Hoje é o Dia Estadual da Poesia

bocaa1

Instituído pela Lei N. 580, de 21/06/2000, 8 de agosto é o Dia Estadual da Poesia. A data foi escolhida em homenagem ao poeta, médico, professor e ex-prefeito de Macapá Alexandre Vaz Tavares, nascido em Macapá no dia 8 de agosto de 1858. Consta que ele foi o primeiro  a escrever poemas sobre Macapá. Sua poesia “Macapá” (praticamente desconhecida das novas gerações) foi publicada pela primeira vez em agosto de 1889, na Revista de Educação e Ensino do Pará. Vaz Tavares morreu em abril de 1926, aos 67 anos.

Vale ressaltar que a iniciativa de  instituir o Dia Estadual da Poesia partiu dos poetas José Pastana, Ricardo Pontes e Leão Zagury. Eles fizeram a minuta de  um projeto de lei e apresentaram ao então deputado Edinho Duarte, que abraçou a causa, fez o projeto e apresentou na ALAP, sendo aprovado por unanimidade.

O Movimento Poesia na Boca da Noite e a Associação Literária do Estado do Amapá (Alieap) vão comemorar o Dia Estadual da Poesia   sábado que vem , das 9h às 11h na Praça Veiga Cabral, com café da manhã, distribuição de brindes poéticos, varal de poesia, venda de livros, sessão de autógrafos, leitura e declamação de poemas de autores amapaenses, entre eles “Macapá” de Vaz Tavares.

Você, leitor do blog, é nosso convidado especial. Leve sua poesia ou de seus poetas preferidos para ler, declamar ou enriquecer o varal.
Todos estão convidados. E nem precisa ser poeta para participar deste momento mágico, basta gostar de poesia.
Então está combinado: nos encontraremos sábado, a partir das 9h, na Praça Veiga Cabral.

Veja aqui como foi linda, emocionante e inesquecível a comemoração ano passado. E este ano vai ser melhor ainda.

(Se precisar de mais informações entre em contato com a ALIEAP ou com os membros do Poesia na Boca da Noite, ou use a caixinha de comentários deste blog ou pelo email alcinea.c@gmail.com )

Noturno

De noite
eu vigio estrelas.
Me embriago de amor e luar.
Passeio com Hemingway em Paris.
Visito os becos de Goiás com Cora Coralina.
E com Quintana eu tento descobrir
o que é que os grilos
passam a noite inteirinha fritando.

Dormir
é bom de manhãzinha
quando o sol
– ainda sonolento e tímido –
pula minha janela
pra me ninar.

(Alcinéa Cavalcante)

a7

Um poema para os amigos

 

Poema para o Amigo
Alcinéa Cavalcante

É possível que eu te conte
uma história de príncipes e fadas
que escutarás com o olhar perdido na infância.
Ou que te conte uma piada tão engraçada
que rolaremos de tanto rir.
Nossas gargalhadas contagiarão os passantes
e de repente todo mundo estará rindo
sem nem saber por que.

É possível
que eu faça um café com tapioca e te chame
pois café, tapioca e amigo tem tudo a ver.

É possível que eu chegue na tua casa sem avisar
só pra te ofertar uma rosa que acabara de nascer
e te oferecer um Johrei.

É possível que eu te ofereça uma música no rádio
ou te mande, pelo Correio,
uma carta numa folha de papel almaço.

É possível que eu te ligue
no meio da noite
no meio do dia
a qualquer hora
– mesmo na mais imprópria –
só pra dizer:
Amigo, eu amo você.

c4

No caminho com Maiakóvski

No Caminho Com Maiakóvski
Eduardo Alves da Costa

Assim como a criança
humildemente afaga
a imagem do herói,
assim me aproximo de ti, Maiakóvski.
Não importa o que me possa acontecer
por andar ombro a ombro
com um poeta soviético.
Lendo teus versos,
aprendi a ter coragem.

Tu sabes,
conheces melhor do que eu
a velha história.
Na primeira noite eles se aproximam
e roubam uma flor
do nosso jardim.
E não dizemos nada.
Na segunda noite, já não se escondem:
pisam as flores,
matam nosso cão,
e não dizemos nada.
Até que um dia,
o mais frágil deles
entra sozinho em nossa casa,
rouba-nos a luz, e,
conhecendo nosso medo,
arranca-nos a voz da garganta.
E já não podemos dizer nada.

Nos dias que correm
a ninguém é dado
repousar a cabeça
alheia ao terror.
Os humildes baixam a cerviz;
e nós, que não temos pacto algum
com os senhores do mundo,
por temor nos calamos.
No silêncio de meu quarto
a ousadia me afogueia as faces
e eu fantasio um levante;
mas manhã,
diante do juiz,
talvez meus lábios
calem a verdade
como um foco de germes
capaz de me destruir.

Olho ao redor
e o que vejo
e acabo por repetir
são mentiras.
Mal sabe a criança dizer mãe
e a propaganda lhe destrói a consciência.
A mim, quase me arrastam
pela gola do paletó
à porta do templo
e me pedem que aguarde
até que a Democracia
se digne aparecer no balcão.
Mas eu sei,
porque não estou amedrontado
a ponto de cegar, que ela tem uma espada
a lhe espetar as costelas
e o riso que nos mostra
é uma tênue cortina
lançada sobre os arsenais.

Vamos ao campo
e não os vemos ao nosso lado,
no plantio.
Mas ao tempo da colheita
lá estão
e acabam por nos roubar
até o último grão de trigo.
Dizem-nos que de nós emana o poder
mas sempre o temos contra nós.
Dizem-nos que é preciso
defender nossos lares
mas se nos rebelamos contra a opressão
é sobre nós que marcham os soldados.

E por temor eu me calo,
por temor aceito a condição
de falso democrata
e rotulo meus gestos
com a palavra liberdade,
procurando, num sorriso,
esconder minha dor
diante de meus superiores.
Mas dentro de mim,
com a potência de um milhão de vozes,
o coração grita – MENTIRA!

Este é o poema mais popular do poeta, contista, romancista e pintor Eduardo Alves da Costa. Foi escrito na década de 1960 como manifestação de revolta à intolerância e violência impostas pela ditadura militar.  e foi envolvido em uma série de equívocos quanto à atribuição de autoria. Para alguns, o texto era do poeta russo Vladimir Maiakóvski. Para outros, o verdadeiro autor era o dramaturgo alemão Bertold Brecht.

Durante a campanha das Diretas Já, o poema virou símbolo na luta contra a ditadura, aparecendo em camisetas, pôsteres, cartões postais, sendo quase sempre associado ao poeta russo Vladimir Maiakóvski ou ao dramaturgo alemão Bertold Brecht. Com a introdução da internet no país, o equívoco massificou-se. De acordo com Costa, o engano surgiu na década de 1970, quando um psicanalista  incluiu em um de seus livros o poema, dando crédito ao escritor russo e citando Costa como tradutor.

Eduardo Alves da Costa tem 24  de suas obras publicadas, incluindo participação em antologias. Como artista plástico, expôs na França e Alemanha, dentre outros países.

O poema “No Caminho Com Maiakóvski” está publicado no livro de mesmo nome lançado em 1987 (editora Nova Fronteira) e em várias antologias, entre as quais Os Cem Melhores Poetas Brasileiros do Século (Geração Editorial, 2001).

Na revista Época, de 11/07/2014, tem uma interessante entrevista com Eduardo Alves Costa sob o título “O homem que virou Maiakóvski”. Recomendo a leitura aqui

Poesia na Boca da Noite na praça

boca8

O Movimento Poesia na Boca da Noite estendeu o pano da poesia na Praça Veiga Cabral no entardecer desta sexta-feira.
Os poetas declamaram, confraternizaram e distribuíram origamis poéticos.
Veja algumas fotos de momentos que encheram de lirismo e ternura o fim da tarde na bela praça

boca5
Os origamis poéticos
boca7
Ana Cândida e sua sobrinha
boca10
Ana Maria declamando uma bela poesia sobre a biblioteca Elcy Lacerda
boca9
Maria Ester declama poema de sua autoria
flavio2
Flávio Cavalcante declamou poemas de sua autoria publicados na coletânea Poesia na Boca do Rio
boca1
Fernanda Gomes, Maria Ester e Mara Alves
boca12
Annie Carvalho declamando Mario Quintana
boca15
Astrid declamando poemas de Alcy Araújo
boca13
Alcinéa recitando poemas de sua autoria
boca14
A moça ficou encantada com os origamis poéticos

Veja mais fotos aqui

Poesia na Faculdade Apoena

z3

O Movimento Poesia na Boca da Noite teve um encontro poético com os acadêmicos do APOENA na Quinzena Cultural do Curso de Pedagogia. O encontro ocorreu na quinta-feira,16.

z14

As alunas Ana Carolina Lima, Darlene Ribeiro, Edilúcia Maciel, Luciene Sanches e Maria Liúde Costa organizaram um lindo espaço onde poesias foram declamadas com a beleza e o lirismo que a arte poética espalha sobre as pessoas.

A professora Adriana Carla Sousa, da disciplina Fundamentos Teóricos-Metodológicos da Arte e Estética coordenou a atividade desenvolvida na Faculdade no intervalo com arte.

Nossos poetinhas, que um dia foram crianças, hoje adolescentes, abrilhantaram o momento, estiveram presentes Aiury Silva, Júlia Reis, Áquila e Asaf Assunção declamando com muita beleza. Os acadêmicos também participaram ativamente declamando poesias dos participantes da Coletânea do Boca da Noite, foram sorteados livros, distribuídos tsurus poéticos.

O Movimento Poesia na Boca da Noite acredita que é possível vivenciar na escola a poesia como um instrumento de construção no processo de ensino-aprendizagem e tem certeza que  estes futuros Pedagogos levarão para o espaço escolar as diferentes expressões artísticas, em especial a poesia.

Este slideshow necessita de JavaScript.


(Texto e fotos: Fernanda Gomes)

Chá da tarde

Se tu viesses ver-me
Florbela Espanca

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesse toda nos teus braços…
Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca… o eco dos teus passos…
O teu riso de fonte… os teus abraços…
Os teus beijos… a tua mão na minha…
Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri
E é como um cravo ao sol a minha boca…
Quando os olhos se me cerram de desejo…
E os meus braços se estendem para ti…

Eu não vou perturbar a paz

hoje90

EU NÃO VOU PERTURBAR A PAZ
Manoel de Barros

De tarde um homem tem esperanças.
Está sozinho, possui um banco.
De tarde um homem sorri.
Se eu me sentasse a seu lado
saberia de seus mistérios
ouviria até sua respiração leve.
Se eu me sentasse a seu lado
descobriria o sinistro
ou doce alento da vida
que move suas pernas e braços.

Mas, ah! eu não vou perturbar
a paz que ele depôs
na praça, quieto.