Juizado da Infância estimula o hábito da leitura

Projeto “Livre pelo Livro” do Juizado da Infância incentiva o hábito da leitura entre crianças e adolescentes

O Juizado da Infância e da Juventude- Área Cível e Administrativa- realiza o projeto “Livre pelo Livro” que objetiva desempenhar atividades pedagógicas, por meio da leitura, com crianças e adolescentes das periferias da cidade.

O projeto de incentivo à leitura, em parceria institucional com a Academia Literart & Cultura Amazônica e Instituto Villa Cesaris é desenvolvido de maneira itinerante em vários pólos de atendimento localizados em igrejas dos bairros escolhidos para o projeto e no Centro Comunitário de Segurança Pública do Congós. A intenção é disseminar a leitura como forma de inclusão social e cultural.

Para o juiz César Augusto Souza Pereira, titular do Juizado, a possibilidade de incluir crianças e adolescentes na literatura e aumentar cada vez mais o acesso aos livros é muito importante, pois promove a ideia de levar informação pela prática da leitura.

“É importante dar visibilidade a esse projeto para que a partir dessas ações nós possamos ter cada vez mais um maior número de livros em nosso acervo por meio de doações. Temos de sete a nove pólos de leitura instalados nas zonas de exclusão social e a intenção é fazer mais parcerias para dar sustentação a esse projeto. E assim os pontos de leituras continuem abertos para a comunidade e mais crianças possam aprender por meio do compartilhamento do saber”.

A Assistente Social Maria do Socorro Passos, que faz parte da equipe do Juizado, destaca as atividades que são oferecidas nos pólos personalizados especialmente para conquistar as crianças.

“A equipe recebe um treinamento pedagógico para proporcionar às crianças atividades educativas, dinâmicas, teatros de bonecos e fantoches além de uma pedagoga para contar histórias. Há ainda doações de livros e kits de material escolar. O Juizado leva esse acolhimento também às escolas, auditórios, abrigos Marluza Araújo e Ciâ Katuá e ao Hospital da Criança e do Adolescente”.

A servidora ainda ressalta que dentro dos pólos criados nas instituições parceiras, funciona um “cantinho da leitura” personalizado para receber as doações. Estantes e baús foram doados pelo Juizado para que os livros sejam organizados e tenham fácil manutenção.

O Projeto “Livre pelo Livro” ganhou uma premiação em nível nacional como melhor biblioteca pública do país em novembro de 2011. O Juiz César Augusto Souza Pereira recebeu o Prêmio “Vivaleitura” em uma cerimônia na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro. O Prêmio “Vivaleitura” reflete a importância de um melhor acesso à leitura para o desenvolvimento do Brasil.

O projeto “Livre pelo Livro” já funciona desde 2002 na biblioteca do Fórum Desembargador Leal de Mira.  O núcleo-sede, além de possuir um espaço reservado à leitura, conta ainda com um acervo literário voltado às atividades do projeto. Por outro lado, o núcleo possui também obras do mundo jurídico e de outras áreas humanas, muitas dessas obras jurídicas foram doadas por juízes e advogados e, outros livros, por colaboradores, para enriquecer o acervo bibliográfico.

(Assessoria de Comunicação do Tribunal de Justiça do Amapá)

  • A inclusão nessa faixa etária do desenvolvimento humano é o que queremos para um mundo melhor.Macapá-AP merece adultos sensíveis que dão sua força de trabalho e sensibilidade a esses projetos.MACAPA-AP FICA MAIS BONITA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *