Assembleia Legislativa informa que o alvo da PF na operação de hoje foi o mandato do deputado Alberto Negrão

A Polícia Federal não divulgou o nome do político que se valia de sua influência junto a um servidor da SESA/AP para favorecer uma empresa de prestação de serviço hospitalar e garantir contratações junto à Secretaria, a partir de dispensa de licitação, envolvendo recursos públicos do SUS (incluindo verbas destinadas ao combate da COVID19).
A PF não divulgou, mas a Assembleia Legislativa tratou logo de dar o bocão e divulgou nota de esclarecimento onde assegura que a operação Ômega deflagrada hoje não tem nada a ver com a atual gestão, mas apenas e exclusivamente com o deputado Alberto Negrão.

Remember – Em maio, mais precisamente no dia 14, na operação Terça Parte, deflagrada pela Polícia Federal para apurar esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa, foram cumpridos mandado de busca e apreensão em três endereços do deputado estadual Alberto Negrão e nos endereços de Mônica Loureiro Maciel, Hélio dos Passos Reis, Mirlene Loureiro Maciel, Renan Ferreira Rodrigues e Daiane Ferreira Abul Hosson, entre outros.

A investigação iniciou em dezembro de 2020, dois dias antes das eleições municipais em Macapá, quando um indivíduo foi surpreendido, em sua residência no bairro Jardim Equatorial, com diversas cestas básicas, dinheiro em espécie e farto material de campanha para um candidato a vereador, indicando a possível prática do crime de corrupção eleitoral.
Com o avanço das investigações, apurou-se indícios que o deputado estadual Alberto Negrão (PP) seria responsável por esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa, bem como se valia de assessores para cooptarem eleitores, com promessa de pagamento de cinquenta reais por cada voto. Como médico, ele utilizava da estrutura de hospital particular na capital e do hospital universitário, por intermédio de empregados dos estabelecimentos que também eram assessores da Assembleia, para aliciar eleitores com a marcação de cirurgias, exames e consultas em troca de votos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.