Adamor do Bandolim faz show em Macapá

Mais de seis décadas de música, talento natural, e disposição sincera pra tocar, diferenciam Adamor do Bandolim no cenário artístico do Norte do Brasil, onde fez seu nome, tocou com grandes músicos do estilo choro, gravou discos, e agora se prepara para um show inédito em Macapá. “E o Choro Continua” terá a participação de três ícones da música amapaense, mestre Nonato Leal, Lolito do Bandolim e Manoel Sobral, que estarão com Adamor do Bandolim no espaço cultural do Norte das Águas, sexta,feira (4) a partir de 22h. O grupo Vou Vivendo e a formação que acompanha Adamor no espetáculo.

Adamor é um dos chamados chorões, que resistem ao regionalismo puro nortista  e novas tendências, e seguem no estilo musical mais brasileiro, o chorinho, que se espalhou pelo Brasil a partir do Rio de Janeiro, e se enraizou na Amazônia, terra que canta a natureza ao som de tambores, mas que tem público certo e apaixonado por choro e samba .  O chorinho ganhou seu espaço no norte graças a artistas autodidatas como Adamor, Edir Proença, Catiá, Noé, Amilar Brenha, Lolito do Bandolim, entre outros chorões.

Nascido em Anajás, região Marajoara, ele se encantou pelo choro ao participar de programa de calouro na Rádio Difusora de Macapá, nos anos 50. Voltou para Anajás  mas sempre atravessava o rio para ir até Belém, onde foi reconhecido por outros talentosos músicos. Fez parte do grupo Gente do Choro, e de outras formações musicais. Gravou vinis e CDs, participou de projetos musicais, festivais, está imortalizado em livros sobre chorinho e teses acadêmicas, viajou pelo Brasil tocando seu bandolim e foi enredo de escola de samba.

Atualmente, Adamor ainda participa do projeto Choro do Pará, onde troca experiências com jovens músicos, e recebe convites para se apresentar com artistas de várias gerações em espaços privilegiados, como o tradicional Bar do Gilson e Teatros. Adamor Ribeiro, seu nome de batismo, volta ao Amapá onde tem grandes amigos e parceiros musicais. O show que ele prepara para esta sexta-feira terá composições de sua autoria e do catálogo musical brasileiro de choros,  e produzidos por artistas do Amapá.

(Texto: Mariléia Maciel)

CD Todo Música – primeiro solo do cantor e compositor amazônico Enrico Di Miceli

Enrico Di Miceli, um compositor intuitivo, livre das amarras da teoria, rebelde, que vai e vem solto, em diversos gêneros (Foto: Alexandre Brito)

CD Todo Música, o primeiro solo do cantor e compositor Enrico di Miceli
Por Ruy Godinho

Eis que chega ao cenário fonográfico brasileiro um laivo de esperança, uma luz no fim do túnel, o CD Todo Música, primeiro solo do cantor e compositor amazônico Enrico Di Miceli, cultivado ao longo de três décadas de profícua carreira.

A causa de tamanho espanto, esperança e reconforto é que, sempre antecedido pelo canto do anun, as notícias que têm sido anunciadas para a área cultural não têm sido lá muito boas. Num cenário fonográfico direcionado por força do poder econômico, este álbum aporta como um alento, um canto alvissareiro de que as coisas boas estão latentes, vivas e que a qualquer momento podem pratear o céu como uma noite de lua cheia.

A impressão que se tem quando da primeira audição, é de que o disco não poderia ter outro nome: Todo Música. E que a faixa título representasse um autoelogio – bem que poderia. Mas, não é, foi composta em homenagem a Gilberto Gil– grande referência de Enrico – e que imprimiu todo o conceito da produção.

Mas, que o “cara é todo música”, é. Tanto que a produção se apresenta como uma vitrine da competência e da criatividade de Enrico Di Miceli, um compositor intuitivo, livre das amarras da teoria, rebelde, que vai e vem solto,em diversos gêneros. Compõe belas melodias que desfilam suas belezas nas já reconhecidas harmonias sofisticadas, que é um diferencial do compositor. No cardápio temos as baladas Todo música (c/Joãozinho Gomes) e Sebastiana (c/Zeca Preto), o bolero Beijo clandestino (c/Joãozinho Gomes), o funk Rita Santana (c/José Inácio Vieira de Melo), o marabaixo Pedra de Mistério (c/Osmar Jr.), os batuques Dançando com a sereia (c/Joãozinho Gomes) e Encontro dos tambores (c/Joãozinho Gomes e Leandro Dias), o reggae-marabaixo Língua intrusa (c/Joãozinho Gomes), o blues Idade não é documento (c/Eliakin Rufino), a balada-jazz Tenho você que me tem (c/Jorge Andrade), a balada pop Vale mais (c/Joãozinho Gomes) e o marabaixo Bacabeira (c/Cléverson Baía e Joãozinho Gomes). A única faixa não autoral é a balada-rock Dia quente (Zeca Baleiro/Joãozinho Gomes), tão constante no repertório de Enrico que não poderia ficar de fora. É de bom alvitre esclarecer que marabaixo e batuque são ritmos tradicionais da africanidade amapaense.O fato é que é difícil classificar só um gênero numa faixa, pelo fato de Enrico estar sempre buscando fundir os ritmos.

Não bastasse, o CD é valorizado com a pluralidade de parcerias, é enriquecido com a qualidade das letras dos parceiros,quase todos poetas amazônicos, que não desassociam letra de música de poesia: Joãozinho Gomes, Zeca Preto, Eliakin Rufino, Jorge Andrade e Osmar Jr., além do baiano José Inácio Vieira de Melo, que lhe presenteou com a letra de Rita Santana, composta em homenagem a uma atriz, poeta e ativista político-social baiana.

À propósito, Zeca Baleiro escreveu no encarte:

“O Norte tem sido a grande Meca da música brasileira nos últimos anos, tamanho é o arsenal de ritmos, caminhos harmônicos e sonoridades. E neste belo Todo Música, Enrico Di Miceli põe sua pitada de tempero ao grande banquete musical amazônico. Viva o rico mundo de Enrico! Enrico, sarava, irmão!”

Nas gravações, Enrico Di Miceli escalou um time de virtuoses de Macapá, instrumentistas do mais alto nível, velhos conhecidos. São eles:Edson Costa (Fabinho) (guitarra), Alan Gomes (baixo), Hian Moreira (bateria) e o percussionista mais genuíno para os toques do marabaixo e do batuque, Nena Silva (percussão). A estes, Nilson Chaves, que fez a Produção Geral de Estúdio e a Direção Artística, arregimentou um reforço de primeira linha, de Belém, dentre eles:, Davi Amorim (guitarra e banjo), o próprio Nilson Chaves (violão de nylon), Adelbert Carneiro (baixo), Edgar Matos (teclados), Esdras de Souza (sopros), Edvaldo Cavalcante e Márcio Jardim (bateria), Kleber Benigno (Paturi) (percussão geral) e o quarteto de cordas formado por Bruno Valente (violoncelo), Rodrigo Santana (viola), Marcus Guedes e Ronaldo Sarmanho (violinos).

Parte dos arranjos foram feitos por Alan Gomes, Edson Costa (Fabinho) e Hian Moreira; três faixas foram creditadas como ‘arranjo coletivo’, todos contribuindo com seus pitacos.Mas, também constam os arranjos de Nilson Chaves e de dois outros renomados ícones da música paraense: o baixista Adelbert Carneiro e o maestro Tynnoco Costa, este último responsável pelos arranjos de cordas.

O disco foi gravado e mixado no Estúdio APCE (Belém/PA), pelo técnico de gravação Assis Figueiredo, que também o mixou ao lado de Nilson Chaves. A masterização foi feita por Carlos Freitas (Classic Master, SP) e a produção executiva foi de Clícia Vieira Di Miceli.

Homenagem a Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth no Sesc

Dando início a temporada de 2019 do projeto Concertos SESC Partituras, o SESC Amapá, trás ao palco a cantora lírica Vera Vigário e o Pianista Bruno George, que voltam à programação em homenagem a Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth através do Duo Sonoro. A apresentação será gratuita e acontecerá no dia 26 de setembro, às 19h no SESC Centro.

O Duo Sonora apresenta em Piano e Voz, a Música Erudita Brasileira com obras de Chiquinha Gonzaga e Ernesto Nazareth, ícones da música erudita brasileira do século XIX e XX nos gêneros: choro, polka, tango brasileiro, marcha, valsa, entre outros.

Songbook de Nonato Leal será lançado nesta terça

O songbook com partituras instrumentais de autoria do músico Nonato Leal será lançado nesta quarta-feira, 30, às 16h, na praça Floriano Peixoto. A obra é uma iniciativa da Prefeitura de Macapá, proposta na gestão do prefeito João Henrique, e que na atual gestão foi resgatado e atualizado. São dez partituras de músicas autorais, que eternizam o talento de Nonato Leal, que completou recentemente 92 anos. O songbook é traduzido para a língua inglesa e conta  a história musical e de vida do mestre.

Raimundo Nonato Barros Leal nasceu no município paraense de Vigia, onde aos 8 anos iniciou com o pai sua trajetória musical. Ao completar 18 anos sabia tocar nada menos que violino, banjo, violão tenor, viola e bandolim, e antes dos 20 anos fez sua primeira composição, Tauaparanassu, quando seguiu para Belém onde fez parte do elenco da Rádio Clube do Pará e conquistou espaço em cadeia nacional no Rio de Janeiro, imitando o violonista Dilermano Reis. Passou pela Rádio Marajoara por onde percorreu o Pará com músicos e cantores da emissora.

Sua chegada em Macapá foi no ano de 1952, atendendo convite de seu irmão Oleno Leal, e logo entrou para a Rádio Difusora de Macapá. No ano seguinte se encantou com Paracy Leal, com quem casou e gerou seis filhos, sendo dois herdeiros do talento musical do pai, Venilton e Vanildon Leal.
Ângela Maria, Nelson Gonçalves, Waldick Soriano, João do Valle, Luiz Gonzaga, Agnaldo Rayol, foram alguns dos artistas que o mestre acompanhou. Participou de programas de Rádio no Ceará, e caiu no samba, compondo enredos para agremiações carnavalescas de Macapá.

Nonato Leal foi o primeiro professor de violão do antigo Conservatório de Música, e introduziu dezenas de alunos na arte musical. Deixou registradas suas composições em três CDs, dois produzidos pelo maestro Manoel Cordeiro (Lamento Beduíno e Coração Popular) e um por Venilton Leal, com quem atuou na TV Tucuju no programa De Pai pra Filho. Sebastião Mont’Alverne, Amilar Brenha, Hernani Guedes, Aimorezinho, Manoel Cordeiro foram alguns músicos que dividiram palco com Nonato Leal.

Na gestão do prefeito  Clécio Luiz o projeto Mestres da Música foi resgatado, e a intenção é executá-lo inteiro, com a produção dos songbooks de mais três músicos regionais:  Amilar Brenha, Oscar Santos e Professor Tiago.
Uma equipe de renome e experiente assumiu a condução do trabalho, formada pelos músicos Fernando Canto, Alan Gomes, Miguel Maus e Nelson Santos, e os colaboradores da PMM, Clícia Di Miceli e Sérgio Lemos. As  fotos que ilustram a obra são de Henrique Silveira, Jelbes Lima, Max Renê e Nay Magalhães.

(Texto: Mariléia Maciel – Foto:Max Renê)