Hospital de Emergências – Como em tempos de guerra

De plantão no último dia do ano, 31/12/2013, o juiz João Guilherme Lages esteve no Hospital de Emergências  em inspeção judicial, para poder decidir sobre um pedido feito pela Defensoria Pública em favor de  uma pessoa que estava internada  há vários dias com fratura exposta na perna, sem que qualquer providência fosse tomada para operá-la.
Ao sair de lá, assustado e indignado com tudo que viu, o juiz postou nas redes sociais:
“O que vi é deprimente. Mais parece um hospital de guerra, com mutilados pelos corredores. Porque, então, gastar milhões para queimar fogos de artifício na virada do ano se nossa gente tá morrendo e sofrendo nos hospitais? Porque gastar tanto a toa com diversão (14 milhões na expofeira p. ex.) se o nosso maior problema é saúde pública no Brasil?”

  • Pobre Amapá!
    Por que pobre são seus valores, discursos de questões tão serias como SAUDE, tratadas com textos carregados de politicagem, muitos inclusive nem devem se importar com pessoas que sofrem no corredor dos hospital deste Estado, tao preocupados sim com a porcaria da politica, que esta matando pessoas..
    Com vidas não se brinca, fui ao hospital de emergencias nesta semana, com suspeita de ter quebrado meu dedo medio, pouca dor, achei que eu estava ruim, sai te la, destruido por dentro e menos sofrido, pois nem quebrado meu dedo estava, era apenas uma torçao, porem o que vi ali….Ha senhor, tem piedade de nós!!!

  • Pobres sendo “tratados” em hospitais de campanha em épocas de guerras e as velhas raposas da política sendo tratadas no Sírio-Libanês. Seria interessante os desgraçados pensarem nisso na hora de impostar seu voto. Pelo menos isso.

    • Quem deveria cobrar o funcionamento dos postos de saúde seriam os que deles fazem uso. Particularmente, eu me cansei de defender a causa dos pobres. Os mais necessitados são os que mais fazem cagada na hora de depositar seu voto e se vendem por uma dentadura. Como dizia minha analfabeta porém sábia avó: chapeu de burro é marreta…

    • A “dona” do blog apenas deu eco a uma denúncia; em momento algum eu vi ela dizer que os postos de saúde estão uma maravilha. Você não acha que, em primeiro lugar, ao invés de ficar criticando a “dona” do blog ou ficar questionando sobre o valor destinado ao judiciário, você deveria procurar saber se as denúncias do juiz são verdadeiras ou não? Mais do que um “jogo político”, aqui se está tratando de saúde, de vidas humanas. Sabe de uma coisa, estou farto desse discurso idiota, me desculpe, sempre tentando desqualificar quem tenta denunciar o errado. “Ah, por que a pessoa não denunciou no governo passado?”. Quer dizer que porque foi feito errado no passado, tem que continuar sendo feito errado agora? Só porque alguém errou no passado e não foi punido, não se deve punir quem está errando hoje? Isso é ridículo. A saúde está precária mesmo, e a culpa não é só desse governo, mas é esse governo que está no poder, foi que se propôs a mudar as coisas. O resto é conversa fiada. É o que penso.

  • Desafio esse Blog a fazer uma reportagem sobre a atual situação da saúde pública nos municípios de Macapá ou de Santana, pois a incompetência no funcionamento dos postos de saúde contribui para o caos no PS, pois lá tá cheio de gente com dor de barriga, febre, vômito e dores de cabeça, as quais deveriam ser tratadas nos postos. Convide o Juiz para opinar pela matéria. Obrigado.

  • Porra é muito chororó. Nasci e vivo em Macapá faz 50 anos e tanto a saúde pública quanto a privada continuam do mesmo jeito. Culpar as festas culturais pelo estado em que se encontra a saúde pública, é bizarro. Então tira tudo e vamos viver como jumbis da série THE WALKING DEAD “.

  • Caro Sr. João Guilherme Lages, complete seu pensamento, complemente assim … e também milhões gastos com um Setor chamado Judiciário.

  • Por que gastar tanto com essas festas? O povo adora pão e circo! Vai lá cancelar o carnaval para ver. Vai lá cancelar queima de fogos e “forró universitário” na Expo feira para ver. Vai lá e cancela a quadra junina como vão colocar a boca no trombone, mas, jamais vão reclamar do hospital. Só lembram que precisam de hospital público quando tem um parente ou um deles lá esfaqueados. A realidade é esta. O povão adora pão e circo!

    • Vai lá cancelar a copa sediada no Brasil pra ver… Realmente, o povo pode estar morrendo nos hospitais, mas pão e jogos de circo são prioridade, inclusive para o moribundos.

  • Isso que o magistrado constatou é exatamente a omissão de nossos governantes e autoridades. Será que alguma de nossas autoridades acredita de fato nessa crise na saúde e outras setores cruciais para a sociedade? Talvez o que o juiz viu não seria o que de fato ele imaginava. Foi preciso ver para crer.
    Nossos governantes nunca descem de seus palácios e vão até as senzalas de seus súditos. Os puxa-sacos de plantão sempre dão um jeito de escamotear a verdade. Dão um jeitinho de falar o que o governante quer ouvir: que está tudo bem, obrigado!
    É possível que lá da mansão governamental, entre almoços e jantares regados a um bom vinho ou outro néctar qualquer, o príncipe acredite piamente que ele é o melhor governante do mundo.

  • O ESPETÁCULO DO PÃO E CIRCO!!! lindas decorações nos prédios públicos, em todas as esferas, que custam milhares de reais; uma enxurrada de propaganda midiática dos poderes e entes públicos com milhões de reais indo pro ralo e pro bolso de donos de empresas de comunicação e marqueteiros, turbinando o caixa 2 de campanhas e estimulando a corrupção; grana pública pro carnaval; grana pública pro futebol; grana pública prá expofeira.

  • O que fora diagnosticado pelo Dr. Lages não é novidade isso é fato público, notório e antigo. Ora se há conflito entre o direito ao lazer e cultura com o direito a saúde, deve haver uma ponderação de interesses sem perder o bom senso. O Amapá é um Estado pobre que não pode se dá o luxo de fazer a política do pão e circo enquanto seu povo morre esquecido nos corredores dos hospitais.

  • Bom dia!
    Há sim os casos de acidentes, casos de “malacos” que ferem em brigas e vão ao hospital, mas quem já precisou do hospital de emergências sabe que maioria ali são idosos, esses que ficam pelos corredores, dormindo pelo chão por falta de leito, porque o governo investiu milhões em publicidade e “sisqueceu” das prioridades, “sisqueceu” que quando era deputado, vivia batendo no então governador por conta dos gastos com publicidade, agora a gente pode ver as besteiras feitas… Não defendo o atual, nem o antigo, nem a pqp do governo, só que acho muito injusto uma pessoa passar a vida contribuindo e depois quando mais precisa, é tratada sem o mínimo de dignidade. Concordo que todo cidadão tenha direito ao lazer, mas é preciso destacar as prioridades.

  • Seria um bom começo se a Justiça colocasse na cadeia toda a quadrilha responsável pelo sucateamento da saúde pública no Estado, pois estão todos livres, rindo da cara do povo, e ainda virão como candidatos nas próximas eleições.
    E o que é pior, a pessoa que está sofrendo com fratura exposta votará nos bandidos, tal a morosidade da Justiça.

  • O que eu fico assustado não é com a má administração dos recursos públicos como o Juiz viu in loco, mas é com a idiotice de alguém querer defender esse governo que está levando a saúde ao seu pior momento no estado. Eu entendo que o povo precisa se divertir e tem direito aos shows e outros eventos culturais, mas o quesito saúde deve sempre estar em primeiro lugar, não se pode destinar recursos à estes setores e se esquecer do povo mais necessitado, que está morrendo nos hospitais mal administrados por esse governo, não foi isso que o governador dizia quando candidato? “Vou melhorar a saúde do estado, gastar de forma planejada os recursos, dinheiro tem o que falta é gestão”. E aí, cadê a gestão? Vai terminar o mandato e esses caras falando mal dos outros, é só o que sabem fazer, o Juiz tem todo o direito de ter seu candidato, não é por isso que vai ficar insensível aos problemas pra ele apresentados. Tem uma Desembargadora que é PSB declarada e nem por isso tem que ser crucificada, e pelo que sei, faz seu trabalho isento. Essas desculpas pra defender esse governo desastrado me dão nojo.

  • O Dr. Lajes esqueceu o montão de dinheiro público que é dado para o carnaval, festa junina, festa da negritude e futebol amador.
    Não que sou contra isso tudo, mas o PAItrocinador não deve ser (Isso é cultura) o GEA. Temos outras prioridades urgentes entre elas a SAÚDE.
    Nossos hospitais são do tempo do Gov. Janary Nunes.
    A população do Amapá cresceu.

  • O Pronto Socorro local é mesmo um hospital de guerra, pois todos que ali trabalham são mais do que guerreiros e sabem que boa parte do recurso ali existente (material e humano) é destinado a salvar (e como salvam gente ali) pessoas do sexo masculino, geralmente jovens, envolvidas em práticas ilícitas e irresponsáveis, tanto no trânsito quanto nos milhares de bares existentes na cidade, se ferindo e ferindo tantos outros, onerando pesadamente nós o contribuinte que pagamos impostos e no fim das contas temos que arcar com estes custos. Deprimente, portanto, é gastarmos boa parte do aparato da saúde pública com malacos que saem às vias públicas para delinquir e causar danos de toda ordem, e por fim vão ocupar leitos que fazem falta ao trabalhador e às pessoas de bem. Nunca haverá governo que dê conta disso, inclusive o candidato dos sonhos do Juiz João Lages, que não tem muito tempo estampou seu Jeep com adesivos dele. Os cidadãos honestos, trabalhadores e cumpridores da lei, que não dão prejuízos à sociedade, tem direito a apreciar com suas famílias e amigos a beleza dos fogos de artifícios, esse invento chines que encanta o mundo inteiro. Também tem direito de uma semana por ano levar a família para visitar uma expofeira, evento que existe em qualquer lugar civilizado e que busca estimular os negócios e a prosperidade. Importante lembrar ao Juiz que diversão sadia (como ver fogos de artifício e visitar expofeira) é investimento em qualidade de vida e, portanto, em saúde.

    • Parabéns pelo seu comentário, porem a referência ao juiz João Lajes, não concordamos, o magistrado apenas ágio como deve, relator o fato com imparcialidade.

    • Parabéns amigo pelo seu comentário.
      Você tem razões de sobra.
      Convido os comentaristas deste assunto Hospital de Emergências a visitar não o HE e sim os hospitais dos municípios.
      Lá não tem nada, só enfermeiros, nem doente tem, é porque os doentes vem para o HE ou Hospital Alberto Lima.
      É por isso que estes hospitais vivem lotados, e não é só em Macapá.
      Ocorrem em todas as capitais do Brasil como Belém, São Luiz, Fortaleza, Salvador, Brasilia, Rio e até São Paulo.
      O Povão procura as capitais.
      E em todas as capitais tem os shows, Festas, Rodeios e não sei mais o quê patrocinado pelo governo Estadual.
      Temos que acabar de “pensar pequeno” e sempre colocar a culpa no governo ou no papa.

  • Os milhões gasto em festas ( carnaval, encontro dos tambores, exporfeira…), outros milhoes em obras como a Cidade do Samba ( inútil ). reforma do sambodromo e muitos e muitos milhoes gasto em propagranda, fazem falta no que realmente importa para a população que vive a propria sorte quando o assunto é saude e segurança pública.
    A situação é desesperadora e somente os bajuladores do Governo e o proprio governador não veem isso. Eles vivem em um mundo de fantasia, aquele mostrado na televisão e no rádio.

    • Vocês tão esquecendo do tal do orçamento. Recurso da saúde é da saúde, da cultura é da cultura, e, sucessivamente. Esse problema do hospital não é de hoje, mas já foram feitos alguns avanços, como, mais leitos, multirões. Pra quem não sabe já começou a obra de ampliação do HE.

  • Coerência nos gastos das verbas públicas em prol do bem estar real (não fictício) do povo brasileiro. Por enquanto, só larilari. E muitas promessas para sonhos que não se concretizam.

  • As mesmas perguntas a mais de ano venho fazendo e com muita indignação, pois perdi irmãos naquele hospital, se é que pode ser chamado de tal, é triste ver pessoas morrendo por falta de um atendimento adequado e saber para para eventos fúteis como a expofeira e o carnaval que já está aí as portas…

  • Imagina o que ele não iria achar se fosse por lá todos os dias… Essa não é a realidade que aparece na TV, mas é a realidade que o povo conhece. Não podemos esquecer disso (nem aqueles que dependem do povo para continuar onde estão).

  • A administração da saúde publica no AMAPÁ precisa ser exercida por executivos graduados nessas áreas, enquanto for exercida por administradores que só tem em seus currículos, bater palmas em comícios e levantar bandeiras em campanhas eleitorais, o povo que precisa desses serviços ainda vai sofrer.

  • A saúde pública do estado do Amapá sempre foi ruim. No final do governo passado achei que tivessemos chegado ao fundo do poço, mas estava enganado, pois conseguiram o que parecia impossível, piorar o que já era muito ruim. O que o juiz viu é o que vivenciamos diariamente nos nossos hospitais públicos e as autoridades fingem que não tem nada a ver com isso, pois normalmente são pessoas pobres que não tem a quem recorrer, já que delas só o que importa é o voto. Precisamos de um MP e um judiciário mais atuantes e isentos e que cumpram suas funções precípuas, o que não tem ocorrido em nosso estado.

  • Enquanto não houver discussão sobre onde aplicar as verbas públicas (o tal do mérito administrativo), ficando tudo ao alvedrio do administrador. Quantos hospitais daria para construir com o que se gastou no sambodromo e com a verba gasta no carnaval?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *