Feira do Livro

Começa hoje – e se estende até terça-feira – a I Feira do Livro do Amapá (Flap).
A abertura será feita pelo governador Camilo Capiberibe às 9h no Teatro das Bacabeiras.
Nesses quatro dias de Flap, haverá diversas palestras e mesas redondas, contação de histórias, lançamento de livros, shows musicais e declamação de poesias.

Hoje durante a abertura o governador assinará a Lei Estadual do Livro, Leitura e Literatura. Haverá também o lançamento do edital da Literatur, entrega de medalha de Honra ao Mérito aos vencedores estaduais das Olimpíadas da Língua Portuguesa e a entrega simbólica pelo governador do Estado do primeiro Vale Livro a um professor da rede estadual.
 
À tarde (das 15h às 18h) no auditório da Escola de Administração Pública-EAP  haverá encontro do Setorial do Livro, leitura e literatura com a Comissão Estadual do Plano de Cultura.
 E às 17h , no Corredor Literário no palco ao lado do Teatro das Bacabeiras, tem  Companhia Supernova Teatro Experimental com “Um batuque para Macapá”.
 
A programação completa está no site do governo, que você acessa clicando aqui
  • PARABÉNS A TODOS ESTIVE LÁ E ADQUIRI LIVROS. ALCINÉA CAVALCANTE A SOCIEDADE AGRADECE O QUE VC TEM FEITO. SEUS PAIS COM CERTEZA ESTÃO BASTANTE FELIZES JÁ QUE VC CONTINUOU SEU TRABALHO.

  • Excelente a realização da 1ª FLAP em Macapá. Só gostaria de registrar que impressionantemente hoje (domingo) estava quente/abafado o interior da Casa do Artesão que fica em frente ao “ventilador velocidade 5 do Rio Amazonas”. Como pode?

  • talvez não tenhamos muito o que fazer, mas ainda certas coisas nos afetam muito e a literatura é algo que serve também de denúncia. peço que divulgue esse texto no seu blog, professor. foi escrito por um amigo meu.
    UM BRASIL COLONIAL NA “TEKOHÁ” DOS “GUARANI KAIOWÁ”

    Guarani Kaiowá quer Tekohá
    nesse país colonial-medieval

    nesse país medieval-feudal
    homens sem cor e sem sangue
    se nutrem de barro feudal
    querem Tekohá para cultivar suas loucuras Neolíticas

    com um arsenal de fogo
    invadem Tekohá em seus cavalos barrentos
    atiram fogos no sangue Kaiowá
    e o sangue ancestral esvaído vai coagulando essa existência que não se humaniza

    feudo tem dono
    Tekohá parece feudo
    mas não
    Tekohá nasce no espírito Kaiowá
    porque Guarani Kaiowá sabe que a existência flui
    a vida é útil e não supérflua
    desejam morrer por si
    e por todos os espíritos ancestrais
    ficam em Tekohá para morrerem em mãos de fogo
    porque Tekohá não é feudo
    Tekohá é TERRA ANCESTRAL

    e Tekohá agora tem o vermelho no barro
    etnocídio descarado típico de um país colonial

    mas agora nós queremos olhar a cara suja
    do demônio-deus da constituição
    que atrasa a verdade aos Guarani Kaiowá
    que esperam
    morrendo
    e morrendo alertam à todos os donos das rajadas de bala
    e também ao demônio-ESTADO-federativo
    ESTAMOS PRONTOS PARA MORRER

    e enquanto isso
    morrem

    por onde anda Oswald de Andrade nessas horas?

    Alen

  • Muito tempo não via, por aqui, iniciativa tão interessante quanto essa; que inclua, principalmente, estudantes, professores, escritores, donos de livrarias e editores. Parabéns a todos os incentivadores e organizadores; que seja um grande início, para uma longa trajetória de sucesso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *