Grito dos excluídos

‘Juventude que ousa lutar’ é o tema do Grito dos Excluídos 2013 em Macapá    

Representantes das pastorais, CEBs, movimentos, paróquias, Cáritas e demais organismos da Diocese de Macapá, liderados pelo Conselho Diocesano de Leigos e Leigas (CDL) reuniram-se  para acertar os detalhes do Grito dos Excluídos 2013, que ocorrerá no dia 7 de setembro, a partir das 8h, saindo da Igreja São Pedro, bairro Beirol.

Com o tema “Juventude que ousa lutar constrói o Projeto Popular!”, este ano, o Grito dos Excluídos é um convite para que os jovens sejam protagonistas das mudanças necessárias à construção de um projeto que privilegie a vida. Unidos aos demais segmentos eclesiais e sociais, os jovens gritarão pelos direitos fundamentais dos seres humanos, que se resume no lema “Vida em primeiro lugar”.

Outras vozes se unirão às da Diocese de Macapá como o Movimento Mãos Limpas, o Sindicato dos Servidores Públicos Federais Civis do Amapá (Sindsep) e o Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Amapá (Sinsepeap).

“É um grande movimento da Igreja Católica, mas as entidades são nossas parceiras no Grito contra tudo o que oprime a sociedade”, explica Cirilo Borges, presidente do CDL.

O clamor das ruas será sintetizado em um documento, é o que afirma Cirilo. “Serão entregues às autoridades dez reivindicações referentes às necessidades de políticas públicas para a juventude e para a sociedade de modo geral”.

A concentração começa às 7h30, na frente da Igreja São Pedro, bairro Beirol, de onde sairá a caminhada, às 8h, com a participação do bispo dom Pedro José Conti. Durante o trajeto haverá paradas com reflexões inspiradas no tema e no lema do Grito/2013 orientadas pelo Setor Juventude, CPT, CEBs, Pastoral Carcerária, Comissão de Justiça e Paz, Pastoral da Saúde e representantes da comunidade. O encerramento será na Igreja Nossa Senhora das Dores, no bairro Muca.

Sobre o Grito dos Excluídos
O Grito dos Excluídos é uma manifestação popular carregada de simbolismo, é um espaço de animação e profecia, sempre aberto e plural de pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos. O Grito ocorre no Dia da Pátria, 7 de setembro, tentando chamar à atenção da sociedade para as condições de crescente exclusão social na sociedade brasileira

Como indica a própria expressão, o Grito dos Excluídos constitui-se numa mobilização com três sentidos: denunciar o modelo político e econômico que, ao mesmo tempo, concentra riqueza e renda e condena milhões de pessoas à exclusão social; tornar público, nas ruas e praças, o rosto desfigurado dos grupos excluídos, vítimas do desemprego, da miséria e da fome; propor caminhos alternativos ao modelo econômico neoliberal, de forma a desenvolver uma política de inclusão social, com a participação ampla de todos os cidadãos.

(Graça Penafort/Pastoral da Comunicação)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *