Rosário de ouro

Rosário de Ouro
José Pastana

Uma mulher linda
Um livro de poesia
Uma dose de whisky
Uma cerejeira florida.

Um amor cristalino
Mãos que acariciam
Uma flor que se abre
Um louvor a Deus.

Um igarapé encantado
Uma estrela sozinha
Uma lua prateada
Um rosário de ouro.

Um coração prometido
Um sorriso renovado
Uma história de amor
Um beijo apaixonado.

(Da coletânea “Poemas, poesias e outras rimas” que será lançada em 23 de fevereiro em Macapá)

Um pouco de mim

Um pouco de mim
João Barbosa

Ao discorrer sobre meu caminho,
Não me julgo como plebeu.
Na vida soube amar, construir meu ninho
E insistir no sonho meu.

Com humildade conquistei meu mundo.
Do entusiasmo lucrei o vencer.
Na profissão podei os espinhos
E com todos aprendi a crescer.

Crescer com a beleza da fragrância…
Com prazer namorar a esperança,
Ter como irmãs a honestidade, dignidade…
E me casar com a perseverança.

(Da coletânea “Poemas, poesias e outras rimas” que será lançada em 23 de fevereiro em Macapá)

Feliz aniversário, amada irmã!

Era junho. Frio. Fim de tarde no Rio de Janeiro. Eis que mamãe chega do médico e anuncia que está grávida, que a cegonha traria mais um bebê para nossa família. Olhei em direção ao Cristo Redentor depois virei-me para minha mãe e disse: “Quero que seja uma menina”. Tanto papai como mamãe disseram que fosse menina ou menino o bebê que estava a caminho seria muito amado. Mas eu continuei na torcida por uma menina, pois já tinha dois irmãos, dois príncipes; faltava uma princesa. Voltamos para Macapá, os meses passaram, a medida que a barriga da minha mãe ia crescendo, meu desejo de ter uma irmãzinha crescia também. Me imaginava com ela no colo, me imaginava levando-a para passear, penteando seus cabelos, embalando-a na rede e arrumando seus brinquedos.
No dia 29 de janeiro foi festa em casa, um jantar que reuniu intelectuais amigos dos meus pais. Não sei ou não lembro o que estavam comemorando, só sei que a festa foi até altas horas. Algum tempo depois que os convidados foram embora, mamãe começou a sentir as dores do parto. Chovia forte e por baixo de chuva papai teve que sair para ir buscar a parteira.
Eu quase não dormi, pois estava ansiosa para ver o rostinho da minha irmã. Sim. Não sei porque eu tinha certeza que era uma menina.
Pouco antes das sete levantei-me. Papai estava sentado na sala. Rumei em direção ao quarto deles e ele me barrou. “Não pode entrar aí. Espere o bebê nascer. Ele já vai nascer”. Nisso ouvi um chorinho vindo do quarto. Papai levantou-se, me abraçou e disse: “Acabou de nascer”. Eu, claro, queria entrar no quarto e mais uma vez fui barrada. Minutos depois a porta abriu-se. Papai entrou e eu entrei atrás. E lá estava a minha irmãzinha tão esperada. Que felicidade!
Ela linda, chorona, cabelos tão lisos e bochechudinha.
Talvez seja desnecessário dizer que fiz tudo que imaginei e um pouco mais. Brincava com ela, empurrava seu carrinho, arrumava suas bonecas, contava-lhe historinhas, embalava-a na rede (um dia embalei tão alto que caímos as duas. Chorei mais do que ela), penteava seus cabelos.
Quando estava maiorzinha, gostava de a tardinha arrumá-la bem bonita, com vestidinhos de renda ou cambraia bordada, sapatinhos brancos e ia passear com ela no bairro e na casa das minhas colegas.
Mais tarde ela até servia de escudo para mim. Sim. Quando eu queria ir namorar na sessão da tarde do Cine João XXIII levava-a comigo. Ela passava o filme todinho tomando sorvete e eu de mãos dadas com o namorado.
Apesar de muito paparicada por ser a caçula, não era uma menina tola. Muito inteligente era elogiada na escola e desde pequenina sempre foi muito responsável e solidária.
Minha menina cresceu, se tornou uma grande mulher, uma profissional respeitada, uma amiga que todos querem ter.
Em algumas situações ainda é meu escudo. Às vezes é minha filha;  outras vezes, minha mãe. E sempre será uma das pessoas que mais amo no mundo.
Neste dia 30 em que ela completa mais um ano de vida, eu, meus irmãos, seus filhos e sobrinhos temos muito a comemorar porque Alcilene é um dos maiores e mais valiosos presentes que Deus nos deu.
Mana, que jamais te falte a proteção divina e motivos para sorrir este sorriso tão lindo que trazes da infância; que teu coração continue puro como a pureza do teu olhar.
Nesta noite, em que teço essas lembranças e revivo o teu nascimento, chove em Macapá (como choveu quando papai foi buscar a parteira). Mas saiba que se cair uma chuva tão forte, daquelas de fazer o céu desabar, eu juntarei todas as estrelas para enfeitar os teus caminhos.
Deus te abençoe!
Te amo!

“Nada temas.
Eu tenho as mãos sortidas de carinho.
O coração úmido de ternura
desde que Deus inaugurou a tua presença”
(Alcy Araújo)

Católicos fazem carnaval solidário

O “Trio Folia”, como é chamado o evento promovido pela Banda católica de axé “Raio De Luz”, celebra a 5ª edição do seu carnaval cristão, que este ano será solidário em prol das famílias vítimas do incêndio ocorrido no bairro do Beirol. O evento reúne jovens, crianças e adultos de diversos movimentos e pastorais dentro da igreja católica. A micareta cristã já se tornou tradição e desde a sua primeira edição conta com a presença de mais de 600 pessoas que acompanham o trio elétrico pelas ruas de Macapá. A festa acontecerá no sábado dia 3 de fevereiro, com concentração ás 16h em frente à igreja Nossa Senhora da Conceição no bairro do Trem com percurso até o Parque do Forte. Continue lendo

Homenagem às dançarinas de Marabaixo

Como parte das comemorações dos 260 anos de Macapá, nesta terça-feira, 30, o prefeito de Macapá, Clécio Luís, prestará homenagem às tradicionais dançarinas de Marabaixo, que emprestarão seus nomes para batizar as ruas, centros comunitários, condomínios, subestação de água, quadra poliesportiva, quadra de areia e uma Avenida do Residencial Jardim Açucena. As famílias das homenageadas farão um tour no local para conhecer de perto a obra e as vias do habitacional, marcado para as 8h. Continue lendo

Governo do Amapá lança nesta terça-feira o selo “Produto do Meio do Mundo”

Foto: Maksuel Martins/Secom

O governo do Estado vai lançar o Selo Amapá – Produto do Meio do Mundo, uma certificação para valorizar os produtos de origem amapaense. Será uma marca que vai permitir o reconhecimento nacional e internacional dos produtos locais, especialmente, o que é produzido com incentivos da Zona Franca Verde de Macapá e Santana. O lançamento está marcado para esta terça-feira, 30, às 9h, no Salão Nobre do Palácio do Setentrião, em Macapá

O selo será identificado como “Produto do Meio do Mundo – Amapá – Amazônia – Brasil” e será concedido às empresas interessadas e que cumprirem os requisitos legais exigidos para o funcionamento das atividades voltadas para o seu local de produção e beneficiamento. Continue lendo

19 bairros apresentam alto risco de infestação do Aedes aegypti

Mais de 40% dos criadouros do mosquito Aedes aegypti foram encontrados no lixo doméstico e outros resíduos sólidos. É o que aponta o I Ciclo do Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2018, que classificou Macapá como médio risco para infestação. Ainda de acordo com o levantamento, 20% dos criadouros foram encontrados em pneus e 13% em depósitos de água ao nível do solo, como tonéis e baldes destampados, utilizados pela população no armazenamento de água.

Dos 57 bairros e loteamentos visitados, 10 foram classificados como baixo risco, 28 como médio e 19 como alto risco de infestação do mosquito. Brasil Novo, Morada das Palmeiras, Loteamento Amazonas e Centro são alguns dos bairros que apresentaram alto risco Continue lendo

Ô gente sem noção

A Prefeitura de Macapá continua um intenso trabalho na remoção de entulhos em vias públicas da capital. Mesmo assim, os “sem noção” continuam sujando.
Isso é muito desamor pela cidade que vai completar 260 anos no próxino domingo.

No fim de semana, equipes da Secretaria Municipal de Manutenção Urbanística (Semur) retiraram carcaças de televisores ao lado da Escola Estadual Maria Ivone de Menezes, na Avenida 1ª projetada, e também na Praça do Jandiá, ambas no bairro Cidade Nova I. A Semur chegou ao local após denúncia de moradores.
A Semur possui o número 99147-1050 para denúncias. O contato também aceita fotos e vídeos pelo aplicativo do WhatsApp.

Saudade

Saudade
Jô Araújo

Meu peito apertado
Esmaga meu coração
Que se agita desconsolado
Porque me és solidão.

Essa falta que vem de ti
Anuvia minha alegria
E chove monotonia
Nas flores do meu jardim.

Alheio do meu sentir
Te fazes em mim existir
Sem saber do meu sofrer
E nem do meu bem querer.

E nesse momento oprimido
Na garganta um quase gemido
Sinaliza essa dor
Da falta do teu amor.

(Da coletânea “Poemas, poesias e outras rimas” que será lançada em 23 de fevereiro em Macapá)