Passeando por aí…

bixiga1aNa escadaria do Bixiga,  tradicional bairro italiano de São Paulo

Construída na década de 1930, esta escadaria – que é um dos pontos turísticos e históricos de Sampa –  une a parte baixa do bairro à alta , na Rua dos Ingleses, dando acesso por um lado ao Museu dos Óculos, Museu Memória do Bixiga e Teatro Ruth Escobar, e do outro às famosas cantinas italianas e feira de antiguidades. 
A escadaria tem 84 degraus e 16m de altura e já foi palco de várias novelas,  filmes e peças publicitárias.
A foto foi feita pela mana Alcilene certo dia quando exploramos a pé este bairro tão apaixonante, cultural e boêmio, cheio de teatros, cantinas, museus, casarões, sobrados e casinhas que parecem  aquelas de contos de fadas.
Rezamos na  Basílica de N.S. do Carmo e na Paróquia de N.S. Achiropita  e andamos pelas ruas que guardam os passos de Adoniran Barbosa e vimos os bares que ele frequentava.
bixiga3Essa casinha, na Rua dos Ingleses, lembra ilustrações de livros de contos de fadas

# Dia do Livro – Do fundo do baú

carteira2Nesse tempo o nome da Biblioteca Elcy Lacerda era apenas Biblioteca Pública; o Amapá não era Estado, era Território Federal; eu era professora no Ginásio de Macapá (GM), que depois virou Escola Integrada e hoje é Escola Antônio Cordeiro Pontes.
A carteirinha dava direito a pegar livros na Biblioteca, levar pra casa e devolver dez dias depois.

Fim de férias!

Quase um mês de férias maravilhosas – e culturalmente ricas – eis-me de volta, descansada e com  novas ideias e projetos e todo o gás para pilotar o blog que voltará a ser atualizado nas primeiras horas de terça-feira, 19.

Então fica combinado: terça-feira, logo depois da meia-noite, espero a visita de vocês aqui no blog.
Ah, já podem mandar sugestões, notícias, fotos e o que mais quiserem para postar no blog.
Mandem para o emal alcinea.c@gmail.com

Beijos e até terça!

Do meu velho álbum de retratos

Nea-1972Essa menina aí sou eu com 16 anos. Minha rua não tinha asfalto, as casas não tinham muros, no máximo uma cerquinha de madeira pintada de branco. A maioria das casas era de madeira, cobertas de palhas ou telhas de barro e as janelas eram venezianas. A casa que aparece nesta foto era do professor de educação física e campeão de natação Anselmo Guedes, o “Tio”, que ainda mora no mesmo endereço, mas a casa hoje está muito diferente.