Exposição “Já fui floresta”

O Sistema Fecomércio, por meio do Sesc Amapá, realizará a exposição “Já Fui Floresta” do artista José Medeiros, de Campo Grande (MS). A abertura será dia 14 de julho às 19h e segue no período de 17 de julho a 25 de agosto para visitação gratuita na Galeria Antônio Munhoz Lopes, no Sesc Araxá. Continue lendo

Quanta honra!

Email que recebi do Projeto e Editora Palavra é Arte:

“Alcinéa, boa tarde

Lemos alguns textos de sua autoria publicados no Recanto das Letras e só temos elogios a fazer a respeito da forma como escreve. Entretanto, um, cujo título é “agenda”; nos chamou bastante a atenção e é justamente por isso que estamos lhe escrevendo. Como sabemos, a arte de escrever textos poéticos é habilidade de uns poucos eleitos.
Nós do PROJETO e EDITORA PALAVRA É ARTE – sediados na região de Ribeirão Preto, no estado de São Paulo, estamos convidando alguns bons autores, como você, para compor uma de nossas próximas coletâneas de poesias.
Estas são obras com textos de vários autores das mais diversas regiões do Brasil, e temos interesse que participe de uma delas.
Nestas edições daremos preferência aos poetas que têm capacidade de escrever versos sobre temas variados em suas diferentes modalidades.

(…)

Um grande e fraterno abraço,
Dadilane Leal  – Coordenadora da seleção de edição de textos”

Seminário “Contas Abertas: Transparência e Acesso às Contas Públicas”

O Ministério Público do Amapá (MP-AP), Tribunal de Contas da União (TCU), Tribunal de Contas do Amapá (TCE/AP) e Controladoria Geral da União (CGU) estão promovendo o seminário “Contas Abertas: Transparência e Acesso às Contas Públicas” para discutir, dentre outros aspectos, as lacunas que impedem o acesso eficaz dos cidadãos às informações públicas relacionadas aos gastos governamentais ou informações sobre recursos disponíveis.

O evento, que vai reunir gestores públicos estaduais e municipais, prefeitos, vereadores, jornalistas e acadêmicos, será no dia 13 de julho, a partir das 14 horas, na sede da Procuradoria-Geral de Justiça – Promotor Haroldo Franco, localizada no bairro Araxá. Continue lendo

O Brasil desassombrado pelas palavras-fantasmas

O Brasil desassombrado pelas palavras-fantasmas
Eliane Brum

Como as palavras podem voltar a dizer no Brasil? A atual crise é também uma crise de palavra, como já escrevi aqui. No sentido de que o movimento das palavras está interditado, como cartas enviadas que não chegam ao seu destinatário. Em parte isso se deve ao fato de que o absurdo tece o cotidiano, como a realidade brasileira não se cansa de provar. E o absurdo se alarga um pouco mais a cada dia. O que se chama de realidade objetiva tornou-se uma vivência do inconcebível. Embora hiperconectados por redes sociais, as palavras são apenas repetições que voltam para si mesmas. (Leia o artigo completo aqui)