Lembras?

Este prédio era na avenida Procópio Rola esquina com a rua Jovino Dinoá. Era do Aero Clube de Macapá e depois Assembléia Amapaense.
Na Assembléia eram realizados os melhores e mais badalados bailes de Macapá ao som de conjuntos como Os Cometas e Embalo-7. Naquele tempo, as festas começavam às 22h e terminavam no máximo às 3h da madrugada.
E foi na Assembléia que muitas amizades iniciaram, muitos namoros começaram e que muita gente conheceu sua alma gêmea dançando de rostinho colado.
Lembra desse tempo?  Você frequentou o Aero Clube ou a Assembléia? Conta aí na caixinha de comentários.

Há 23 anos o poeta e jornalista Alcy Araújo partia para o cais definitivo

“Eu sou Alcy Araújo, poeta do cais. Proprietário de canções e esperanças
quando são mais nítidas as horas de sofrer.”

Alcy Araújo Cavalcante nasceu na Vila de Peixe Boi, no interior do Pará, a 7 de janeiro de 1924.

Criança ainda transferiu-se com a família para Belém, vivendo depois em pequenas cidades às margens do Amazonas, Madeira, Juruá e outros rios da região.

De retorno a Belém  cursou a Escola Industrial, tornando-se mestre marceneiro e de outras especialidades relacionadas com o ofício, que chegou a exercer por algum tempo.

No entanto, a vocação e um precoce desenvolvimento intelectual levaram Alcy Araújo a trocar a bancada da oficina pela mesa do jornal aos 17 anos. De  1941 até 1953 trabalhou nos jornais paraenses Folha do Norte, Folha Vespertina, Imparcial, O Estado do Pará e O Liberal.

Em meados de 1953 ingressou no funcionalismo do Território Federal do Amapá, onde exerceu cargos de relevo. Trabalhou em quase todos os jornais e emissoras de rádio amapaenses e fundou, com outros poetas e jornalistas, vários jornais e  revistas, como a Rumo e a Latitude Zero. Contudo a mais importante contribuição de Alcy Araújo ao Amapá deve ser aferida pela sua intensa e constante participação na vida intelectual e artística – tanto através da imprensa, como nos demais instrumentos e instâncias da cultura amapaense.

Alcy Araújo está na Antologia Modernos Poetas do Amapá, na Enciclopédia Brasil e Brasileiros de Hoje, na Grande Enciclopédia Portuguesa Brasileira, na Grande Enciclopédia da Amazônia, entre outras  antologias nacionais e internacionais.

Em 1965 lançou em Macapá o livro Autogeografia e em 1983 lançou no Rio de Janeiro “Poemas do Homem do Cais” e em 1996  foi lançado pela APES “Jardim Clonal”.

Alcy Araújo Cavalcante, meu pai, tinha a alma pura,  de criança que acredita no Natal e na Esperança e assim cheio de esperança colocou sua poesia a favor da luta por um sociedade melhor, livre das desigualdades e das injustiças.

Alcy Araújo partiu para o cais definitivo em 22 de abril de 1989. Deixou vários livros de poesia, crônicas, contos e romances inéditos. (Leia mais sobre Alcy  aqui )

Alcy Araújo, o jornalista, no jornal O Liberal no comecinho dos anos 50

Crônica do Sapiranga

BOM  DE  LAÇO
Milton Sapiranga Barbosa

Em seu   comentário  sobre a crônica “ Briga Boa”, o meu bom amigo  Ruy Miranda Maia, indagou se eu já  havia postado crônica falando dos  papagaieiros  famosos da  bela época de Macapá  de antigamente, do tempo que  se  podia  dormir  com  as janelas abertas sem medo de ser roubado. Finalizando  o seu  comentário, o  Rubilac (um de seus apelidos entre os moleques da Favela), teve a ousadia de dizer, que se  o  fizesse, contando  quem  era  bom de  “laço”, não citasse meu nome, pois  eu  não era  bom para  estar  entre  eles.

Creio que  deu um branco na  memória de  meu  amigo. Ele esqueceu de  quem

Ruy Miranda Maia, o Rubilac

cortava  as  “curicas”  e as  “cangulas”  dele  e de seus irmãos, rente  o  chão, pois  eles  eram “penosos”,  que   não empinavam  acima  da  fiação   elétrica. Mesmo  assim, empinando  bem baixinho, não  tinha  jeito,  eu  e  o  Dudú da Lindoca, meu parceiro, dávamos  rasantes formidáveis  com nosso  papagaio (cada um dava um laço)   e cortávamos  os  moleques pindurando na mão, termo  usado quando se  cortava o opoente  com  muita linha. No  meu  tempo  de moleque, era  raro  se  avistar uma  “rabiola” no  ar, exceção  feita  pelo seu Jorge, que não  tinha  paciência para  empinar um papagaio normal, que  dirá  um  guinador. A rabiola, ele  dizia, subia  com mais  facilidade   e  com pouco  vento. E  era  verdade. Nos  dias de hoje, o  céu  fica  colorido com dezenas e dezenas de rabiolas  e suas  enormes caudas “rabos”. O  moleque  de hoje  não  sabe   o que é  um papagaio “Vezinho, um Tê, Borboleta, Careta, Caveira, Três Bolas, Xis, Japão” .  Guinador então  nem pensar. Alguns  filhos de bacanas empinavam papagaio  Caixa  e Arraia, que  a gente tinha maior facilidade para  cortar.  Hoje  existem dezenas e dezenas de fabriquetas de rabiolas, até  porque fazer  pipas virou  uma profissão  rendosa, principalmente  durante as  férias  escolares, julho e final de ano, que são os  períodos  reservados para  a referida brincadeira.
Os mini Box, mercearias, botecos  e similares,  ficam abarrotadas de rabiolas nos mais variados padrões. Antes a maioria  da molecada  fazia  sua  cangula, curica ou papagaio, mas o  Guinador,  só  alguns  bambas faziam, pois  tinha que  sair com as talas certinhas na horizontal  e vertical, caso contrário ficariam “pensas” (pendendo para um dos lados, obrigando colocar  um contra peso pra contrabalançar).
Entre os  mais  famosos  papagaieiros que conheci, o melhor  deles, na minha modesta opinião, foi  o MINDODÕ, do Bairro Alto, que  nos  deixou  recentemente. Quando  ele  perdia um laço, coisa  rara, não  se fazia  muita questão do papagaio três bolas que  “chinava”,  o mais importante era  pegar  um pedaço da linha encerada pelo Mindodô, para emendar na nossa  e colocar  no “gargo”. E o moleque só procurava dar laço  roçando na linha do adversário  com o  pedaço da linha do Mindodô.
A linha mais  usada era a  da marca “espingarda” (não fabricam  mais), nos  números 30  e 40, as mais resistentes. A de número 50, menos resistente,  só  era usada para fazer  o  rabo  e  o  peitoral (em duas voltas). Como  nem sempre  tinha dinheiro para comprar  um tubo de linha 30 ou 40, cansei de levar tabefes da dona Alzira, porque  filava  de  sua  máquina de costura  umas  quatro  ou  cinco  braçadas de linha para fazer minhas  curicas, cangulas e papagaios, quando  tinha  entre 8 e 12  anos.

Vevê era papagaieiro respeitado

Além  do Mindodô, conheci outros papagaieiros famosos, como: José de Sena Bastos, Zé Oleiro, Ratão, Macaquinho, Wálter Damasceno, Manoel Paixão, Carlito,  Bereco, Durval, os  irmãos  Silas e Belmar Salgado, Pelado, Dedé, Olavo, Pau Preto,    Dr. Rocha, Dr. Iacy,  Ferramenta, Nossa Amizade, Timbó, Lelé, Izo, Jarbas, Miracy, Érick Lucien  e o Vevê. Sim meus amigos, o primeiro prefeito eleito de nossa cidade, o Raimundo Azevedo Costa, era muito bom de laço. Seu cerol  era  respeitado no bairro alto e  adjacências.
No  bairro da  Favela, o Mário, filho  da dona Lili, era  o campeão, com  seus  papagaios  guinadores,  vermelhos, principalmente quando estava na vantagem e revirava o laço:  estar na  vantagem, significa estar na Jovino e seu oponente no meio do quarteirão da Mendonça Furtado;  revirar a laçada: é levar seu papagaio para a direita e depois retornar pela  esquerda, pindurando (puxar a linha fazendo seu  papagaio pegar pinura ( ir bem alto) no  seio  da linha do  adversário;  Nesse tipo de laço, na maioria das vezes, sempre quem estava na vantagem vencia.
Na brincadeira o grande momento era quando alguém gritava “Lá  se Vem” (quando  o papagaio era cortado e  chinava). Já  quem cortava, gritava na hora; “ Lá Se Poula” ou “Lá se Vai”.
Era regra geral: Pegar  com vara não vale: se pegar, “Guisa”. Mas  tinha uns moleques parrudos  que as vezes quebravam essa regra e  outros que  tomavam o papagaio que um menor pegava. Bem,  aí  era o jeito apelar pra baladeira. Andei inchando costela  de muito moleque na Favela.
Cerol fino era pra  discair (soltar a linha por  cima da linha do inimigo), já o  cerol grosso ou  meio bololo (era para pindurar, já explicado em tópico acima).  Dos vidros para pilar os melhores  eram de magnésia  e de garrafão de vinho, mas também se usava de ampolas, lâmpadas e outros.  Uns sabidinhos, molhavam  papel verde ou papel amarelo e espremiam  no  cerol  e diziam  que era aço do pique ou  aço  do muriate. E a gente temia  enfrentar, pois  eles  diziam que  queimava a linha. Na santa ingenuidade de criança, não pensávamos que, se queimasse, a primeira a ser queimada era de  quem encerava com aqueles ácidos.
Hoje existe muita polêmica sobre empinar papagaio ( pipa) em Macapá, mas no meu tempo  não, se brincava à vontade e éramos tão  felizes.