Marabaixo é reconhecido como Patrimônio Cultural do Brasil

Do portal do Iphan

Por ser uma forma de expressão que reúne referências culturais vivenciadas e atualizadas pelos amapaenses, fundamental para a construção e afirmação da identidade cultural negra brasileira, o Marabaixo foi reconhecido Patrimônio Cultural do Brasil. A decisão foi tomada hoje, 08 de novembro,  por unanimidade, pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), durante reunião que ocorre no Museu Histórico do Pará, em Belém.

Devoção e resistência negra
Fruto da organização e identificação predominante entre as comunidades negras do Amapá, o Marabaixo é uma expressão cultural de devoção e resistência que representa tradições e costumes locais. A origem do nome remete aos escravos que morriam nos navios negreiros; seus corpos eram jogados na água e os negros cantavam hinos de lamento mar abaixo e mar acima. Os negros escravizados passaram a fazer promessas aos santos que consagravam, e quando a graça era alcançada se fazia um Marabaixo. Sua herança é deixada de pai para filho, e está associada ao fazer religioso do catolicismo popular em louvor a diversos santos padroeiros.

Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural
O Conselho que avalia os processos de tombamento e registro é formado por especialistas de diversas áreas, como cultura, turismo, antropologia, arquitetura e urbanismo, sociologia, história e arqueologia. Ao todo, são 22 conselheiros, que representam o Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB), a Associação Brasileira de Antropologia (ABA), o Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (Icomos), a Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB), o Ministério da Educação, o Ministério do Turismo, o Instituto Brasileiro dos Museus (Ibram), o Ministério do Meio Ambiente, Ministérios das Cidades, e mais 13 representantes da sociedade civil, com especial conhecimento nos campos de atuação do Iphan.

  • Ha pouco li uma reportagem com o seguinte tema: “Patrimônio cultural do Brasil, Marabaixo perde para a falta de união”. Penso que isso deve ser um desabafo de uma pessoa da gema dessa cultura. Tudo o que conquistamos está indo pro ralo do descaso, com a irresponsabilidade de alguns dirigentes, que deveriam zelar por essa tão nobre herança cultural. Os versos são bem talhados, as músicas; verdadeiros encantos pra alma, mas a conduta e a organização falham; principalmente em relação a UNA; um centro que deveria ser a menina dos olhos da nossa cidade. A culpa; a culpa é minha, é sua; é de todos que deixamos chegar nessa situação. Zelar; só o abraço de todos para o bem comum. E viva o Marabaixo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *