PF deflagra Operação Vikings em Macapá, Santana e Pedra Branca. Um dos investigados morreu em confronto com a polícia

A Polícia Federal, com o apoio da COEBOPE/AP, PRF, GAECO, NIMP e Polícia Civil  de Pedra Branca do Amapari, deflagrou na manhã desta quintafeira, dia 11/11, a Operação Vikings*, para cumprimento de 15 mandados de prisão preventiva e outros 13 mandados de busca e apreensão contra membros de organização criminosa atuante no Estado do Amapá.
Cerca de 80 policiais cumpriram as medidas cautelares, que foram expedidas pela Primeira Vara
Criminal da Justiça do Estado e resultaram na ação que ocorre nos municípios de Macapá, Santana e Pedra Branca do Amapari.
Na capital, as forças de segurança pública cumpriram mandados nos bairros do Araxá, São Lázaro, Universidade e Novo Horizonte.

Durante a operação, um dos investigados reagiu e acabou sendo morto por uma das equipes políciais. O fato aconteceu no bairro Universidade.

Durante o cumprimento de um dos mandados de prisão preventiva na ilha de Santana, a PF e o GAECO encontraram aproximadamente 10k de pasta base de cocaína. O homem foi preso em flagrante por tráfico de drogas e levado à Superintendência da Polícia Federal para os procedimentos cabíveis.
O objetivo é desarticular as atividades de organização criminosa voltada à prática de homicídios,  tráfico de drogas, roubos e outros crimes violentos e que atuam dentro e fora do sistema prisional do Estado.

As investigações tiveram início em 5 de abril deste ano, após a prisão de um homem pela  PM/AP que fora flagrado com cédulas falsas e uma arma de fogo e apresentado na Polícia
Federal.

Com o avanço das investigações, descobriuse que esse indivíduo possuía um posto de comando na organização criminosa. Foram identificados ainda, grupos que realizavam a intermediação de recebimento de drogas, utilizandose de pequenas embarcações na malha fluvial do Amapá, especialmente em Santana. Em seguida, era feita a distribuição a outros integrantes do esquema criminoso, responsáveis pela venda dos entorpecentes em vários municípios.

A PF verificou que a organização criminosa é devidamente aparelhada, com subordinação
hierárquica em vários níveis de comandos, divisão de tarefas, e contém, também, um estatuto  que disciplina as relações entre os membros.

Dentre os mandados de prisão preventiva, dois foram cumpridos contra indivíduos reclusos
no IAPEN, por indícios de serem os articuladores da organização criminosa de dentro do sistema penitenciário.

Inicialmente, os envolvidos podem responder pelos crimes de organização criminosa, tráfico de
drogas e associação para o tráfico. As penas somadas podem chegar a 23 anos de reclusão e
pagamento de multa.

Vikings*: referência à antiga civilização originária da região da Escandinávia, cujo povo era
conhecido por ser bárbaro, semelhante ao modo de agir dos integrantes da organização
criminosa.

(Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.