Amapá cria comitê estratégico para combater atos antidemocráticos

O governador do Amapá, Clécio Luís, e o vice-governador, Teles Júnior, se reuniram nesta segunda-feira, 9, com representantes de órgãos da segurança pública, Ministério Público (MP), Justiça e Poder Legislativo, que, juntos, decidiram criar um Comitê Estratégico Institucional e Intersetorial para evitar atos antidemocráticos no estado.

A medida foi adotada um dia após os movimentos que invadiram e depredaram os prédios do Supremo Tribunal Federal (STF), do Congresso Nacional e do Palácio do Planalto em Brasília (DF).

O encontro desta segunda-feira buscou definir ações de combate a atos criminosos, para que não tenham extensão no Estado do Amapá. Em Macapá, forças de segurança cumpriram determinação do STF e desmobilizaram o acampamento montado numa praça em frente à sede do Exército, aliado aos movimentos na capital federal.

“Aqui no Amapá, o movimento está controlado, mas estamos constituindo um comitê estratégico para que, se precisar, tome decisões imediatas e enfrente uma possível crise. Eu espero que não seja necessário tomar nenhuma medida drástica, mas é necessário que estejamos preparados”, destacou Clécio Luís.

O governador prestou solidariedade às instituições atacadas no domingo e determinou o envio para Brasília, de forma simbólica, de 20 policiais militares que compõem o BOPE e a Força Tática. Ainda nesta segunda-feira, Clécio também viaja para a capital federal, onde se reúne com demais governadores e o presidente Lula.

“Desde que fui empossado, hoje foi a primeira vez que entrei como governador no Palácio do Setentrião. Eu estava cuidando especialmente de ações urgentes na área da saúde. Infelizmente meu primeiro dia aqui é para tratar de um tema tão difícil como esse, que são esses atos criminosos que nós vimos em Brasília, que nós não vamos permitir que aconteça no Amapá. Nós iremos tratar manifestantes, como manifestantes. E terroristas, como terroristas”, falou Clécio.

Participaram da reunião representantes do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Exército Brasileiro, Ministério Público do Estado (MP), Procuradoria-Geral do Estado (PGE),  Secretaria de Estado da Justiça e Segurança Pública (Sejusp), Polícia Militar, Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Polícia Civil, Corpo de Bombeiros Militar (CBM), Secretaria de Estado da Comunicação (Secom), Secretaria de Participação Popular, Gabinete Civil, Secretaria de Governo e Secretaria de Estado da Infraestrutura e Assembleia Legislativa do Amapá (Alap).

(Secom/GEA)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.