DaLua demonstra preocupação a privatização da CEA e prevê novo reajuste abusivo

O deputado estadual Pedro DaLua demonstrou preocupação com o anúncio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que iniciou os procedimentos para a privatização da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA). O banco abriu pregão eletrônico para contratar serviços de avaliação econômico-financeira, jurídicos e contábeis para a modelagem do leilão de privatização da empresa.

O BNDES quer, com base nas informações, fechar o processo para a licitação da concessão da distribuidora de energia elétrica, associada à transferência de controle da empresa. A abertura das propostas ocorre em 26 de outubro, na sede do BNDES, no Rio de Janeiro. Atualmente o controle da CEA é compartilhado entre a Eletrobras e o Governo do Amapá.

DaLua não tem dúvidas que uma das primeiras medidas, após a privatização, será um novo aumento, tão abusivo quanto o aumento na tarifa ocorrido em novembro do ano passado e que reajustou o valor em 37,36%.

O parlamentar foi o único a tentar impedir politicamente o reajuste, propondo um decreto legislativo sustando o aumento. A proposição foi rejeitada. Na mesma época, a Federação do Comércio também ajuizou uma ação e o juiz João Bosco expediu liminar suspendendo temporariamente o reajuste.

DaLua tem defendido que o Amapá tenha compensações pelo fato de produzir energia pro consumo interno além de exportar o produto pra outros estados por meio do linhão de Tucuruí. “Infelizmente esse debate deve ser travado em Brasília e a bancada federal precisa se unir em torno desse propósito”.

(Texto: Assessoria de Comunicação do deputado DaLua)

  • Deputado Satélite da Terra, é plausível a sua preocupação com o aumento da tarifa de energia elétrica após a privatização da Cea. Sugiro a vossa senhoria que brade de sua tribuna para que a planilha de custos da CEA seja do conhecimento público e quais os componentes que contribuem para o tarifaso que o povo do Amapá tem pagado depois que a Cea estar sobre intervenção branca da ANNEL. Quando a diretoria era indicada pelo governo do Estado os componentes da planilha de custos eram rigorosamente fiscalizados pela ANNEL, agora que a raposa estar tomando conta do galinheiro, temos nossas dúvidas, a intervenção branca tem como objetivo preparar a empresa para a privatização, e a iniciativa privada só aplica recursos em negócios lucrativos, no caso Cea a tarifa de energia elétrica, para atrair compradores tem que garantir o retorno do capital investido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *