Chá da tarde

Por ti

Gosto de ser assim
– livre.
Sem relógio
sem telefone
sem hora de partir
ou de voltar.

Gosto de ser assim
– livre.
De não dizer
estou aqui
vou ali
irei acolá.

Gosto de ser assim
– livre.
Sem hora marcada
pra dormir
acordar
comer
passear
cantar
trabalhar.

Mas se me quiseres
compro um relógio
e um celular
organizo o tempo
e até aprendo a cozinhar.
(Alcinéa)

Combatendo a dengue

Foto: Assessoria de comunicação da Prefeitura

preocupa o estado com os casos suspeitos de dengue.
Estiveram participando da mobilização as principais autoridades do setor de saúde ligadas ao combate à dengue e representantes do MP, TJAP e GEA. “A parceria é fundamental, pois a doença não respeita fronteiras. Sempre trabalhamos em conjunto. Agora é a hora de unirmos ainda mais, pois a situação é médio risco”, enfatizou a prefeita Helena Guerra.

O trabalho é desenvolvido pelos agentes comunitários de saúde e agentes de endemias do CVS. “Ainda acreditamos que é possível vencer esta guerra contra a dengue conscientizando as pessoas. Somente desta forma vamos diminuir o número de criadouros do Aedes “, ressaltou Nayma Picanço, coordenadora da Vigilância Sanitária de Macapá.

Dentre as ações foram realizadas visitas nos  imóveis, entre residências, condomínios, comércios e prédios públicos, na área norte da cidade. Esta foi mais uma forma que a Prefeitura, por meio da equipe de Controle de Endemias e órgãos envolvidos encontrou para conscientizar a população sobre a necessidade de se prevenir contra a dengue.

“O objetivo da campanha é que o poder público e a população somem forças no combate à dengue. Acreditamos que através desta ação, atingiremos resultados melhores. Desse modo, essa mobilização vira uma ótima oportunidade para a população repensar o que tem feito para combater, diariamente, o mosquito em sua comunidade”, disse o juiz Marconi Pimenta.

(Texto: Andréia Freitas, da ASCOM/Prefeitura)

Poesia na boca da noite na ilharga do rio

Nada melhor, mais belo, terno e afetuoso do que falar de poesia, declamar poesia, escrever poesia “na boca da noite” à beira do majestoso rio Amazonas.
Foi isso que fizemos nesta sexta-feira,21.
Montamos acampamento num dos mirantes da Orla do Santa Inês, com mesas, cadeiras, salgadinhos, cerveja, refrigerante, doces, livros, shorinkas (pequenos arranjos de flores naturais), livros, notebook  e muita vontade de falar de poesia e declamar.


Às 17h lá estávamos, eu, Rostan Martins, Glória Araújo e  Osvaldo Simões.  Não demorou muito o grupo começou a crescer, chegaram Antônio Munhoz (nosso convidado especial) César Bernardo,  Dayse Pelaes, Cléo Araújo, Ricardo Pontes, Inakê, Vicente e Danielle.
O majestoso rio, agradecido, nos brindava com sua brisa, nos ternurando e acariciando  nossa poesia.

Alcinéa Cavalcante e Osvaldo Simões declamam poemas dos
livros “Estrela Azul” e “Lamento Ximango”

Gente que caminha e corre na orla não ficou indiferente, uns nos olhavam com doçura, de outros ganhamos sorrisos e outros pararam de caminhar ou correr e se integraram ao nosso grupo. “O exercício físico cuida do corpo e a poesia cuida da alma, hoje quero cuidar da alma”, disse um deles.

Dayse Pelaes declama poemas do livro “Varal” (de Alcinéa, Rostan e Osvaldo)

A previsão era que o encontro terminasse às 19h, mas a aceitação foi tão boa que só começamos a desmontar o acampamento quando já passava das 20h30.

Desafio: Munhoz desafia com trovas e Rostan responde com hai-kai

Toda semana estaremos nos encontrando em algum lugar, fazendo poesia na boca da noite e homenageando um poeta. Ontem o homenageado foi Osvaldo Simões.

Ricardo Pontes, que fazia cooper na orla, desistiu da corrida, se integrou ao grupo e declamou “Tributo ao Poeta”, de sua autoria em homenagem ao  saudoso poeta Isnard Lima

Antônio Munhoz, Cléo Araújo, Osvaldo Simões,
Dayse Pelaes, Alcinéa Cavalcante e César Bernardo

Reencontro – Glória e Munhoz, que há muitos anos não se viam,
se reencontraram fazendo poesia na boca da noite

Munhoz, Glória, Dayse, Osvaldo,
Rostan e Vitória – que é a  musa e esposa do Rostan