Do meu velho álbum de retratos

Nea-1972Essa menina aí sou eu com 16 anos. Minha rua não tinha asfalto, as casas não tinham muros, no máximo uma cerquinha de madeira pintada de branco. A maioria das casas era de madeira, cobertas de palhas ou telhas de barro e as janelas eram venezianas. A casa que aparece nesta foto era do professor de educação física e campeão de natação Anselmo Guedes, o “Tio”, que ainda mora no mesmo endereço, mas a casa hoje está muito diferente.

Uma noite maravilhosa

Estou feliz. Tive uma noite maravilhosa na Escola Estadual Coelho Neto, onde fui homenageada pela minha obra “Paisagem Antiga”.
Fiquei emocionada com tanto carinho que recebi dos alunos, professores e funcionários.
A escola estava toda decorada com poesias, cartazes, baners e alegria, muita alegria.

Uma árvore com trechos de poemas do meu livro Paisagem Antiga foi montada. As flores quando se abriam revelavam meus versos
a3
Os estudantes recitaram meus poemas

b10

Falei sobre minhas obras, respondi perguntas e ofertei um kit de livros para a sala de leitura da escola

a11Tendo ao fundo a árvore de meus “dizeres poéticos” fiz foto com a diretora Dilda Picanço, professor Nelino Gomes e supervisora Noemi Santana

a13

E também com alunos, funcionários e professores

a7

Integrantes do Movimento Poesia na Boca da Noite estiveram lá prestigiando a programação

a8

Cheguei em casa feliz, muito feliz. E registro aqui meu agradecimento a todos os alunos que me proporcionaram momentos inesquecíveis de ternura, aos professores, em especial ao professor de Língua Portuguesa  Nelino Gomes, responsável pelo estudo da obra “Paisagem Antiga”, a diretora Dilde Picanço, supervisora Noemi Santana, coordenadora pedagógica Maria do Socorro Pastana e a todos os funcionários que me receberam com alegria e carinho, desde os vigilantes na entrada ao pessoal da copa. Faço um agradecimento especial também aos amigos do Boca da Noite, que foram lá me prestigiar. Obrigada. Muito obrigada a todos.

Esta é a segunda escola a me homenagear este ano. No primeiro semestre fui homenageada pela escola José Anchieta. Foi também uma festa linda e de um significado tão especial, pois minha mãe, Delzuite Cavalcante, fez parte da primeira equipe de professores de lá.

Do fundo do baú

carteira2Nesse tempo o nome da Biblioteca Elcy Lacerda era apenas Biblioteca Pública; o Amapá não era Estado, era Território Federal; eu era professora no Ginásio de Macapá (GM), que depois virou Escola Integrada e hoje é Escola Antônio Cordeiro Pontes.
A carteirinha dava direito a pegar livros na Biblioteca, levar pra casa e devolver dez dias depois.

Bom dia! Dia de brindar, dia de celebrar a vida

brinde7No verso e reverso da vida
às vezes sou verso,
às vezes o inverso do verso.

Às vezes sou verão;
outras, primavera.

Às vezes sou dia,
mas noite só se for estrelada.

Às vezes dou gargalhadas à toa.
Às vezes choro (baixinho)
e com as lágrimas lavo meus desencantos.
Depois
prego um sorriso no olhar
e saio plantando alegrias.

Canto a paz.
Não aprendi a ser pedra
também não me fiz vidraça.

E amo.
Amo muito.
Amo intensamente.
Amo tudo que merece ser amado
(às vezes também o que não merece).

E descubro
que no verso e reverso da vida
sou mais verso
que reverso.