Mais que maniçoba

Com os dois grupos (de Antônio Nogueira e Joel Banha)  se engalfinhando, a coisa no PT-AP tá fervendo mais que maniçoba.
E a segunda-feira promete ser mais quente ainda pois tem reunião da executiva estadual  para encaminhar nova data para a realização do Congresso Estadual que, segundo o presidente Joel Banha foi cancelado, mas segundo o vice-presidente Marcos Roberto foi validado.

No PT – Partidários de Nogueira dizem que grupo de Joel Banha tentou dar o golpe

A Secretaria de Organização (SORG)  do PT no Amapá, responsável pelo PED, enviou nota ao Diretório Nacional do partido desmentindo as acusações feitas ontem, em nota, pelo presidente estadual do PT-AP e representantes de três chapas que disputavam a eleição para a presidência do diretório estadual.

Na nota, a SORG responsabiliza os partidários  de Joel Banha pelo tumulto e pancadaria. E explica que o Congresso Estadual seguiu normalmente  após o presidente Joel Banha e os delegados das chapas Companheirismo, Um Novo Rumo e Ousadia Socialista abandonarem o local. Com a retomada dos trabalhos, o ex-deputado federal e ex-prefeito de Santana Antônio Nogueira foi eleito presidente.

Leia a nota
DA SORG ESTADUAL DO PARTIDO DOS TRABALHADORES DO ESTADO DO AMAPÁ

AO DIRETÓRIO NACIONAL
C/C: SORG NACIONAL E AO DIRETÓRIO ESTADUAL/AP

OS DIRIGENTES ESTADUAIS, REPRESENTANTES DE CHAPAS E PRESIDENTES DOS DIRETÓRIOS MUNICIPAIS ELEITOS NO PED/2017, Considerando o comunicado encaminhado por email à direção Nacional, assinado pelo presidente e representantes de chapas estaduais, em anexo, e publicado para fora do partido, nas redes sociais, mais especificamente no Blog da Jornalista Alcinea Cavalcante (www.alcinea.com), com o título Pancadaria no Congresso do PT”, publicado em 06/05/2017, às 23:12h, temos a dizer e, ao final, requerer:

I – Que em momento algum a chapa RECONSTRUÇÃO, da CNB, representada pelo filiado ANTONIO NOGUEIRA, iniciou “tumulto geral ao pedir para inverter ordem da pauta do evento, realizando primeiro a eleição para presidente, Diretório Estadual e Delegada (sic) Nacional”. O que ocorreu foi um simples e único pedido de inversão de pauta, nada mais, continuando o direito de todas as chapas apresentarem as suas teses e participarem do debate, exatamente como estava previsto no Regimento Interno proposto. O pedido, repetimos, foi apenas para inversão de pauta que foi submetido ao plenário que o aprovou por 87 a 80 votos dos delegados e delegadas presentes (CREDENCIARAM-SE 175 DELEGAD@S, SENDO QUE FORAM ATESTADAS, AO MÁXIMO, 169 PRESENÇAS NAS DUAS PRIMEIRAS VOTAÇÕES NOMINAIS: 87×80 e 88×79). AS OUTRAS VOTAÇÕES FORAM POR CONTRASTE;

II – Quanto às “agressões, palavras de baixo calão, calúnia, injúria e difamação”, já após a instalação dos trabalhos e aprovação do Regimento Interno, realmente houve, mas por parte do Secretário Estadual de Formação Política, Isaías Carvalho, quando usou da palavra para desqualificar o companheiro Antonio Nogueira, que em nada retrucou, pois sabia que eles, em minoria, queriam só um “motivo” para cancelar o Encontro. No entanto, após as duras palavras de Isaías Carvalho, que é partidário do atual presidente Joel Banha, usou da palavra o filiado delegado Heverson Castro que, ao contrário do que diz a nota, disse da necessidade de não criminalizar os companheiros, “…nem mesmo o Joel Banha que também responde processo judicial…”;

III – Foi neste momento que a filiada delegada Dora Nascimento, esposa do presidente Joel Banha, empurrou o filiado Heverson Castro (que não revidou) e, logo em seguida, seus aliados partiram pra cima dele com violência física, quando obteve proteção de outros companheiros ligados à chapa Reconstrução. Logo em seguida, apesar do presidente da mesa, Joel Banha, ser alertado pelos membros da Chapa Reconstrução de que ele deveria suspender o encontro e chamar a polícia para conter os ânimos, ele não atendeu e saiu pelas portas dos fundos, conclamando os delegados ligados a ele, (de mais duas chapas minoritárias), a se retirarem;

IV – Ao saírem do recinto do Encontro (presidente Joel Banha e os delegados das outras 3 chapas), assumiram a mesa dos trabalhos os MEMBROS DA EXECUTIVA: MARCOS ROBERTO MARQUES DA SILVA, vice-presidente; ROMÉRIA SOUZA GOMES, Secretária de Organização; CLEICIANE CARDOSO NUNES e ELISÂNGELA DO ESPÍRITO SANTO, que suspenderam o Encontro e providenciaram segurança para o evento, retomando os trabalhos em 30 minutos após o fato de violência ocorrido, AFERINDO O QUORUM DE 88 PRESENTES DOS 175 CREDENCIADOS (lista de presença devidamente assinada, naquele momento) e dando, com isso, prosseguimento à pauta previamente aprovada no Regimento Interno;

V – Toda a pauta foi exaurida, inclusive eleição do presidente e da Chapa Estadual e Nacional, Reconstrução, inscritas dentro do prazo, assim como os debates previstos: a) Os desafios do PT e da esquerda para o período; b) Apresentação de Teses; c) Eleição do Diretório, Presidente Estadual do PT e eleição de Delegados/as ao Congresso Nacional;

VI – O que houve, na verdade, foi uma tentativa de golpe interno para alterarem o resultado da eleição do PED ocorrido no último dia 09/04, pois participaram 4 chapas, sendo que, dessas, apenas a chapa RECONSTRUÇÃO, da CNB, elegeu 50% mais 2 delegados (92 de 180 delegados), garantindo, em tese, a eleição do presidente e, com isso, a maioria do Diretório Estadual.

Diante do exposto, REQUEREMOS O AGUARDO DO ENVIO DA DOCUMENTAÇÃO DO ENCONTRO (Ata, assinatura dos delegados presentes – as mesmas constantes na Ficha de Credenciamento que o presidente Joel Banha levou quando se retirou do Encontro – mais uma Moção de Confiança ao companheiro Antonio Nogueira e a Tese guia, discutida e aprovada, assim como os resultados dos eleitos) até a próxima segunda-feira PARA QUE SEJA RATIFICADA POR ESSE DIRETÓRIO NACIONAL, fazendo cair por terra a tentativa novamente de golpe na realização de um outro Encontro que querem fazer, desnecessariamente.

Macapá (AP), 07 de maio de 2017.

Assinam este requerimento:

MARCOS ROBERTO MARQUES DA SILVA, Vice-Presidente do PT/AP; ROMÉRIA SOUZA GOMES, Secretária de Organização; ELISÂNGELA DO ESPÍRITO SANTO FERREIRA, Membro da Executiva; ANTONIO NOGUEIRA, REPRESENTANTE DA CHAPA ESTADUAL RECONSTRUÇÃO; JOSÉ CORDEIRO, Presidente eleito do DM/SANTANA/AP (PED-2017), FRANCISCO PIRICÓ, Presidente eleito do DM/LARANJAL DO JARI/AP (PED-2017); MÁRCIO BRITO, Presidente eleito do DM/TARTARUGALZINHO/AP (PED-2017); ALZIRENE GUIMARÃES PEREIRA, Presidente eleita do DM/CUTIAS/AP (PED-2017); ALDO FERREIRA DOS SANTOS, Presidente eleito do DM/VITÓRIA DO JARI/AP (PED-2017); CHAPA MUNICIPAL DE MACAPÁ “RENOVA”; CHAPA MUNICIPAL DE MACAPÁ “A ESPERANÇA É VERMELHA”; CHAPA MUNICIPAL DE MACAPÁ “MACAPÁ EM AÇÃO”; CHAPA MUNICIPAL DE MACAPÁ “RESISTINDO NA LUTA”; MAIS 12 CHAPAS MUNICIPAIS QUE PARTICIPARAM DO PED/2017 EM TODO O ESTADO DO AMAPÁ, LIGADAS À CHAPA RECONSTRUÇÃO.

Lembras?

O velho Trapiche Eliezer Levy, de muitas histórias, causos e lendas. Nele atracavam embarcações de bandeiras de vários países e os gringos aproveitavam para tomar um sorvete, servido em taça de inox pelo famoso garçom Inácio, no Macapá Hotel.

Era desse trapiche que saiam os navios com destino a Belém. No final das férias iam lotados de universitários que voltavam para as faculdades (não havia ensino superior no Amapá).

Nas tardes de domingo o velho trapiche era a passarela da juventude. Depois da sessão da tarde nos cines João XXIII e Macapá os jovens iam como em procissão passear ali. Era um passeio obrigatório.

À noite era comum ver na ponta do trapiche um pescador solitário. Um pescador de peixes, ou de estrelas, ou de poesia ou de raios da lua.

A foto é do tempo em que ainda existia a tão cantada em verso e prosa “Pedra do Guindaste” de muitas lendas. Uns diziam que meia noite a pedra transformava-se num navio de ouro maciço enfeitado com diamantes e esmeraldas. Outros contavam que era uma princesa encantada e tinha gente que jurava ter visto “com esses olhos que a terra há de comer” a pedra se transformar em princesa quando o relógio marcava meia-noite.

Um dia colocaram a imagem de São José, padroeiro de Macapá, em cima da pedra. Pouco tempo depois um navio chocou-se com ela e praticamente nada restou dela. No lugar foi construído um pedestal de concreto para São José.
O santo padroeiro fica de costas para a cidade, mas abençoando todos que aqui chegam pelo majestoso rio Amazonas.

O livro de fábulas – Dom Pedro José Conti

O livro de fábulas

Dom Pedro José Conti, Bispo de Macapá

Foi um pai que contou este fato. “Toda noite a minha filhinha queria que eu lesse uma fábula antes de adormecer. No meio da história, ela já dormia. Logo, eu a colocava na cama. Estava cansado de ler sempre as mesmas coisas. Assim, certo dia, entrei numa livraria em busca de algo novo. A última novidade eram os audiolivros, ou seja, gravações de livros lidos por profissionais. Comprei logo uns dois audiolivros de fábulas para crianças e relativo aparelho para escutar. Uma maravilha! Ensinei à minha filhinha como tudo funcionava e ela ficou feliz. Ela ligava o aparelho, a história começava e ela…dormia. Funcionou por algum tempo. Depois, uma noite, minha filha me empurrou o velho livro de fábulas e me pediu para lê-lo novamente. Eu disse: Continue lendo