Noturno

De noite
eu vigio estrelas.
Embriago-me de amor e luar.
Passeio com Hemingway em Paris.
Visito os becos de Goiás com Cora Coralina.
E com Quintana eu tento descobrir
o que é que os grilos
passam a noite inteirinha fritando.

Dormir
é bom de manhãzinha
quando o sol
– ainda sonolento e tímido –
pula minha janela
pra me ninar.

(Alcinéa Cavalcante)

Carta

Este poema caiu ontem na prova do concurso público da Prefeitura de Macapá organizado pela Fundação Carlos Chagas.
Ter um poema meu num concurso desses me deixa feliz. É um reconhecimento.

Há 39 anos

Há exatos 39 anos dissemos “Sim” diante do altar. Um “Sim” que renovamos todos os dias ao longo dessas quase quatro décadas de feliz união, amor e companheirismo.

Uma lembrança saborosa

Na minha ruazinha, de casas tão singelas, morava dona Lourdes. Quando seu marido Geraldo chegava do interior trazendo cachos de mucajá ela pulava na mesma hora pro quintal e com tanta agilidade tirava os frutos dos cachos.
Numa enorme bacia de alumínio em cima de um tronco, lavava tudo. Depois socava as frutas num pilão para retirar os caroços e socava de novo, agora com sarará (uns bichinhos que ela ia buscar no canal da Mendonça Junior). Dizia que  era para retirar a gosma.
Feito isso, misturava com outros ingredientes e botava pra cozinhar num panelão no fogão de lenha de sua cozinha.
Enquanto isso, a molecada de toda a vizinhança esperava brincando no quintal. Sim. Quando seu Geraldo chegava com os cachos era rápido que a notícia se espalhava e todos corriam – já com água na boca –  para o grande e arborizado quintal.
Dona Lourdes dava uma cuia de mingau pra cada um. E a gente  bebia lambendo os beiços.
Até hoje quando lembro  sinto o gosto desse mingau, sabor da minha infância, lembrança saborosa de meus tempos de criança na ruazinha de casas tão singelas.