PF prende empresário, nutricionista e policiais penais suspeitos de participarem de grupo criminoso que atua dentro e fora do presídio do Amapá

A PF e o GAECO (Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado) deflagraram na manhã desta quintafeira (10), a Operação Blindness*.
O objetivo é reprimir ações de um grupo criminoso que atua dentro e fora do conjunto penitenciário do Estado, praticando diversos crimes, com a participação de servidores públicos do sistema prisional que facilitaram a entrada de objetos proibidos no interior do IAPEN.

A PF cumpriu oito mandados de busca e apreensão em residências e na empresa de um dos investigados; além de cinco mandados de prisão preventiva, sendo: dois contra policiais penais, um em desfavor de um empresário do ramo alimentício, além de um nutricionista e uma esposa de um detento.

As medidas cautelares foram cumpridas nos municípios de Macapá (nos bairros Jesus de
Nazaré, Jardim Felicidade, Central e Trem) e em Santana (bairro Paraíso).

As investigações tiveram início após a prisão de uma nutricionista (gerente da cozinha
do IAPEN) e um detento, por promoverem a tentativa de entrada no IAPEN de 11kg de
drogas (cocaína e maconha), 48 celulares, 1 revólver e 66 munições, fato este descoberto em 4 de fevereiro de 2022.

Os indícios apontaram que a mulher foi uma das responsáveis pela entrada do material na cozinha do complexo penitenciário no dia 1 de fevereiro e manteve ocultado até o dia em que foi descoberta, enquanto o detento teria a incumbência de fazer chegar nos pavilhões.

Nessa ação, a PF verificou fortes indícios de participação de um policial penal que no dia dos fatos, saiu do seu posto de trabalho na portaria e se dirigiu para a sala de scanner, e no local, deliberadamente, não ligou o sistema de gravação de passagem dos objetos e um outro policial que não realizou a contento, uma inspeção do veículo com o material ilícito, quando da entrada na portaria, fazendo vista grossa para a entrada do material.

A PF identificou ainda fortes indícios de fraude no contrato de prestação de serviço de alimentação dos presos, com a prática dos crimes de corrupção ativa e passiva, tendo em vista que houve um ajuste na planilha de valores da alimentação, para a compra de um ar condicionado no valor de 3 mil reais para uma servidora do IAPEN.
Ou seja, os indícios apontaram que a responsável pela contabilidade das refeições no IAPEN, acrescentou refeições fictícias até o valor de 3 mil reais (embutindo no preço)
para justificar a compra do aparelho. Com isso, a PF verificou que há indícios de superfaturamento no contrato de prestação alimentícia do IAPEN, para pagamento de vantagens indevidas a servidor do sistema penitenciário.

Descobriuse ainda, fortes indícios da prática de fornecimento de alimentação diferenciada para alguns presos, sem justificativa plausível relativa à restrição alimentar (dieta).
Os investigados poderão responder pelos crimes de tráfico de drogas, associação para o tráfico, organização criminosa, corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro e prevaricação, e se condenados poderão cumprir pena de até 48 anos de reclusão.

*Blindness, palavra em inglês que significa cegueira, em referência à forma como os policiais penais se comportaram fazendo vista grossa para a entrada do material ilícito no IAPEN.

(Comunicação Social da Polícia Federal no Amapá)

  • Vamos esperar que “justiça ” coloque na cadeia essa quadrilha. Tenho minhas duvidas, em se tratando de justiça venal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.