Um poema de Jaci Rocha

Ensaios sobre amor e dor
Jaci Rocha

Dor é linguagem universal
Amor, não:
é multicor, multiverso

Multipessoal
Ama-se pelo riso ou olfato
Pela ausência de sentido
No avesso do avesso
De qualquer explicação…

É uma teia intrínseca
De afeto
Que não julga
O que é errado ou certo.

Dor, é pontual.
Chega sempre que o coração é rasgado
E, por outro lado,
amor atrasa a gente

É que o peito sente
mais calmamente a chuva
E a mansidão do vento
acolhe a beleza dos dias frios…

Dor é adrenalina
movimento impensado
Amor, dopamina
Caminhar junto para um mesmo lado.

O peito reclama quando flui em dor
Amor, sorriso incontido,
coração em flor.

(Leia outros poemas de Jaci Rocha aqui)

MPF processa funcionária pública e empresários por desvio de recursos da merenda escolar

O Ministério Público Federal (MPF) ajuizou, na última terça (1), ação de improbidade administrativa contra Otacília Paes Pereira Filha, ex-chefe da Divisão de Alimentos da Prefeitura de Macapá, por desvio de recursos da merenda escolar. A funcionária pública foi responsável por efetuar pagamentos indevidos à empresa Potencial Comércio e Serviços por mercadorias que não foram entregues. Pela irregularidade, também são processados a empresa e os empresários Cláudio José Ribeiro Filho, Renata Augusta Salgado Frias Ribeiro e Mardônio Alvares Gonçalves.

Segundo a investigação conduzida pelo MPF, por meio do Núcleo de Combate à Corrupção, com apoio da Polícia Federal, os ilícitos foram cometidos entre 2009 e 2010. A empresa, contratada por R$ 630 mil para fornecer gêneros alimentícios, não entregou todos os itens contratados, mas recebeu o valor total do contrato. Dos 12.700 quilos de carne que deveriam ser entregues, a empresa entregou apenas 1.300 quilos, ou seja, cerca de 10% do devido. Dos 23.640 quilos de peito de frango, Continue lendo

Liberdade de Imprensa, hoje e avante

Liberdade de Imprensa, hoje e avante
Por Aline Wolff da Fontoura*

Na data de hoje, 3 de maio, comemoramos o Dia Internacional da Liberdade de Imprensa. Sabemos que no mundo, e aqui no Brasil, muito ainda temos que desenvolver a sociedade nos avanços à democracia e à liberdade de expressão via notícia. Sou otimista em dizer que estamos no caminho. O advento da internet, logo da globalização dos meios de comunicação, foi um passo largo e firme rumo ao futuro que se deseja.

O que preocupa em meio à liberdade de expressão é a poluição da informação e as fake news que desqualificam o trabalho da imprensa. Mas essa questão eu não contabilizo como uma preocupação. Acredito que o público aprenderá a lidar e separar, a cada dia mais, o joio do trigo.

Continue lendo

Arraiá no meio do mundo

Neste final de semana continua a programação do Arraiá no Meio do Mundo, com o Pré-Festival do Polo Macapá, e a disputa entre 23 grupos juninos da capital, no Ginásio Avertino Ramos. Realizado Pela Federação das Entidades Folclóricas do Amapá (Fefap), os pré-festivais acontecem nos polos municipais, e Macapá encerra este ciclo, que não é seletivo. A programação oficial retorna com a escolha dos representantes Garoto e Garota Fefap, da Diversidade e casal de noivos. O pré-festival será nos dias 4, 5 e 6 de maio, a partir das 19:30. Continue lendo

Adeus, Gilson Rocha

Aos 69 anos de idade morreu nesta madrugada o médico, desportista e carnavalesco Gilson Rocha, após cerca de um mês internado com problemas decorrentes de uma pancreatite. Seu corpo está sendo velado na sede do Trem Desportivo Clube e o sepultamento ocorrerá às 17h.
Gilson Rocha foi candidato a governador em 1990 pelo PT, na primeira eleição para o governo do Estado do Amapá. Fez uma campanha alegre, bonita e limpa. Passou para o segundo turno, mas foi derrotado por Anníbal Barcellos (PFL). Foi  secretário de Estado da Saúde, vereador e vice-prefeito e secretário de Estado da Saúde. Um político ficha limpa.
Médico dos mais conceituados, Gilson Rocha fez de seus pacientes seus amigos. Aliás, por onde passava fazia uma multidão de amigos. Foi assim no carnaval e no futebol- duas das suas grandes paixões.
Uma das figuras mais expressivas do carnaval, Gilson Rocha chegou a presidente da maior escola de samba do Amapá: Piratas da Batucada, mas transitava bem nas escolas adversárias e por elas sempre foi recebido com respeito, alegria e confetes e serpentinas.
Desportista, Gilson Rocha era o médico dos atletas. Em campo, corria mais que o centro-avante para atender um jogador que caísse e se machucasse numa disputa de bola. Foi médico da Federação Amapaense de Futebol e de grandes clubes como Ypiranga Clube e Trem Desportivo Clube.
Gilson era alegre, companheiro, amigo, solidário. Era dessas pessoas que todos querem ter como amigos, que faz um bem danado ter por perto.

Vá em paz, meu amigo, siga no caminho da luz, você que foi luz para tantos neste plano. Aqui ficaremos lamentando tua partida, choraremos de saudade, mas também sorriremos lembrando teu alto astral contagiante, as boas conversas, as piadas, os risos e agradeceremos a Deus pelo grande privilégio que tivemos de te ter entre nós e pelas lições de ética, profissionalismo, solidariedade que você nos deixou.

REPERCUSSÃO
Carlos Nilson Costa (Professor, poeta e artista plástico)Gilson Rocha, amigo companheiro de toda uma adolescência preparatória para uma vida brilhante de luta, dígna, de amor ao próximo, de saber a hora chegada e fazer essa hora, de ser muito sério quando era para brincar, pois brincava com a seriedade de um menino, Via na alegria do povo uma forma de respeitar essa alegria, até no carnaval, Tive muito orgulho de ser seu amigo, companheiro e participar em boa parte na preparação da sua , e minha também, cidadania. Vai companheiro, até outro dia. Viva em paz na Glória do Senhor.

Wagner Gomes (Advogado) – Em 1990, nas primeiras eleições gerais, do novo Estado do Amapá, lideramos a oposição e chegamos a disputar o segundo turno. Uma eleição memorável. Gilson, disputava o Governo e Eu, o Senado. Esse pleito ficou para a história. E será assunto em um novo momento. Hoje quero prestar minha singela homenagem, a esse grande cidadão amapaense. Vereador, com um trabalho elogiável, marcou sua presença de modo positivo na Câmara Municipal. Na sua profissão de Médico, ajudou a salvar vidas. Enfim uma vida exemplar:

Helton Jucá (Carnavalesco) – Quanta falta vai fazer meu amigo Gilson, meu par de sapatos brancos, que iluminava com sua alegria, sua garra e sua determinação de campeão do carnaval; quanta falta fará nas tardes de domingo no Zerão um desportista envolvido em amor e garra, e torcendo pelo bem do nosso futebol; quanta falta fará Gilson Rocha, médico de mãos hábeis e que salvou muitas vidas em sua labuta diária.

Germano Tiago, o Tiaguinho (Atleta) – Ele foi um dos maiores responsáveis pelo 1o título profissional do Ypiranga Clube, atuando como médico e diretor do clube.
Se tivesse que dizer uma palavra que pudesse agradecer a tudo o que esse amigo representou a seus amigos, diria; GRATIDÃO, nos deixou o LEGADO do FAZER O BEM, SEM OLHAR A QUEM.

Geandra Bastos (Porta-bandeira) – Você partiu para sempre, mas nos corações dos que amam você, viverá eternamente.