Poesia na boca da noite

Poetas e amantes da poesia reuniram ontem na calçada da casa de César Bernardo, no bairro Jardim Marco Zero, e fizeram mais uma vez “Poesia na boca da noite”. O encontro previsto para acabar às 19h varou a noite e só terminou no começo da madrugada.
E as pessoas que passavam paravam para ouvir a poesia amapaense. Num certo momento até o trânsito engarrafou na rua Maria Marola Gato. Sim. Os poetas e declamadores, as performances poéticas, chamavam atenção de quem passava. A poesia atrai e encanta.

Neto Mont’Alverne chegou tímido, deixou suas poesias (que nunca havia mostrado pra ninguém) dentro do carro. A turma insistiu, pediu pra ver e ouvir e não demorou muito Neto perdeu a timidez e declamou suas poesias. Seus poemas foram elogiados por todos. “Está no sangue”, disse Bonfim Salgado, lembrando que Neto é neto da grande e saudosa poetisa Aracy Mont’Alverne.

Grande craque do passado, artilheiro na época de ouro do futebol amapaense, Bill Maravilha trocou ontem o bate-papo sobre futebol pelo bate-papo poético. Ao lado da esposa Dayse Pelaes, Bill acompanhou atentamente as performances poéticas

Na mesa, arrumada com tanto carinho por César Bernardo e esposa Consolação, tinha de tudo: petiscos, cervejinha, refrigerante, notebook e muitos livros de poesias. Professor Antônio Munhoz levou poemas manuscritos de vários autores amapaenses. Os manuscritos, em folhas de  papel almaço  amareladas pelo tempo, tem mais de 30 anos. Foi emocionante. Emoção também quando Munhoz declamou um soneto de José Araguarino Mont’Alverne e exibiu um livro autogrfado de Alcy Araújo, de 1965

A proprietária e o gerente da “Nossa Livraria” leram sobre “A poesia na Boca da Noite” aqui no blog e foram lá. Yolanda, a proprietária, falou de seu desejo de montar uma estante em sua livraria só com autores amapaenses e nos convidou para que façamos lá lançamentos de livros, tarde/noites de autógrafos, bate-papo com leitores etc.
Obrigada, Yolanda, pelo espaço que você está disponibilizando para a literatura amapaense. Acho que a partir da semana que vem os livros dos autores amapaenses já estarão à venda na “Nossa Livraria” (Av. Presidente Vargas, entre Eliezer Levy e Odilardo Silva)

Na próxima quinta-feira, 3, estaremos falando, declamando e fazendo “Poesia na Boca da Noite”, no Largo dos Inocentes, em homenagem aos 253 anos de fundação da cidade de Macapá. É ali, no centro histórico, que vamos homenagear Macapá. Nosso encontro começa às 17h. Qualquer poeta ou amante da poesia pode participar.
Vai lá, leva um banquinho ou uma cadeira, uma poesia sua ou do autor de sua preferência; se quiser pode levar tambéns uns biscoitinhos, e vamos demonstrar todo nosso amor à cidade de Macapá e à poesia amapaense.

Veja mais informação e mais fotos do encontro de ontem no blog do Rostan Martins, clicando aqui