A política bagunçando o carnaval

Até bem pouco tempo se dizia que quando a cuíca dava o primeiro ronco as divergências políticas desapareciam. Ferrenhos adversários políticos esqueciam as diferenças, as farpas trocadas durante as campanhas eleitorais e iniciavam a temporada de troca de confetes e serpentinas. Todos juntos com um só objetivo: fazer um grande carnaval, produzindo um belo espetáculo, capaz de atrair turistas, principalmente da Guiana Francesa e do Pará, e aquecer a economia.

Hoje as divergências políticas foram levadas para dentro do carnaval e aí se começou a atravessar o samba.

O PMDB (leia-se grupo dos Borges) dominou a Liga das Escolas de Samba e usa o carnaval para atingir o governador Waldez Góes, o prefeito Roberto Góes e seu partido, o PDT, que devagarinho devagarinho foram alijando os Borges dos governos estadual e municipal.
Na queda de José Roberto Galvão (o último indicado por eles que ainda estava no governo) os Borges não mugiram nem tugiram publicamente. Se guardaram pra quando  o carnaval chegasse, que já estava pertinho. E quando a cuíca deu o primeiro ronco, eles começaram a dar o troco, mas parece coisa de criança. Senão, vejamos: isolaram a vice-presidente da Liesa, Aracilene Monteiro, porque ela preside a escola do coração do prefeito Roberto Góes, Jardim Felicidade. Depois a Liesa (que, lembre-se, é dominada pelos Borges) destronou o Rei Momo Sucuriju porque ele, além de ser do Jardim Felicidade, é amigo do prefeito.

Roberto Góes não gostou da gracinha e deu uma canetada decretando que Sucuriju é o Rei. A Liesa tratou de espalhar que a Prefeitura estava se metendo onde não era chamada. Não colou. Todo mundo sabe que carnaval é festa municipal e em qualquer cidade – inclusive o Rio de Janeiro, que tem o melhor carnaval do mundo – a escolha da Corte do Carnaval é responsabilidade da Prefeitura.

No Festival de Samba Enredo, que ocorreu sábado passado, a Liesa não credenciou a Rádio Difusora – emissora oficial do governo e que cobre o carnaval desde a época das batalhas de confetes – e tentou de todas as formas impedir que a rádio fizesse a cobertura do evento. “O governo não manda no Sambódromo, quem manda é a Liga”, teria dito a presidente da Liesa. Acontece que o Sambódromo é do governo e a Difusora foi lá e na marra instalou seus equipamentos e fez a transmissão ao vivo. Me digam se esse tipo de retaliação não parece  briga de moleque de grupo escolar? Coisa do tipo: Ah, tirou o Galvão dali a gente tira a Difusora daqui.

A grana – Waldez Góes, como sempre, faz de conta que não é com ele. E vai dando corda. Reservou quase dois milhões de reais para a Liesa.  Inadimplente, a Liesa apresentou, diante do governo, a Embaixada de Samba Cidade de Macapá pra receber essa dinheirama toda. Waldez se fez de bobo e repassou a grana. O que tem de errado nisso? Talvez nada. Coincidentemente  a Embaixada de Samba é presidida por um Borges. Cabe a Embaixada administrar o dinheiro da Liesa e repassar para as demais escolas a parte que cabe a cada uma nesse bolo. E sabe-se que quem tem a grana tem o poder, daí a subserviência dos representantes das escolas à diretoria da Liga.

Escondendo informação – Os Borges são detentores de inúmeras concessões de rádio em todo o estado. A Liesa resolveu fazer um programa de carnaval. Onde? Claro que numa emissora dos Borges. Se o horário é comprado ou não, ninguém sabe. A Difusora há anos e anos mantem um programa carnavalesco líder em audiência: o Avenida do Samba. A Liesa se recusa a passar qualquer informação para o programa. Aliás, não passa para nenhum veículo de comunicação. Guarda a sete chaves toda e qualquer informação para ser divulgada apenas na emissora dos Borges. Não tem site, não tem blog, não tem nada que possa difundir as informações. O programa na emissora dos Borges não  tem audiência. É apresentado pela própria presidente da Liesa num horário muito ingrato, no finalzinho da tarde. Horário que só se escuta rádio em localidades do interior onde não chega a televisão.

A brincadeirinha de criança de esconder informação resultou no fracasso de público no festival de samba enredo. Mesmo baixando o preço do ingresso de dez reais para cinco reais as arquibancadas ficaram vazias. O que contribuiu para esse fracasso, além da falta de informação, foram as presepadas do ano passado, quando o festival ficou conhecido como “Festival da Bagunça” e o carnaval de 2009 foi chamado de “Carnaval das Trapalhadas”. Só pra lembrar: desde o ano passado os Borges dominam a Liesa.

Trapalhadas – Falar em trapalhada, estava marcado para ontem à noite o início dos ensaios técnicos. Não se sabe por que foi desmarcado. Como a Liesa guardou a informação para dar só no seu programa no final da tarde, o público não ficou sabendo. Muita gente foi ao Sambódromo, os ambulantes com seus carrinhos de cerveja, batata frita e churrasquinho foram pra lá e amargaram prejuízo.
Outra trapalhada de ontem: na quarta-feira a Liesa informou aos Piratas Estilizados que no dia seguinte a escola receberia a visita da Corte do Carnaval. A escola mandou fazer salgadinhos, comprou refrigerante e água mineral, convidou a comunidade e a imprensa para um coquetel, arrumou tudo, deixou tudo bonito. Em cima da hora, por volta das 19h de ontem,  a Liesa informou à diretoria dos Estilizados que a visita da Corte estava cancelada. Os motivos? Não disse.

E de trapalhada em trapalhada o carnaval amapaense vai perdendo o brilho. O setor empresarial, desconfiado, este ano pouco investiu nas escolas de samba. Prova disso é que faltando uma semana para o carnaval, tem escola que ainda está sem alegorias e sem fantasias.

Ou se tira a política de dentro do carnaval ou a política vai acabar com o carnaval, como aconteceu no Pará.

  • Esse castigo pras escolas é bem merecido, pois essas mesmas escolas se reuniram pra tirar a Tia Cila da Presidencia da LIESA sob o comando da marjo que se dizia a melhor amiga da tia Cila. tiraram a tia Cila e colocaram o Abimael e depois queriam vender s LIESA pro Roberto Goes, o que acabou não dando certo. Bem feito

  • eu discordo dessa situação até pq o luiz melo mete phorrada na marjo direto, é só esculta e ler a coluna dele que isso é fato.

  • Você tem razão. Se continuar essa ingerência política, o nosso carnaval vai acabar. No dia do aniversário de Macapa, ouví um comentário que querem acabar com a Banda. Isso é inaceitavel, pois se a justificativa é por causa da violência, como declarou o próprio presidente do mbloco, então, para que serve a polícia, que tem a responsabilidade de garantir a livre manifestação dos brincantes?

  • O Carnaval amapaense é muito maior que essas presepadas, trapalhadas e bandalheiras de gente mediocre. A Liesa só existe porque as escolas de samba existem, então, é fazer convocar uma reunião extraordinária e destituir a diretoria atual e fazer novas eleições. Igual político senão presta é só não votar na próxima eleição e, os Borges tem candidato.

  • e bagunçado porque e o dinheiro nosso, e muito dinheiro 2 milhoes para fazer essa palhaçado e os goes esta na area: Maria Goes para deputado estadual, waldez goes para senado e posivel mente o vadio do Roberto Goes para governo e so votar que terão por muito tempo essa palhaçada.

  • Até que enfim acharam os responsaveis por toda esta situação, mas querem apostar, acabando o carnaval todos estão juntos pedindo votos para os borges, waldez e aliados.Acordem dirigentes das escolas, foi montado um grande esquema de cx 2 para as campanhas eleitorais futuras cadê a justiça do amapa,tre,Ministério público está harmonia dos poderes está levando nosso estado virá um provincia do para e maranhão meu povo

  • Cara na verdade nunk existiu carnaval aki, isso como tudo depende de dinheiro publico, vamos acabar com futebol e carnaval e vamos começar a investir em coisas que tragam beneficio para a população que tal???????????????

  • Sera que podemos chamar isso de carnaval??? No amapá não existe carnaval e so um pretesto p escolas de samba ganharem dinheiro na costa da populção, e uma vergonha diz que isso e carnaval, ainda por cima diz que so perde p Rio d Janeiro… affff

    • Cara, não são babacas não, são é espertos demais. “Trabalham” dois meses no ano e são muitissimos bem remunerados.

  • é verdade, Alcinéia, os Borges entraram no carnaval só pra bagunçar.
    este ano eu nao vou assistir o desfile. Não vou pagar 20 reais por noite na arquibancada prá ver as escolas com as fantasias se desmanchando na avenida como foi ano passado e 20 reais tá muito caro. O governo banca o carnaval entao nao deveriam cobrar ingresso.

  • Tens toda razão a falência do Futebol e do Carnaval.O time do Santana pegou de 14 x 0 de um time do interior de são paulo,o Carnaval desde 2003 que é essa bagunça(quando tem).Eles no ano passado,levanram dinheiro para bicheiro no Rio e enganaram o povo do amapá com a história de viriam turístas ao amapá,os únicos turístas que sempre estão aqui são policias federais.

  • O prefeito esta querendo se resguarda de que? porque não põe ordem no recinto? tem medo dos zolhudos? até quando vamos ver esse tipo de gente tentando matar o Carnaval por conta de picuinhas politicas? Essa LESA quer o que com esse tipo de atitudes? Diante de tudo isso vejo o nosso carnaval as mingua, povo desmotivado em fazer presença no sambódromo, pois levar uma familia de 10 pessoas ( nossa média de pessoas por familia no estado…)ao valor de 10 reais fica mais que impossível prestigiar o evento. Mas no frigir dos ovos acho eu diante de toda a minha iGnNoRânCiaA ser este o objetivo da atual diretoria.

  • A culpa da falta de informação é do assessor de imprensa, Leonardo Trindade, que é assessor do GEA, e está tirando a vaga de outro profissional que deveria ter mais tempo para fazer o trabalho.

  • Sua análise é perfeita. Só gostaria de acresecentar que o mesmo fenômeno está ocorrendo com o futebol amapaense. A política tomou conta. Os estádios há anos sobrevivem da promessa de reformas que nunca começam, os clubes estão nas mãos de dirigentes mais preocupados com seus interesses pessoais e políticos, a imprensa, na sua maioria, transforma os programas em palanques para promover políticos, são poucos que ousam fazer uma crítica isenta Estão sempre dizendo que o nosso futebol está em alta, embora há anos só tenhamos colhido fracassos nas competições nacionais. E mais um vexame se aproxima: este mês o São José vai nos representar na Copa do Brasil, mas ainda nem começou a treinar, não sei nem se já tem time formado, enquanto adversário já está há mais de um mês treinando. Como você pode ver, aqui no Amapá, as duas maiores paixões populares dos brasileiros, o Carnaval e o Futebol, são tratados da mesma forma: ambos vivem de repasses do Governo e ambos são gerenciados incompetentemente por dirigentes ligados a grupos políticos sem compromisso real com a nossa cultura.

  • Isto aí, só está ocorrendo porque o governador Waldez não tem pulso,não tem poder de mando.Por outro lado os Borges sabe que “Rei Posto é Rei Morto”.Final de governo todo mundo manda.Quanto ao Sr. José Roberto,esse é Governista de Carterinha,logo,logo e estará ao lado do governador eleito,esse tipo de gente não tem valor moral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *