Carta para São Pedro

Carta para São Pedro
– Por Inocêncio Carrapato, o poeta do mato –

Meu Sum Pedro Pescadô,
nunca mais eu lé iscrivi
pra falá das disavença
do meu sufrido Brasi.
O gapó tá tão imenso,
meu santinho, qui só penso
im vortá pro Cajari!

Dispois da úrtima carta
qu’eu iscrivi pro Sinhô,
numa piscada dé zólho
munta cuisa aqui mudô:
arrumaro um prisidente
ladrão, gorpista, indecente,
mintiruso e inrabadô!

E tudo isso foi feito
pra acabá a corrupção!
E o cafajeste inda ri
rodeado dé ladrão
que dão as carta im Brasilha,
na mais pió das quadrilha
qui já pisô niste chão!

E o puvo, fumado e ordêro,
parece inté calhambeque
qui só pega no impurrão!…
Pra vivê ele fais breque,
sarta pra tudo qué lado
pra acabá arrebentado
qui nem istrepa-muleque!

Agora diga, meu Santo,
si eu num posso mé zangá
dé vê qui o Brasi parece
panela dé mungunzá
onde tudos mete as mão!…
Tamanha isculhambação
fais quarqué um sé isquentá.

Qui Deus naceu no Brasi
eu iscuito munta gente
dizê mas num aquerdito
nessa históra imprucedente:
sé Deus cesse brasilêro,
num dexava ixe imbustêro
sé passá pur prisidente!

Tô perdeno as isperança
e a vuntade dé vivê…
Tem fartano inspiração
e inté paper pra iscrevê…
Cum a crise sé agravano
eu já ando inté pensano
im morá cum Vosmicê.

Meu bom portêro do Céu,
peça pra Nosso Sinhô,
ulhá pela nossa gente
mandando vento a favô.
E num sisqueça, meu Santo
dé guardá, no céu, um canto
pr’este pobre trovadô.

STF protocola denúncia contra Temer na Câmara

Da Agência Brasil

Denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer chega na Câmara

O diretor-geral do Supremo Tribunal Federal, Eduardo Silva Toledo, entregou hoje (29) a denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer na Câmara dos Deputados. Toledo protocolou o documento por volta de 9h30 na Secretaria-Geral da Mesa da Casa.

A denúncia deve ser lida ainda hoje em plenário pela deputada Mariana Carvalho, segunda-secretária da Mesa Diretora da Câmara. Depois da leitura em plenário, o presidente Temer deve ser notificado nesta quinta-feira a apresentar sua defesa.

A denúncia foi apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na última segunda-feira (26) pelo crime de corrupção passiva. Para ser autorizada a abertura da investigação contra um presidente da República, são necessários os votos de 342 deputados, ou seja, dois terços dos 513 deputados federais. Se esse número de votos não for atingido, a denúncia será arquivada Continue lendo

Curso de robótica para crianças

Unifap oferta minicurso de robótica para crianças de adolescentes

O projeto de extensão “Robótica Tucuju”, da Universidade Federal do Amapá (Unifap), ofertará durante a primeira semana de julho um minicurso de robótica voltado para crianças e adolescentes. As inscrições estão abertas e podem ser feitas no site do projeto, no valor de R$ 50, que deve ser pago no primeiro dia de aula.

O minicurso tem como objetivo ensinar os princípios da robótica, bem como criar e manusear protótipos que demonstrem como aplicar a robótica nas diversas áreas de conhecimento. Podem participar crianças e adolescentes de 10 a 15 anos de idade, que receberão certificado com carga horária de 20h.   Continue lendo

Galeria Trokkal será reaberta hoje

A Galeria Trokkal, localizada na Praça Veiga Cabral, será reaberta nesta quinta-feira, 29, para receber a Vernissage da Exposição Movimentos, do coletivo Imazônia – Grupo de Poéticos e Visuais da Amazônia. Quatorze obras em formato de desenhos, fotografias e pinturas irão compor a mostra, que tem os traços de nove artistas amapaenses. A abertura será às 18h30 e segue até o dia 17 de julho. Continue lendo

Trabalho de Padre Paulo é reconhecido pela Câmara dos Deputados

Padre Paulo recebe o Prêmio Dr. Pinotti em reconhecimento da Câmara Federal por seu trabalho à frente do Ijoma

Por reconhecimento, o padre Paulo Roberto Matias, da Paróquia Jesus de Nazaré, foi indicado para receber a Menção Honrosa do prêmio Dr. Pinotti – Hospital Amigo da Mulher, por seu trabalho em favor do Instituto de Prevenção de Câncer Joel Magalhães (Ijoma). O anúncio oficial foi feito terça-feira, 26, pelo deputado Federal Marcos Reátegui, autor da indicação do padre Paulo, no Plenário da Câmara Federal. A cerimônia de entrega será nesta sexta-feira, 30, na sede do Ijoma, às 10h.   Continue lendo

Macapá Verão – PMM limpando os balneários

Curiaú – Foto: Gabriel Flores

Prefeitura continua a limpeza em todos os balneários da capital com vistas ao Macapá Verão que começa semana que vem.
Cabe a população manter os locais limpos. Nada de ficar jogando lixo, copos e garrafas descartáveis, latinhas e restos de lanche nos rios, lagos e igarapés.

Marinha faz operação “Férias Seguras”

Marinha do Brasil realiza Operação “Férias Seguras” visando à segurança da navegação, durante as férias de julho

Durante o mês de julho, quando o fluxo de embarcações na Amazônia Oriental aumenta significativamente em razão das férias escolares, a Marinha do Brasil, por meio da Capitania Portos do Amapá (CPAP), intensificará as ações de Inspeção Naval e promoverá ações educativas voltadas à salvaguarda da vida humana, segurança da navegação e à prevenção da poluição do meio hídrico.

A Operação, chamada “Férias Seguras”, acontece no mês de julho e prevê especial atenção à prevenção de acidentes com embarcações de passeio (lanchas e moto aquática), além do incidente conhecido pelo nome de “escalpelamento”. Este tipo de acidente atinge, principalmente, crianças do sexo feminino na região amazônica, e, na maioria dos casos, a causa está na falta de cobertura dos eixos propulsores das embarcações de pequeno porte, construídas artesanalmente por ribeirinhos. Continue lendo

As festas de São João

“Era festa da alegria  São João
tinha tanta poesia São João
tinha mais animação
mais amor, mais emoção
eu não sei se eu mudei
ou mudou o São João”
(Zé  Dantas e Luiz Gonzaga)

Junho é mês de passar fogueira, comer canjica e pé-de-moleque, beber aluá, quebrar o pote, subir no pau de sebo, ver o boi e o pássaro, testemunhar casamento na roça… Não, não. Não é mais assim. A cidade cresceu e a tradição foi se perdendo. As quadrilhas já não são as mesmas,  já não se grita “anarri-ê”, nem “lá vem a chuva”, “olha o toco”… As meninas que dançam quadrilha já não usam vestidos de chita e os meninos deixaram de usar calças remendadas e bigodes desenhados com carvão. Hoje o figurino é outro e a coreografia também. As modernas quadrilhas mais parecem comissão de frente de escola de samba. E o Chico Tripa pegou o beco.

Lembro do meu pai fazendo pé-de-moleque, da minha mãe fazendo aluá, de toda gente da minha rua fazendo fogueira, munguzá, cocadinha. Lembro das festas no terreiro. Em algumas casas era uma festança… no quintal, que se chamava terreiro, todo enfeitado com bandeirinhas feitas com  papel de pão e de revistas, principalmente revistas de fotonovelas.

Lembro do Rouxinol, na esquina da Leopoldo Machado com a Almirante Barroso. Era uma mercearia, mas como tinha um grande quintal o proprietário, Sr. Luís, realizava ali as mais famosas festas juninas da cidade. E chamava quadrilhas, bois e pássaros para se apresentarem. Depois começava o arrasta-pé. E no chão batido as damas da alta sociedade dançavam de salto Luís XV com seus cavalheiros impecavelmente vestidos. A molecada ficava na cerca olhando. Os melhores bois e pássaros se apresentavam lá. Um dos pássaros era do Cutião, o mesmo homem que fazia a boneca da banda. Era uma festa ver o pássaro do Cutião passar, imagine vê-lo se apresentar.

Outra festa inesquecível era numa casa na Avenida Padre Júlio, entre a Leopoldo Machado e a Jovino Dinoá. Lá tinha pau de sebo e quebra-pote.

Até aqui falei no bairro da Favela. Mas o bairro do Trem também era pura alegria. Era de lá a quadrilha mais famosa da cidade. Organizada, ensaiada e marcada pelo “chefe Biroba”.
E ninguém marcava tão bem e com tanta animação quanto ele.

Poema à fogueira

POEMA À FOGUEIRA
Arthur Nery Marinho

Fogueira de Santo Antônio
que ardes tal como arde
a chama do meu olhar!

Fogueira linda, que tanto
o meu tempo de criança
ora me fazes lembrar!

Não tenho mais estalinhos
pistolas também não tenho,
como não tenho balão.

Tenho somente a saudade
da infância que hoje não passa
de simples recordação.

Mas, psiu! Não digas nada
às crianças que hoje brincam
como em criança brinquei.
É cedo para que saibam
que na fogueira dos sonhos
minha esperança queimei.

Guarda silêncio, se ouves
o que, contrito, te pede
o meu pobre coração,
pela bondade de Antônio,
desconfiança de Pedro,
profecia de João.

Não digas nada, fogueira!
Não digas que tudo arde
neste mundo de ilusão,
que tudo não passa mesmo
das fantasias que acabam
quando incendeia o balão.

O poeta Arthur Nery Marinho faz parte da primeira geração dos modernos poetas do Amapá.
Nascido  em Chaves (PA), em 27 de setembro de 1923,  veio para o Amapá em 1946.
Ao lado de Alcy Araújo, Álvaro da Cunha, Aluízio Cunha e Ivo Torres, Arthur desenvolveu importantes projetos culturais.
Está na Antologia Modernos Poetas do Amapá,na Coletânea Amapaense de Poesia e Crônica, entre outras.
Em 1993 publicou o livro de poesias “Sermão de Mágoa”. Arthur morreu em 24 de março de 2003 e alguns meses após sua morte a Associação Amapaense de Escritores fez o lançamento do seu livro de poemas e trovas “Cantigas do Meu Retiro”.