Cultura da Paz: com palestrante internacional, MP-AP promove abertura de workshop prático de Justiça Restaurativa

O Ministério Público do Amapá (MP-AP) conduziu nesta segunda-feira (7), a abertura do Workshop “Como tornar sua prática mais impactante”, com a orientação do psicólogo Paulo Moratelli e do professor australiano Terry O’Connell que se propõe capacitar membros e servidores em Práticas de Justiça Restaurativas, visando a solução consensual de conflitos, o fortalecimento da cultura de pacificação social e o atendimento às pessoas envolvidas na práticas de crimes. O treinamento segue até amanhã (8), no auditório do Sistema Fecomércio, em Macapá.

A procuradora-geral de Justiça do MP-AP, Ivana Cei, participou da cerimônia de abertura do evento, acompanhada do coordenador do Núcleo Permanente de Incentivo à Autocomposição (Nupia), promotor de Justiça Milton Ferreira, e a coordenadora do Núcleo de Mediação, Conciliação e Práticas Restaurativas (NMCPR) de Santana, promotora de Justiça Sílvia Canela.

O evento conta com a participação de integrantes do Tribunal de Justiça do Amapá (TJAP), Defensoria Pública-Geral do Amapá (DPE/AP), Assembleia Legislativa do Amapá (ALAP), Fundação da Criança e Adolescente (FCRIA) e a Secretaria de Segurança Pública.

Além da PGJ do MP-AP, o dispositivo de honra contou coma presença da juíza de Direito e coordenadora do Núcleo de Justiça Restaurativa do TJAP, Nelba Siqueira, que representou o presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Rommel Araújo; representante da Assembleia Legislativa do Estado do Amapá (ALAP), deputada estadual Telma Nery; secretário adjunto da Secretaria de Justiça e Segurança Pública (SEJUSP), coronel José Montalverne; subdefensora pública geral, Elena Rocha; Terry O’Connell, membro fundador do Instituto Internacional de Práticas Restaurativas e Paulo Moratelli, psicólogo e psicoterapeuta, facilitador e instrutor.

O palestrante Paulo Moratelli, que trabalha com o australiano Terry O’Connell, visto como referência mundial em justiça restaurativa, agradeceu o convite e a visita ao Amapá.

“Objetivo do Workshop é oportunizar o pessoal do Amapá ter contato com o Terry, que é uma referência excepcional no campo da justiça restaurativa no mundo todo e que realiza um trabalho de duplo viés: acadêmico e teórico, mas profundamente prático. Ele conheceu o trabalho que está sendo feito no Amapá e gostou”, disse Paulo Moratelli

De acordo com o coordenador do Nupia, promotor de Justiça Milton Ferreira, durante os dois dias de formação, os participantes receberão ensinamentos e compartilharão experiências envolvendo Práticas de Justiça Restaurativa.

“Para nós é uma grande satisfação e oportunidade ter um palestrante internacional que é pioneiro nas práticas de justiça restaurativa e tem uma dinâmica própria. Recebê-lo no Estado do Amapá é um grande ganho de ensinamentos e aprimoramentos para as pessoas que desenvolvem ações de Justiça Restaurativa nas escolas, nos sistemas de justiça, redes de atendimento social que conta com o incentivo e apoio do MP-AP e instituições parceiras”. enfatizou Milton Ferreira.

A PGJ do MP-AP ressaltou o momento como uma grande oportunidade para o aprimoramento e fortalecimento da instituição.

“Sou grata aos palestrantes que vieram de longe para nos prestigiarem e qualificarem e pela presença de vocês no Estado do Amapá. Agradeço também aos promotores de Justiça Milton Ferreira e Sílvia Canela pela iniciativa. O MP-AP caminha em busca da conciliação, que é o que importa para todos nós. Espero que o evento abra portas para parcerias em que juntos possamos desenvolver um Estado pacífico e harmonioso”, frisou a PGJ do MP-AP.

Honraria
Durante o evento, a PGJ do MP-AP, corregedor-geral e corregedora-geral adjunta, procuradores de Justiça Jair Quintas e Estela Sá, respectivamente, contemplaram os palestrantes Terry O’Connell e Paulo Moratelli, com a medalha de “30 anos do MP-AP” pelos relevantes trabalhos no âmbito da Justiça Restaurativa.A Medalha, que tem como símbolo a árvore da Samaúma, denota força, imponência, comunicação, longevidade e a região amazônica. A honraria é um reconhecimento aos que contribuíram e que contribuem com a sociedade.

(Texto e fotos: Assessoria de Comunicação do Ministério Público do Amapá )

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.