A dimensão da literatura de Machado de Assis no exterior é o tema central do Conexões Itaú Cultural

Entre 6 e 8 de dezembro, o Conexões Itaú Cultural celebra Machado de Assis e dedica inteiramente sua edição de 2022 para debater como a obra do autor é acompanhada no exterior. Exibida no canal do Youtube do Itaú Cultural (www.youtube.com/itaucultural), a programação conta com seis mesas de debates – duas por dia, às 12h e às 15h. Elas se debruçam sobre temas como as traduções realizadas de suas obras, questões raciais suscitadas pelos seus textos e as perspectivas atuais e internacionais no que se refere aos estudos machadianos. 

A programação começa com a mesa Machado canônico: recepção internacional. Na discussão, Ana Cláudia Suriani da Silva, professora da Universidade de Londres, e Kenneth David Jackson,  professor da Universidade de Yale (EUA), comentam se o autor brasileiro já é reconhecido como canônico na tradição literária universal. 

A segunda mesa trata da tradução da obra de Assis. Analisa o impacto produzido pela tradução das obras de Machado de Assis no exterior e como os autores de outros países receberam e interpretaram sua obra traduzida.

No segundo dia de debates, quarta-feira, 7, a primeira mesa trata das traduções das obras do autor e parte de uma fala de José Saramago – ”os autores somente criam literaturas nacionais, pois em geral escrevem em seus idiomas” –, para comentar como se lê Machado em outros idiomas e quais são os desafios enfrentados na tradução de suas obras.

A mesa seguinte trata da questão racial na obra machadiana, já que, por décadas, gerações de leitores rejeitaram os seus livros acusando o autor de não se atentar à realidade brasileira e para a condição dos escravizados.

No último dia de programação, quinta-feira, a primeira mesa traz o debate sobre Machado de Assis no sistema literário lusófono, uma vez que a primeira fase da projeção internacional de sua obra se deve à recepção portuguesa de sua poesia. Posteriormente, no século XX, os países africanos de expressão portuguesa recorreram à literatura brasileira como fonte de diálogo para se distanciar culturalmente da metrópole.

A última mesa trata das perspectivas atuais e internacionais dos estudos machadianos, com Paulo Dutra, professor assistente da Universidade do Novo México, e Victoria Saramago é professora da Universidade de Chicago, ambos nos Estados Unidos. Com a mediação do jornalista e tradutor Felipe Lindoso, os convidados comentam se há uma diferença significativa entre a crítica machadiana produzida no Brasil e a realizada no exterior, levando em conta a crescente presença internacional de sua obra e sua valorização.

SERVIÇO:

Conexões Itaú Cultural
De 6 a 8 de dezembro (terça-feira a quinta-feira)
Mesas de debates às 12h e às 15h
Duração aproximada: 90 minutos
Transmissão ao vivo em www.youtube.com/itaucultural

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.