Tragédia do Novo Amapá motiva visita de Randolfe Rodrigues à Capitania dos Portos

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL) fará, nesta quinta-feira,6,  uma visita à Capitania dos Portos do Amapá, localizada no município de Santana. No dia em que o naufrágio do barco Novo Amapá completa 30 anos, o senador quer homenagear as vítimas da tragédia comprometendo seu mandato com a segurança da navegação nos rios da Amazônia. “O 6 de janeiro é uma data triste para o Amapá, mas que nos alerta. Vou conhecer o aparato utilizado pela Capitania dos Portos, levantar suas necessidades e disponibilidade orçamentária. Levarei esse debate para o Senado”, explicou Randolfe.

Nos primeiros meses em Brasíla, como senador, Randolfe vai agendar audiência com o Comando da Marinha, no Ministério da Defesa, para se colocar à disposição e juntar esforços em prol da fiscalização, destinação de recursos e estruturação da navegação na região. “A tragédia do Novo Amapá não é uma página virada, é uma ameaça latente. A navegação na Amazônia nos faz lembrar da recomendação bíblica ‘orai e vigiai’ sempre”, justificou ele. A visita à Capitania dos Portos está marcada para às 15 horas.

Novo Amapá

Na noite de 6 de janeiro de 1981, o barco Novo Amapá naufragou na foz do rio Cajari, próximo a Monte Dourado no Pará, com 696 pessoas a bordo. Perderam a vida 378 pessoas em um acidente que se tornou símbolo da completa insegurança da navegação na Amazônia. A embarcação tinha registrados oficialmente 150 passageiros, mas o número verdadeiro era o prenúncio do desastre.
A morte do proprietário da embarcação, Alexandre Góes da Silva, naquela noite, denunciava ainda uma cultura de descuido com a vida e com as condições exigidas para navegação segura, por parte das tripulações e da própria população ribeirinha. De lá para cá a realidade mostra que essa situação persiste.
(Texto: Márcia Corrêa)

Passando a régua

Respondendo pela Prefeitura de Macapá desde o dia 18 – quando o prefeito Roberto Góes foi preso pela PF na Operação Mãos Limpas – a vice-prefeita Helena Guerra (DEM) começou hoje a passar a régua na equipe do prefeito e montar sua própria equipe.

Helena Guerra

De uma canetada só,  ela exonerou Jocildo Lemos (secretário de Finanças), Haroldo Tavares (diretor-presidente da EMTU), Emanuel Reis (gabinete civil). Para substituí-los ela nomeou, respectivamente, Edivan Silva dos Santos, Elynaldo Pantojoa Cardoso e Raimundo Guedes de Araújo.
No segundo escalão, Helena também fez mudanças, nomeando João Guerreiro (Procuradoria de Assuntos de Pessoal), Alba Lúcia Colares (Procuradoria de Assuntos Patrimoniais), Walter Melo (Procuradoria da Fazenda) e Margareth Abdon (Procuradoria de Assuntos Administrativos) .
Outras mudanças deverão ocorrer ainda esta semana.
Para os que fizeram beicinho por causa das mudanças,  Helena Guerra mandou um recado: “Quem não gostar da minha administração será convidado para se rertirar.