O Dia do Professor – Ernâni Motta

O Dia do Professor
Ernâni Motta

Sempre fui um aluno um pouco abaixo da linha da mediocridade, porém, minhas professoras jamais desistiram de mim! Eu até acho que os dois neurônios, que me foram dados, possuíam uma boa sinapse, o problema é que sempre fui preguiçoso, quando o assunto era, principalmente, estudar!

Eu acho também que elas percebiam com facilidade a minha preguiça, daí, insistirem comigo. Não vou citar nomes para não ferir suscetibilidades, ao esquecer de uma delas, já que foram em um número significativo! Como já vivi algumas décadas, sou do tempo em que a gente começava pela alfabetização, passava pelo primário, secundário, científico para se chegar à faculdade!

Daí que, por ser um cara preguiçoso, vocês podem imaginar o meu sofrimento ao me envolver com livros, cadernos, trabalho de casa… essas coisas! E vocês imaginem também quantas professoras passaram pela minha vida. Isso sem contar os professores, que lá no Ginásio de Macapá, chamávamos de “Mestre”! Esses eram um pouco menos condescendentes comigo, mas, nenhum desistiu de mim!

Então, nesse Dia do Professor, acredito que a melhor homenagem às pessoas que, com tanta abnegação, conseguiram me ensinar um pouco além do que a minha preguiça permitiu, é reconhecer a sensibilidade, a paciência, a sabedoria em lidar com um aluno como eu!

No meu tempo de aluno, os professores eram respeitados, queridos, vistos como fonte do saber, pois, era isso que eles eram! Hoje, lamentavelmente, vemos reiteradas vezes professores sendo agredidos pelos próprios alunos e seus pais e/ou responsáveis, sem contar os parcos salários, as precárias condições das salas de aula, o descaso dos governantes.

Agora, essa penúria não são vistas apenas nas escolas públicas, nas particulares com boa frequência pode-se ver o professor sendo submetido ao mesmo tratamento… senão, pior!
Todavia, o professor é um intrépido, um obstinado, por isso, nunca desiste de sua missão de ensinar, isto é, nenhum obstáculo, por mais penoso que seja, o faz renunciar à missão que Deus lhe concedeu!

Meus eternos Mestres, muito obrigado, pela obstinação em me ensinar o “bê-a-bá”, que tanto me serviu e continua a me servir pela vida afora! Que a inteligência, com a qual vocês são dotados, seja potencializada a cada vez que encontrarem um novo aluno como eu! Que Deus os abençoe!

E, como esse reconhecimento aos meus professores, faço a minha homenagem a todos os professores, homens e mulheres, tratados com tão pouco caso, nesse país! Mas, se posso dizer alguma coisa, faço um pedido: Como os meus professores, jamais desistam do sacerdócio que Deus atribuiu-lhes!

  • Alcinéa, querida amiga, quanta honra! Muitíssimo obrigado e felicidades para você, que sei também é Professora.
    Beijos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *