Palavras Cruzadas – Um conto de Natal

Um conto de Natal
Por Débora Borralho

debora1bO clima de natal chegou e ele nos traz um sentimento festivo e alegre. Imaginamos sempre as pessoas em confraternização, celebrando a vida com fartura de comidas e sorrisos. Afinal, celebrar o natal é celebrar a vida.

Entretanto, seria impossível não lembrar de uma história infantil que sempre me comove e que retrata tal período. “A pequena Vendedora de Fósforos”, publicado pela primeira vez em 1845 e escrito por Hans Christian Andersen, conta a triste trajetória de uma menina pobre que sofre com o inverno rigoroso e em plena noite natal vê na luz e no calor dos fósforos acesos os sonhos e desejos que todos temos em tal período.

O mais chocante é constatar que mesmo passando décadas e mais décadas de sua publicação, a narrativa permanece atual e retrata o que não queremos enxergar.

Um bonito conto que nos faz repensar sobre as nossas atitudes egoístas para com os outros. Quantos que estão próximos de nós precisam apenas de um cobertor? Passa despercebido aos nossos olhos o sofrimento alheio? E ainda nos mostra um posicionamento acerca dos nossos desejos.

Não se pode deixar de frisar a magnitude das obras infantis de Andersen (autor de “ Um patinho feio”, “Soldadinho de Chumbo” e outros), um dinamarquês que transportou de sua infância sofrida e humilde a simplicidade da vida e a necessidade de tratarmos o ser humano com igualdade. Por isso a data do aniversário do famoso autor foi escolhida para celebrar o dia internacional do Livro Infanto-Juvenil (dia 2 de abril).

Em um momento de reflexão e confraternização, uma palavra amiga tem muito mais valor que um presente caro. Talvez a proposta dada no conto seja que possamos ter mais humildade em enxergar o outro como um reflexo nosso, sem levar em conta que nunca devemos deixar a esperança de dias melhores para trás, mantendo viva a chama dos nossos sonhos, tal como a pobre garota fazia com os fósforos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *