Chá da tarde

O que o vento não levou
Mario Quintana

No fim tu hás de ver que as coisas mais leves são as únicas
que o vento não conseguiu levar:
um estribilho antigo
um carinho no momento preciso
o folhear de um livro de poemas
o cheiro que tinha um dia o próprio vento…

Semana do Poeta

Hoje é o Dia do Poeta. Em Macapá, o dia acordou com um sol bochechudo saudando os poetas. O céu está azulzinho e nuvens impecavelmente brancas brincam formando códigos que só os poetas conseguem decifrar. Um convite à poesia. Um dia perfeito para ler, dizer, declamar poemas, relembrar os primeiros poetas amapaenses, relembrar os que partiram, conversar e abraçar  todos aqueles que vivem a poetar no meio do mundo, estimular a juventude que está se dedicando à arte de construir versos e incentivar as crianças que traduzem em versos os sentimentos mais puros.
E neste domingo de sol bochechudo e céu azul-ternura começa aqui no blog a “Semana do Poeta”. Durante todo esta semana, o maior espaço neste blog será dedicado à poesia, aos poetas e grupos poéticos.
O espaço está aberto para todos. Mande sua poesia, sua foto, sua história ou do seu grupo poético. Esta semana quem manda no blog são os poetas e os amantes da poesia.
E começamos lembrando da Antologia Modernos Poetas do Amapá, lançada em junho de 1960, reunindo os mais importantes poetas do início do Território Federal do Amapá: Alcy Araújo, Álvaro da Cunha, Aluízio da Cunha, Arthur Neri Marinho e Ivo Torres. Intelectuais que demarcaram, como área de cultura, um território ainda jovem. Foi a primeira iniciativa, no gênero, cultivada na linha setentrional do país.
Publico abaixo recorte do jornal Amapá (que recebi de presente do poeta Paulo Tarso) noticiando o lançamento da Antologia em Belém do Pará, na livraria Dom Quixote.
O lançamento em Belém foi bastante concorrido e contou com a presença de estudantes, intelectuais, professores, jornalistas e dos nomes mais importantes da literatura paraense como Bruno de Menezes, Haroldo Maranhão, Max Martins, Rodrigues Pinagé e Georgenor Franco – que saudou os amapaenses em nome da Academia Paraense de Letras. Alcy Araújo, meu pai (de terno branco, óculos, à direita) falou em nome dos modernos poetas do Amapá.

Poeta

“Qual seria o anel do poeta,
se o poeta fosse doutor?
– Uma saudade brilhando
na cravação de uma dor”
(Catulo da Paixão)

Se alguém te perguntar o quiseste dizer com um poema, pergunta-lhe o que Deus quis dizer com este mundo… (Mario Quintana)

A minha poesia, senhor, é a poesia desmembrada
dos homens que olharam o mundo
pela primeira vez;
dos homens que ouviram o rumor do mundo
pela primeira vez.
(Alcy Araújo)

“Meu poema é teu, irmão.
Está à tua disposição em qualquer lugar.
Meu berro de guerra não se perderá no ar!
Encontrará resposta em outras esquinas.
Subirá às praças, derrubando mitos.”
(Isnard Lima)

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
(Fernando Pessoa)

Mas o que vou dizer da Poesia? O que vou dizer destas nuvens, deste céu? Olhar, olhar, olhá-las, olhá-lo, e nada mais. Compreenderás que um poeta não pode dizer nada da poesia. Isso fica para os críticos e professores. Mas nem tu, nem eu, nem poeta algum sabemos o que é a poesia. (Garcia Lorca)

O poeta é um jornalista da alma humana. (Affonso Romano de Sant’Anna)

Eu não forneço nenhuma regra para que uma pessoa se torne poeta e escreva versos. E, em geral, tais regras não existem. Chama-se poeta justamente o homem que cria estas regras poéticas. (Maiakovski)

Não sou alegre nem triste: sou poeta (Cecília Meireles)

Minha poesia é cheia de imperfeições. Se eu fosse crítico, apontaria muitos defeitos. Não vou apontar. Deixo para os outros. Minha obra é pública. (Carlos Drummond)

Dever do poeta é cantar com seu povo e dar ao homem o que é do homem: sonho e amor, luz e noite, razão e desvario. (Pablo Neruda) 

Bom dia,amigos!

Poema para o amigo

É possível que eu te conte
uma história de príncipes e fadas
que escutarás com o olhar perdido na infância.
Ou que te conte uma piada tão engraçada
que rolaremos de tanto rir.
Nossas gargalhadas contagiarão os passantes
e de repente todo mundo estará rindo
sem nem saber por que.

É possível
que eu faça um café com tapioca e te chame
pois café, tapioca e amigo tem tudo a ver.

É possível que eu chegue na tua casa sem avisar
só pra te ofertar uma rosa que acabara de nascer
e te oferecer um Johrei.

É possível que eu te ofereça uma música no rádio
ou te mande, pelo Correio,
uma carta numa folha de papel almaço.

É possível que eu te ligue
no meio da noite
no meio do dia
a qualquer hora
– mesmo na mais imprópria –
só pra dizer:
Amigo, eu amo você.

(Alcinéa Cavalcante)

Tempo perdido

Havia um tempo de cadeiras na calçada.
Era um tempo em que havia mais estrelas. Tempo em que as criançasbrincavam sob a clarabóia da lua. E o cachorro da casa era um grande personagem. E também o relógio de parede! Ele não media o tempo simplesmente: ele meditava o tempo.
(Mario Quintana)

Colar de poesia

SNós do Movimento Poesia na Boca da Noite vivemos inventando coisa para incentivar a leitura e despertar o gosto pela poesia.
Agora na Semana da Lusofonia comemoramos distribuindo poesias dos mais famosos poetas portugueses.
Fizemos centenas de passarinhos de origami, imprimimos trechos de poesias,  compramos linhas e contas coloridas e  fizemos colares que distribuímos por aí para que mais e mais pessoas tenham acesso à poesia de Bocage, Fernando Pessoa, Florbela Espanca, Antero de Quental, Camões, entre outros.
Ficaram lindos e todo mundo gostou e usou.
S

ori10

Bom dia!

O pão de cada dia
Thiago de Mello

Que o pão encontre na boca
o abraço de uma cançãoconstruída no trabalho
Não a fome fatigada
de um suor que corre em vão.

Que o pão do dia não chegue
sabendo a travo de luta
e a troféu de humilhação.
Que seja a bênção da flor
festivamente colhida
por quem deu ajuda ao chão.

Mais do que flor, seja fruto
que maduro se oferece
sempre ao alcance da mão.
Da minha e da tua mão.