Fenômeno raro – Infestação de besouros em Amapá

Um fenômeno raro foi registrado por moradores do município de Amapá durante o domingo, 7, e nesta segunda-feira, 8. Uma ‘infestação’ de besouros, que impressionou pela quantidade intensa de insetos na região.

De acordo com o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas (Iepa), o principal fator para o fenômeno é a transição do período de estiagem severa para o inverno amazônico, com maior concentração de nuvens e chuvas.

O pesquisador do Iepa, Alexandre Jordão, da área da entomologia, a ciência que estuda os insetos, explica que o fenômeno não é comum para esta classe de besouros, não havendo relatos com esta magnitude no estado e poucos registros no Brasil.  Segundo Jordão, a mudança de estação climática alterou a temperatura e a incidência de luz, ocasionando a infestação.

“Estávamos com falta de chuva, então o tempo secou bastante e a temperatura esteve muito elevada. A chuva apareceu nos últimos dias com mais intensidade. Estávamos na lua cheia com bastante luminosidade, que foi minguando e diminuindo. Com as nuvens cobrindo a lua, houve redução da luminosidade e, assim, os besouros foram atraídos para aquele local, que estava com refletor”, explica Jordão.

O pesquisador acrescenta que os besouros adultos passaram por uma fase larval, quando se desenvolveram por meio do consumo de detritos, como restos de madeiras, raízes e matérias orgânicas ao redor.

“O que assusta é a quantidade, que foi bastante intensa. Aquele local é de pecuária, onde se cultiva pastagem, rica em detritos, onde as larvas se desenvolveram”, pontua Jordão.

Por terem o aparelho bucal mastigador, esta espécie de besouro não transmite doenças a humanos. Em pessoas sensíveis, há a possibilidade de pequenas alergias por conta dos detritos que eles carregam, porém não houve relatos na ocasião. Para aprofundar os entendimentos sobre o fenômeno, o Iepa vai realizar a identificação taxonômica da espécie, com coleta e análise de amostras.

(Secom/GEA)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *