Você já tomou vinho de podridão nobre?

Você já tomou vinho de podridão nobre?
Renato Salviano

O mundo dos vinhos é mais completo e vasto do que se imagina. Sempre digo para quem está iniciando: vinhos vão muito além de cabernet sauvignon e pinot noir: essa é apenas a porta de entrada para muita coisa a se conhecer.

Hoje vamos falar sobre um estilo de vinho que geralmente, ao ouvir pela primeira vez, as pessoas torcem o nariz: os vinhos feitos a partir de podridão nobre! Mas Renato, podridão? Bom, é isso mesmo!

Existem vários tipos de vinhos doces: os de colheita tardia, os icewine, os vinhos do Porto e também os vinhos de podridão nobre.

Esses vinhos de podridão nobre são considerados muito elegantes e sofisticados. Neste estilo de vinho, as uvas são atacadas por um tipo de fungo, que cobre a casca da uva, chamado Botrytis cenérea, ou podridão nobre. A Botrytis perfura a casca da uva, fazendo com que a água evapore e fique ali grande concentração de açúcares, aromas, sabores e acidez. E justamente por ter acidez elevada, podem ser guardados por décadas!

Não é toda uva e região que pode produzir este estilo de vinho. A casca deve ser fina e o fruto tem de ser plantado em lugares únicos, com muita neblina pela manhã e sol ameno a tarde. Nessas regiões, o fungo cobre os grãos de uva, provocando uma série de reações que modificam os parâmetros de acidez e dulçor dos frutos.

As regiões mais famosas são: Tokaj, na Hungria, onde são utilizadas cepas autóctones como a Furmint e a Harsvelelü; Sauternes, Barsac, Cadillac e Monbazillac, na França, utiliza-se as castas Semillon, Sauvignon Blanc e Muscadelle; e para os grandes vinhos alemães, como os de Rheingau e do Mosel, a variedade não pode ser outra além da célebre Riesling.

Óbvio que tanta especificidade torna tais produtos com um valor agregado bem elevado. Uma garrafa de 375ml de Sauternes, por exemplo, custa em média 300 a 400 reais em nosso mercado. Mas há quem diga que vale cada centavo cobrado, pois é um verdadeiro néctar dos deuses (o que eu confirmo, diga-se de passagem rs).

É isso! Quer saber mais sobre estilos de vinhos? Você pode entrar em contato comigo pelo Twitter @RenatoSalviano ou pelos instagrams @RenatoSalviano e @boutiquevinhoecia. Vai ser muito legal tirar tuas dúvidas e conhecer suas experiências. Até a próxima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.