Divulgaram pesquisa fraudulenta e foram presos

Eleitores são conduzidos pelo MPE para a Polícia Federal por divulgar pesquisa fraudulenta de boca de urna

Eleitores flagrados divulgando pesquisa fraudulenta de boca de urna nas redes sociais estão sendo conduzidos pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) à Polícia Federal para prestar esclarecimentos, na tarde deste domingo (30), durante o pleito do 2º turno das eleições em Macapá. O crime previsto no Art. 33, §4º, da Lei 9.504/97, é punível com detenção de seis meses a um ano e multa.

Os eleitores foram denunciados via redes sociais WhatsApp e Facebook, pelo Disque Denúncia do MPE e pela conta oficial do Ministério Público do Amapá (MP-AP) no Twitter. Todos os denunciados foram investigados pelo Núcleo de Inteligência da Promotoria de Justiça de Investigações Cíveis e Criminais (PICC) e serão conduzidos para a Polícia Federal.

Segundo a promotora de Justiça Eleitoral, Andrea Guedes, foram realizadas diligências complementares para apuração dos fatos. “Como se sabe, hoje é dia da votação e a divulgação na internet de pesquisa fraudulenta constitui conduta tipificada no Art. 33, §4º, da Lei das Eleições e influencia indevidamente na liberdade de escolha dos eleitores”, informou a titular do MPE da 2ª Zona Eleitoral.

(Asscom/MPE)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *