O vendedor de bombons

O vendedor de bombons
Cléo Farias de Araújo

Aproveitando férias, aceitei o convite de dois vitoriosos atletas do nosso Santana Esporte Clube, Sergio Carlos e Jorge Filho, para irmos caniçar, na fazenda do amigo de um deles.
Em raro dia de sol, pegamos a estrada cedinho e, de posse do material necessário à “empelêita”, fomos conversando e curtindo músicas variadas, do repertório do pesquisador Sérgio, também conhecido por Nunes. A cada música que tocava, fazíamos a associação dela, com alguma etapa de nossas vidas e/ou com algum fato ocorrido em nossa cidade.
Por exemplo: quando tocou “Staying Alive”, do Bee Gees, recordamos das tertúlias nas sedes do Trem, Ipiranga, E. C. Macapá, Amapá Clube e Círculo Militar, onde cada um queria “se apresentar” mais que o outro, a fim de significar no coração das cocotas, para, quando tocasse uma música lenta, a lebre já estivesse no papo.
A certa altura da viagem, ao tocar um bolero de Anísio Silva, um dos integrantes da equipe de pesca, fez alusão ao Merengue. Porém, outro participante declarou:
—Ei, isso também tocava nos seguintes lugares: Hollywood, Juçarão, Curral das éguas, Julinha, Suerda, Só Marisco, Nova Brasília, Vico, Salão Paulino (que depois, virou Salão Castelo), Cornélio, sede do América, Nacional, 13 de setembro, União, Salão do Catabil, Casa Amarela e outras mais.
Nisso, me manifesto:
_ Qual a tua idade, parceiro? Porque tô observando que nem todos esses lugares funcionaram na mesma época.
_ Eu sei-disse ele. – Mas, desde gito, eu frequentei essas paragens.
-Mas…como?- Pergunto eu.
_Quando criança, eu vendia bombons, na porta dessas casas de diversão. Quando cresci, matei minha curiosidade em saber o que era que tinha lá dentro, onde os adultos entravam sorrindo e saíam cansados, mas alegres.
_ É…..- disse eu.- Com essa criatividade, ninguém vai pegar mais peixes que tu, nessa pescaria.
E foi assim: juntando toda a produção dos demais componentes da equipe, não chegamos à quantidade que nosso vendedor de bombons conseguiu tirar da água.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *