Relembre – Operação Olho de Tandera

No final de setembro do ano passado a Promotoria de Justiça Criminal e Tribunal do Júri de Santana, após concluir o Procedimento Investigatório Criminal nº. 000828-28.2017.9.04.0002, ofertou denúncia, recebida pelo juízo da 1ª Vara Criminal da Comarca, contra Elton Felix Goni Lira, por danos causados aos cofres públicos, através do crime de estelionato, praticado contra o Instituto de Previdência do Município de Santana (SANPREV).

O Procedimento Investigatório Criminal foi instaurado após o Ministério Público do Amapá (MP-AP) receber, da gestão municipal, denúncias sobre irregularidades praticadas na SANPREV. A investigação apurou os atos ilícitos praticados pelo denunciado Elton Lira, que firmou contrato de prestação de serviços com o Instituto em fevereiro de 2015, através da empresa Êxito Consultoria de Investimentos LTDA – EPP. A referida denúncia foi recebida pelo juízo da 1ª Vara Criminal

A empresa ofereceu à SANPREV uma carteira administrativa de investimentos, firmando o contrato de investimentos e capitalização nos valores de R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) e R$ 546.000,00 (quinhentos e quarenta e seis mil reais). (Leia mais)

Leia também:

PF deflagra operação Olho de Tandera no Amapá, Pará e Tocantins

Operação Olho de Tandera – Ex-candidata a vice-prefeita de Macapá é levada para depor

Mais sobre a operação Olho de Tandera

Ministério Público denuncia Elton Lira por golpe de quase R$ 900 mil na Sanprev

Tido como falso investidor, Elton Lira é acusado de dar golpe milionário em Belém, inclusive em Macapá

Empresário acusado de golpe na Prefeitura de Santana tem R$ 1,1 milhão bloqueado pela Justiça

Operação Colinas de Rocha – PF cumpre 10 mandados de prisão

Em Macapá um dos alvos da PF foi um apartamento deste prédio na Av. Padre Júlio (Santa Rita). Uma mulher foi conduzida coercitivamente para a sede da PF

A Polícia Federal deflagrou nesta manhã (11/4) a operação Colinas de Rocha, que tem por objetivo finalizar investigação envolvendo grupo empresarial criminoso presente nos Estados do Pará, Amapá, Tocantins e Santa Catarina.

Ele atuava irregularmente no mercado financeiro, captando recursos de Institutos de Previdência de servidores municipais para aplicação no Sistema Financeiro Nacional. Esta é a 2º fase da Operação Olho de Tandera, deflagrada em setembro de 2017.

Policiais federais dão cumprimento a 10 mandados de prisão preventiva e 17 mandados de busca e apreensão, nos Estados do Pará, Amapá, Tocantins e Santa Catarina. Continue lendo