Artigo dominical

O fabricante de esteiras
Dom Pedro José Conti, Bispo de Macapá

Um jovem monge, fabricante de esteiras, foi ter com o seu abade e lhe disse:

– Pai, o meu espírito está muito abatido. Faço de tudo para afastar esta tristeza, mas não consigo. O abade lhe deu este conselho:

– Eu tenho o remédio certo: crie um novo modelo de esteira. O noviço, tocado por esta proposta inesperada, obedeceu e voltou ao trabalho com mais afinco. Depois de um mês, com as suas mãos habilidosas, ele acabou de confeccionar uma belíssima esteira. No entanto, depois de alguns dias, o seu coração foi tomado novamente pela tristeza e o abatimento. De cabeça baixa, voltou a falar com o abade e lhe disse:

– O demônio da acédia me atormenta novamente, o que devo fazer?

– Inventa um novo modelo de esteira – repetiu o superior. O jovem obedeceu e, desta vez, a cidade inteira foi invadida por tecidos de palha e vime maravilhosamente entrelaçados. Com isso, o diabo ficou revoltado e disse:

– Com este monge não tem jeito. A cabeça dele está tão ocupada com a criação de novos modelos de esteiras que a oração dele está sempre viva e o seu coração sempre alegre!

A parábola dos talentos é muito conhecida. É fácil também nos deixar envolver pelo desenrolar da história. Ficamos curiosos nos perguntando quantos e quais “talentos” o Senhor nos deu, talvez com vontade de confrontá-los com os talentos dos outros. Será que o Senhor foi injusto conosco? Por que sempre achamos que ele deu mais e melhor para os outros? Também precisamos entender o que significa para nós multiplicar os dons e as aptidões que nos foram confiadas. Será que vamos dar conta? Quando o Senhor vier, para o balanço final, teremos mesmo alguns frutos para apresentar?

Com certeza devemos deixar de lado uma leitura, digamos, utilitarista desta parábola. A questão não pode ser aquela de ganhar mais. O Senhor Jesus sempre falou de juntar tesouros no céu e não neste mundo e chamou de insensato o rico que se deu por satisfeito porque tinha acumulado muitos bens. O fato de ter lucrado mais talentos é o resultado do trabalho e não a razão final do esforço.

Com efeito, o terceiro empregado simplesmente enterrou o talento, não o usou e também não se interessou por nada. Assim o patrão chama de servos bons e fiéis os primeiros dois empregados, mas chama de mau, preguiçoso e inútil o terceiro. Preguiçoso, porque não teve nenhuma preocupação com o uso do talento e inútil porque, não progrediu absolutamente em nada. Entendida neste sentido a parábola fica clara e desafiadora.

A questão não está em ter mais ou menos talentos – cada um de nós tem algo que recebeu totalmente de graça a começar pela própria vida – e nem em lucrar muito ou pouco, mas no fato de ter “trabalhado” ou não ter feito nada, ter desistido desde o início por medo do patrão ou mesmo por preguiça, por falta de iniciativa, por acomodação. Podemos resumir dizendo que estamos neste mundo não simplesmente para curti-lo ou desfrutá-lo, mas para transformá-lo numa realidade melhor nos deixando envolver num projeto grande e bonito que poderíamos chamar de “civilização do amor”.

O economista Adam Smith já dizia que “é o egoísmo do padeiro e não a sua generosidade, que nos fornece o pão de cada dia”. De fato, ele reconhecia que o lucro ou a ganância são as grandes molas que movem, desde sempre, a atividade humana. Quantas pessoas, por causa disso, gastam a vida intera para ganhar, cada vez mais, dinheiro ou aumentar o seu prestígio numa corrida sem fim. Não medem esforços quando a questão é o lucro, mas ficam preguiçosas e sem interesse quando o que está em jogo é a convivência fraterna, a solidariedade, o bem dos menos favorecidos. Somos muito ativos e criativos quando queremos ganhar dinheiro, mas pouco ou nada fazemos para vencer as injustiças, as desigualdades, as exclusões. Precisamos de mais coragem e determinação para ser mais criativos e comprometidos no amor. Desta maneira, daremos um sentido à nossa vida e manteremos ocupada a nossa mente e o nosso coração. Não teremos mais tempo para pensar somente no nosso bem-estar, aprenderemos a pensar mais nos pobres e esquecidos. Se não somos fabricantes de esteiras, todos podemos sempre ser fabricantes de amor. Mais criativos a cada dia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *