Nunca houve no Brasil ofensiva tão atroz contra o trabalhador, diz Randolfe

O senador Randolfe Rodrigues (REDE-AP) participou, nesta sexta-feira (28), da Greve Geral em Macapá, contra as reformas trabalhista, previdência e terceirização elaboradas pelo Governo Federal e retirada de direitos históricos da classe trabalhadora pelo presidente do Brasil, Michel Temer.
Randolfe disse que  o retrocesso, exploração e a usurpação destes direitos orquestrados pelo governo ilegítimo de Michel Temer precisa ser combatido.  Ele ressaltou que é fundamental que os trabalhadores resistam para que as conquistas ao longo da história do país não se percam por conta de desmandos do Governo Federal.
“Nunca houve no Brasil ofensiva tão atroz contra o trabalhador. Destrói direitos sociais conquistados ao longo do tempo. Buscam precarizar ainda mais as condições de sobrevivência do trabalhador brasileiro, aprofundam a recessão e aumentam o número de desempregos no país, com uma política econômica recessiva. Este governo ilegítimo em sua essência, anti-povo, antinacional na sua Constituição, não tem nenhuma razão para continuar existindo. Por isso os trabalhadores brasileiros foram às ruas aqui em Macapá e em todo o território nacional, para dizer em alto e bom som: “Fora Temer!”, disse  Randolfe ao discursar para cerca de 10 mil manifestantes.
(Com fotos e informações de Elton Tavares)

A greve em Macapá

Em Macapá os manifestantes concentraram-se na Praça da Bandeira e de lá percorreram, com cartazes, faixas e palavras de ordem,  as principais ruas do centro. Segundo a CUT foram 10 mil pessoas. A PM garantiu a segurança, mas não informou o número de manifestantes.
Escolas, bancos, Ministério Público dentre outras instituições paralisaram hoje para que seus funcionários pudessem participar do ato. O comércio funcionou normalmente. Os ônibus pararam das 6h às 8h.

Veja as imagens:












(Fotos: Dulcivânia Freitas, especial para o blog)

MPF/AP recomenda exoneração do presidente do Imap

O Ministério Público Federal no Amapá (MPF/AP) recomendou ao governador do Estado, Waldez Góes, exonerar Bertholdo Dewes Neto do cargo de diretor-presidente do Instituto de Meio Ambiente e Ordenamento Territorial (Imap). A medida visa evitar conflito de interesse. A recomendação foi recebida pelo Gabinete do Governador e pela Procuradoria Geral do Estado nesta quarta-feira, 26 de abril.
O documento assinado por procuradores da República atuantes nas matérias de Meio Ambiente e Patrimônio Histórico e Cultural é resultado de investigação para apurar a regularidade na nomeação de Bertholdo Dewes Neto. Empossado em cerimônia governamental no último dia 24 de abril, o engenheiro florestal é sócio em pelo menos cinco empresas que exercem atividades nos ramos madeireiro e agronegócio.

Continue lendo

Policiais federais fazem protesto nesta sexta em Macapá

O Sindicato dos Policiais Federais no Estado do Amapá (Sinpofap) vai realizar a partir das 8h desta sexta-feira (28) uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) permanente em protesto ao texto da PEC 287/2016 que trata sobre a Reforma da Previdência.

Na ocasião, só irão funcionar os serviços essenciais da Polícia Federal, como o plantão policial, flagrantes e outros assuntos urgentes. Serviços administrativos ordinários serão suspensos em garantia ao direito do sindicalizado de participar da AGE.

Os servidores irão se reunir em frente ao prédio da Superintendência Regional de Polícia Federal no Amapá para protestar contra o texto da Reforma da Previdência que exclui da Constituição Federal o artigo que reconhece a atividade de segurança pública nos critérios de concessão da aposentadoria. Continue lendo

TCE/AP quer inspeção na folha de pagamento da Sesa

O Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Amapá (TCE/AP) aprovou por unanimidade, inspeção na folha de pagamento da Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Amapá (Sesa), a fim de apurar critérios para pagamentos de plantões presencias e sobreaviso de médicos e demais servidores da saúde, assim como a folha de pagamento em sua totalidade.

Na auditoria feita pela Controladoria Geral do Estado (CGE), a pedido do TCE, foram apontadas inúmeras irregularidades, como por exemplo, o pagamento ao médico Antônio Dias de Miranda falecido em março de 2015, que permaneceu na folha até junho/2015, chegando a receber metade do 13º décimo salário; médicos recebendo entre 43 a 46 plantões presenciais ao mês. Continue lendo

As operações Pantalassa e Quantum Debeatur

A Polícia Federal deflagrou ontem (26) duas operações para reprimir crimes contra o meio ambiente no estado do Amapá, denominadas Operação Pantalassa* e Operação Quantum Debeatur*.
Cerca de 100 policiais federais cumpriram  mandados de busca e apreensão, 20 mandados de condução coercitiva e um mandado de prisão preventiva, nos municípios de Macapá, Santana, Pedra Branca do Amapari e Porto Grande.
A Operação Pantalassa apura o envolvimento da empresa Pangea Mineração em esquema de exploração ilegal de madeira para exportação.
Segundo a investigação, que contou com o apoio do Ministério Público Federal e do Ibama, a empresa aliciava assentados de localidades rurais como Munguba, Nova Canaã e Nova Colina para a retirada de madeira ilegal em seus lotes e extraía matéria-prima florestal além do permitido pelos órgãos ambientais. Servidores públicos são suspeitos de facilitarem a tramitação de licenças e autorizações de desmatamento.
Foram cumpridos 17 mandados de condução coercitiva coercitivas, 15 de busca e apreensão e um de prisão preventiva referente ao inquérito. Os investigados responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de desmatamento, lavagem de dinheiro, associação criminosa, usurpação de bem da União, extração/pesquisa ilegal de minério, corrupção ativa e transporte/armazenagem de madeira sem DOF. Se condenados, a pena pode chegar a 30 anos de prisão.

QUANTUM DEBEATUR
A Operação Quantum Debeatur investiga o envolvimento de funcionários do Instituto do Meio Ambiente e de Ordenamento Territorial do Amapá (Imap) na concessão e transferência de créditos florestais indevidos a empresas madeireiras no estado. A investigação apontou que 51.534 m³ em créditos de reposição florestal foram transferidos de forma irregular entre 2014 e 2016. Tal transferência permitiu que madeira extraída irregularmente fosse “esquentada” com os créditos indevidos.
Nessa operação, policiais federais deram cumprimento a três mandados de condução coercitiva e um de busca e apreensão. Os investigados podem ser condenados a até 18 anos de prisão pelos crimes de inserção de dados falsos em sistemas da Administração e elaboração de concessão florestal falso.

Pantalassa era o vasto oceano global que rodeava o supercontinente Pangeia, durante as eras do Paleozoico e início do Mesozoico. Quantum Debeatur, termo em latim para “quantia devida”, diz respeito aos créditos indevidos transferidos de forma irregular pelo Imap. (Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá)