Artigo – Violência tira o sossego do cidadão de bem

Violência tira o sossego do cidadão de bem
Antônio Furlan*

Nos últimos dias estamos presenciando e sentindo na pele uma onda de violência praticada em todos os cantos do país, nas grandes e pequenas cidades. Aliás, o fenômeno já não é atributo das grandes cidades ou certo segmento da sociedade. A violência envolve hoje, tanto bairros pobres quanto os nobres de todo o Brasil. Um fato que vem mudando os hábitos da sociedade, e interessa a todos nós. O cidadão está cada vez mais perdendo a sua liberdade de ir e vir por conta do alto índice de violência que perturba, por seu grau de crueldade que beira à barbárie, e, sobretudo, pela falta de medidas enérgicas que possam dá um basta na dor, na humilhação e no sentimento de impotência que atingem as vítimas e as pessoas que a elas se solidarizam.

A cada dia cresce o sentimento de insegurança e a percepção da ausência do estado seja na segurança, na educação ou saúde. Na verdade, há tempos a sensação e a realidade objetiva é que nada se faz para mudar essa situação, efetivamente.

A sensação de insegurança, o medo, a falência e ausência do estado estão fazendo até com que as pessoas acreditem que a solução seria a atitude extrema de se fazer justiça com as próprias mãos, o que não pode acontecer. Na verdade, o estado de violência vem gradativamente se internalizando em cada indivíduo ao ponto que até os mais pacifistas veem tal atitude (de se fazer justiça com as próprias mãos) como algo “compreensível”. E diante disso, o crime só cresce, especialmente envolvendo os jovens.

Os casos de violência nos deixam com o medo de não mais poder sair de casa e frequentar lugares públicos. A morte do sargento L. Vieira que morreu em uma troca de tiros com assaltantes em um restaurante no centro da cidade chocou ainda mais a sociedade. Um verdadeiro herói que defendeu a vida de dezenas de pessoas ali presentes. Uma situação lamentável. À família do sargento e a Policia Militar os nossos sinceros sentimentos.

Temos que reconhecer a importância da Polícia Militar. Temos que valorizar o trabalho desenvolvido por essa brilhante corporação que precisa de muito mais estrutura para desenvolver o seu trabalho com eficiência. É preciso valorizar cada militar que doa a sua vida em defesa da população.

Mas o fato é que, Macapá é uma cidade pequena e já é uma das mais violentas do país, e parece que o estado não admite, fazendo de conta que está tudo perfeito. Parece que nossos governantes vivem mesmo num mundo do faz de conta, sempre naquele discurso de que “já fizemos” ou “estamos fazendo muito”, enquanto a população sofre, e quando na realidade, com relação às ações governamentais e resultados concretos, nada se vê!

Os homicídios vêm aumentando, os assaltos praticados por menores, estupros, as mortes por motivos banais, enfim, não estamos vivendo, estamos sobrevivendo! Problemas e inquietações que nos fazem refletir sobre a vida e nos indagar: onde vamos parar? O que o estado irá fazer senhor governador? Será que voltaremos ao estado de barbárie e à irracionalidade?

A raiz da questão é muito mais profunda. Falta segurança sim, mas o que nos falta principalmente, é termos uma educação pública de qualidade, saúde, e o mínimo de oportunidades para se viver dignamente: social, física, intelectual e economicamente.

Erraremos e pagaremos por omissão, incompetência, descaso, burrice? Ou porque queremos mesmo? Há a necessidade de se fazer alguma coisa no Amapá antes que seja tarde, porque do jeito que está não pode ficar!

* Antônio Furlan é médico e deputado estadual

  • Uma medida para melhorar a segurança pública, seria a de mudar a condição de policia militar para policia civil. A militar fica aquartelada, usando burocracia militar. De militar nós já temos, o exército, a marinha e a aeronáutica. É preciso ir para as ruas.

  • Nobre deputado,peça para o presidente colocar à disposição do comando da policia militar,todos os policiais que estão no come e dorme da assembleia.Faça isso.

  • O aumento da violência em nosso Estado é resultado não somente da falta de investimentos em segurança pública, sabemos que isso é primordial, mas não podemos fechar os olhos para o problema social de Macapá, fruto da falta de investimentos de no mínimo quinze anos em políticas públicas que criassem oportunidades para que jovens e ADULTOS procurassem outro caminho que não fosse da criminalidade , pois é o que lhes parece mais fácil e atrativo, políticas sociais colhe-se os resultados a longo prazo, de tê-las implementado ou não.Somando-se a isso temos uma completa desagregação das estruturas familiares, pais que não educam, não repreendem e criam filhos que não os respeitam “soltos” no mundo,jogam a responsabilidade para a sociedade , como se os “outros” é que tivessem obrigação de criar e educar. Isso é uma bolha que vem inflando há muito tempo e agora começou a soltar seus gases !
    Responder

    • Exato! E acrescentaria a necessidade de política efetiva de controle de natalidade e de planejamento familiar. Não haverá nunca escola e saúde que chegue, e muito menos emprego, para tantos que nascem todos os dias! É preciso planejar também o número de habitantes para que as políticas públicas a serem implementadsa sejam efetivas!

  • A Polícia Militar é importantíssima para a efetivação da segurança, porém ela é apenas um dos órgãos responsáveis pela segurança da sociedade. Ao defender a valorização de apenas um dos elementos do conjunto do aparato de segurança estatal o senhor parece que diminui a importância de outras instituições. Os nobres deputados poderiam dar exemplo diminuindo esse orçamento absurdo da ALAP e destinando uma parte para a melhoria da estrutura da Polícia Militar, Polícia Civil,Bombeiro Militar.

    • Verdade,a policia e demais segmentos desta, deveriam ter uma fatia maior no orçamento do GEA.A segurança deveria ser olhada com maior atenção por parte do governo.É inaceitável que os cidadãos de bem fiquem acuados em sua liberdade de ir e vir.Menos propagandas dos feitos do GEA e PMM e mais atenção p/a segurança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *