Hoje tem show no Bar do Abreu em comemoração aos 55 anos de Osmar Junior

O Poetinha da Amazônia comemora 55 anos de vida
Andreza Gil

Hoje ele completa 55 anos de idade, mas eternamente com alma de menino. Menino que desde de muito cedo brinca de fazer canção. Compositor, cantor, poeta, Osmar Junior carrega na veia a música com ideologia de quem se preocupa com a preservação da Amazônia, de seus rios, de seu povo. Faz canções principalmente sobre e para os povos da Amazônia. Não é à toa que ele é carinhosamente chamado de “O Poetinha da Amazônia”.

Já são mais de quarenta anos dedicados à música desde que iniciou aos 14 anos os estudos de violão com o maestro Oscar Santos. Na década de 80 fundou junto aos músicos Amadeu Cavalcante, Zé Miguel e Val Milhomem o Costa Norte, um movimento dedicado à investigação, divulgação e preservação da música produzida no Amapá. O Costa Norte foi um marco não só para a música local, mas da Amazônia. Fruto do desejo de falar e mostrar o que existia no extremo Norte do Brasil, nasceram as 10 músicas que vieram a compor o disco Sentinela Nortente, do seu parceiro de movimento, Amadeu Cavalcante.

As músicas gravadas no Sentinela Nortente foram apenas a primeira cartada de Osmar ao falar de ecologia e das injustiças sociais sofridas pelo povo da Amazônia. Anos depois, veio “Piratuba, a cantoria no lago”, um grito de defesa aos rios e biomas do Amapá. O seu trabalho mais recente, “Indiera”, narra nas canções a invasão do capitalismo na alma indígena, uma tentativa de chamar atenção para a ameaça que sofre a cultura do povo indígena.

E como bom poeta, Osmar também canta o amor, das belezas às amarguras do amor. É o compositor de baladas românticas como “Coração Tropical”, “Pra Nunca Mais” e “Todas as Flores”. Dos clássicos “Igarapé das Mulheres”, “Pedra do Rio”, “Tajá” e “Tarumã”, letras com expressões regionais que guardam um pouco da história e memória do Amapá, podendo transmitir às novas gerações o que talvez elas só possam conhecer através do que dizem as canções.

Ao longo da carreira as parcerias foram muitas, das bandas do início da juventude até o mais recente projeto chamado “Beatos Cabanos”, com os poetas Bruno Muniz e Marven Junius. E, para comemorar essas parcerias e mais um ano de vida, ele convida companheiros da música e amigos e admiradores do seu trabalho para viveram juntos mais um momento especial nesse lugar em que foi palco de outros tantos momentos especiais na vida do Osmar, o Bar do Abreu.

E agora, Gilvam?

Durante o lançamento da pré-candidatura de Gilvam Borges (MDB) na manhã de hoje na Câmara de Vereadores de Macapá, o vereador Yuri Pelaes disse estranhar quando Borges diz que é o candidato do partido, até porque ele, Yuri, é do MDB e claro que não apoia essa candidatura. Apoia a de sua mãe Fátima Pelaes, cujo lançamento está marcado para às 17h dessa sexta-feira, 15, na sede do MV-13

Yuri disse também que nem o governador Waldez Góes e nem o presidente Michel Temer apoiam Gilvam Borges.
Assista:

 

MPF investiga empresa americana acusada de acessar ilegalmente patrimônio genético do açaí

O Ministério Público Federal (MPF) investiga a empresa americana Sambazon Inc, acusada de acessar patrimônio genético do açaí sem autorização do Conselho Nacional de Patrimônio Genético (CGen). O acesso ao material e a comercialização de produtos derivados da polpa da fruta ocorreram no exterior. A investigação, conduzida pelo MPF, teve como base processo do Ibama concluído no ano passado.

No curso do processo, o Ibama identificou que a polpa do açaí – adquirido de comunidades locais do Estado – era exportada por uma empresa amapaense para a Sambazon Inc. O material genético da fruta foi acessado na sede da empresa, na Califórnia (EUA). O suplemento alimentar desenvolvido a partir de ativos extraídos do açaí, coletado no Brasil, foi comercializado no exterior. Continue lendo

Sábado tem o festival “Cantando Marabaixo”

Alunos de nove escolas do Amapá participam do II Festival Estudantil Cantando Marabaixo, que acontece neste sábado, 16, a partir das 19h na quadra da Escola Jesus de Nazaré. O projeto Cantando Marabaixo nas Escolas é de inciativa do Movimento Nação Marabaixeira, que está incentivando jovens e adolescentes a produzirem músicas da cultura tradicional do Amapá, passando assim a conhecer e valorizar o legado deixando pelos antepassados. A data  escolhida para o festival é o Dia Estadual do Marabaixo.

Sonora Brasil começa domingo

Macapá recebe no período de 17 a 20 de junho, mas uma edição do projeto Sonora Brasil que este ano trás para a região norte o tema “Bandas: Formações e Repertórios”

Todas as apresentações serão gratuitas.

Veja a programação completa:

Dia 17 de Junho – 10h
Corporação Musical CEMADIPE (GO) e banda de música do Corpo de Bombeiros Militar do Amapá.
Local: Sesc Araxá  – Espaço Recreativo – Rua Jovino Dinoa 4311 – Beirol

Dia 18 de Junho – 18h
Sociedade Musical União Josefense (SC) e Orquestra Filarmônica Evangelista Manancial (AP)
Local: Escola Estadual Professora Risalva Freitas do Amaral – Av Cecília Vicente da Paixão, nº 10 – Pantanal

Dia 19 de Junho – 19h
Banda Manauense (AM) e Banda Amazon (AP)
Local: Auditório da Universidade Estadual do Amapá (UEAP) – Av. Pres. Vargas, 650 – Centro.

Dia 20 de Junho – 19h
Quinteto de Metais da UFBA (BA) e Quarteto de Trompetes (AP)
Local: Escola Sesc – Rua Jovino Dinoa 4311 – Beirol