as previsões não é so pra sair nos jornais é para alertar a população de possíveis sinistros, como se explica?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

No Curiaú

Na hora da ventania eu estava no quilombo do Curiaú.
Lá estava assim:

índice

Chá das cinco – Glória Araújo

 

gloria2aOs dois homens
Glória Araújo

Um homem de meia idade,
encontra um jovem e se abraçam
se olham nos olhos e se beijam

Um deles falou : eu te amo muito
e o outro retrucou
eu também te amo demais
e este abraço nos recompensa
todo sofrimento e privações
que juntos passamos

E é por tanto te amar
que estudava noite e dia
sempre , sem descansar
para poder te abraçar
e bem alto gritar:

Meu pai, eu passei no vestibular!

Morato, alvo da Operação Turbulência, é encontrado morto em motel

Da Coluna do Estadão

Alvo de pedido de prisão da Operação Turbulência, deflagrada pela Polícia Federal ontem, Paulo César de Barros Morato foi encontrado morto nesta quarta-feira em um motel em Olinda, região metropolitana do Recife. A Polícia Civil investiga o caso que só será repassado à Polícia Federal caso seja encontrada alguma relação entre a morte e a investigação.

A informação foi confirmada à Coluna do Estadão por fontes da investigação. Ele constava da lista de foragidos da Interpol.

A PF o apontou como “testa-de-ferro” de um esquema de lavagem de dinheiro que desviou R$ 600 milhões. (Leia a matéria completa na Coluna do Estadão)

Publicado em: Nacional Ir para o Post
  • A bandidagem de gravata está evoluindo para execução de delator, já estão aplicando o parágrafo único do artigo primeiro , participou do esquema de propinas, vumito, morreu. Se continuar assim, o PT e o PMDB serão estintos.

  • “A agenda da esquerda e das forças democráticas brasileiras, devido ao golpe, tem de ser uma defesa integral da democracia”. (Dilma Rousseff).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *