Reaproveitamento do caroço de açaí

O açaí fruto típico da região amazônica, é um dos principais alimentos na mesa do nortista. Conhecido por ser muito nutritivo, também é fonte de renda para centenas de famílias no Estado. Porém, o que poucos sabem é o quanto o caroço do açaí pode ser reaproveitado. Em busca dessa nova destinação e reaproveitamento, foi que o vereador Professor Rodrigo (REDE) articulou uma nova parceria entre a Associação dos Produtores do Mini Polo da Fazendinha (ASSOPRO) e a empresa Açaí Amazon LTDA.

“É muito importante criar essa relação entre o produtor rural e os empresários. Essa parceria garante não só o crescimento da nossa economia como a preservação dos espaços urbanos”, diz Professor Rodrigo.

Existente desde 2007, a ASSOPRO trabalha na produção de hortaliças, mudas de plantas, frutas, adubos orgânicos, biofertilizantes e biomassas. E com o objetivo de garantir a produção de forma sustentável, a Associação buscou junto ao parlamentar novos meios de conseguir material para produção de adubos. “O caroço do açaí é um rico fertilizante e nós utilizamos ele para a produção de adubos orgânicos. Procuramos o vereador Rodrigo para que nos indicasse como e onde conseguir um maior número desse material. Foi aí que conhecemos a empresa Açaí Amazon, uma nova parceria que com certeza ajudará no crescimento da nossa produção”, explica o presidente da Associação, Domingos Gomes.

Apesar de ter um baixo valor nutricional, o caroço do açaí assume um papel muito importante na produção de compostas orgânicas, pois depois de decomposto torna o solo com melhor qualidade. “O que é problema ambiental aqui é fonte de economia fora do país. O açaí da nossa região, 88% morre no chão, porque não é coletado por falta de logística. Ter visão de negócio e acesso aos projetos garantem maior produtividade”, ressalta o empresário Walber Dias.

Associação dos Produtores do Mini Polo da Fazendinha, além de plantar frutas e hortaliças, realiza um trabalho educacional e recebe acadêmicos, estudantes, para orientar sobre a produção de biofertilizantes, controle de água, adubo orgânico e biomassa.

(Márcia Fonseca / Assessoria de Comunicação)

  • Sem dúvida uma iniciativa que merece destaque, e pensar que muitos desse resíduo de caroços de açaí vão parar em áreas de ressacas como aterro, poluindo o berçário de espécies de peixes e outros animais, parabéns.

Deixe uma resposta para Ricardo ferreira Silva Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *