ZYE-2

rdmOlhaí o antigo prédio da ZYE-2 Rádio Difusora de Macapá, uma voz do Amapá a serviço do Brasil (como anunciava o locutor Pedro Silveira) na época do Grande Jornal Falado E-2, da rádio-novela, dos cantores de rádio, programas de auditório, gincanas e muita informação.

Naquela época para ser radialista tinha que ter vozeirão, excelente dicção, cultura e, claro, não falar besteira e muito menos falar errado.

O Humberto Moreira começou a carreira de radialista por lá, no Departamento de Esportes, e chegou a ser considerado o melhor narrador esportivo da região Norte.

Lembras de outros radialistas que passaram por lá? Quais programas você ouvia e dos quais participava mandando cartinha ou telefonando?

Lembras do “Carnê Social” que todo mundo ouvia para saber quem estava aniversariando e onde ia ter festa?

  • Gostaria que os amigos, caso seja possível, me passassem a seguinte informação: qual a primeira partida narrada no rádio do Amapá, a data deste jogo, o nome do narrador e a emissora que ele trabalhava. Desde já agradeço

  • Feliz e emocionado por ainda estar sendo citado por ouvintes e ex-companheiros da nossa querida Rádio Difusora – uma voz do Amapá a serviço do Brasil. Apesar de estar há 49 anos trabalhando em Fortaleza, hoje sou da Rádio Glob, jamais em momento algum esqueço a minha passagem por Macapá nos primórdios da minha carreira. Quem quiser falar comigo é só discar 85 8853 0787 ou peço e-mail jú[email protected]

  • Gostaria de ver mais fotos e comentários sobre a nossa cidade de antigamente, sou muito curiosa por isso, de ouvir istórias e ver os nossos casarões dos tempos passados. Acho tudo muito interessante.

  • Eu já vi radialista pedir cargo para irmã no ar,é um absurdo,o outro coloca sua rádio a disposição do prefeito cassado Roberto Góes.

  • Meu compadre Humberto, ão podemos deixar de lembrar do Assis(o veloz), Penafort e seu filho Cícero, Damião Jucá de Lima, Seu Chico, Edvar Motta, Professora Creuza, Ernany Marinho, Titio Alcy Araújo, Zeca e Walter Banhos, Guilherme Jarbas, Ubiratan Picanço, João Silva, Nison Montoril, José Barros Machado, João Lázaro, Nozo, Jamil Valente, Estraga Pano, Joaquim Ramos, Eraldo Trindade, Bonifácio Alves, Seu Diquinho, Francisco Sales de Lima, Juarez Maués, Mário Miranda. Todos esses e mais alguns, integraram, em ópocas diferentes, o timão de ouro do rádio amapaense. O Lucas foi muito feliz em seu comentário. O Rádio de antigamente era mais sério, responsável. Hoje, alguns vivem dando alôs a torto e a direito, para depois aplicar a famosa “facada”. Hoje,26/08, lado a lado com o compadre-amigo-irmão Humberto Moreira, somamos 82 anos de atividade no rádio.É, quando começamos foi no meio dos cobras da radiofonia amapaense. Chupa essa manga: aprendi muito com Titio Alcy Araújo, são lições de vida que carrego até hoje e repasso para meus filhos.

  • Que saudades! Infelizmente as rádios amapaenses de hoje em dia estão repletas de pessoas incompetentes, pedantes, que só visam a bajulação de políticos em troca de favorecimentos. É só ouvir esses programas matinais pra comprovar isso. Essa semana é ouvi uma das coisas mais absurdas e patéticas da minha vida: um radialista cobrava ao vivo do comandante da PM condecorações pra imprensa amapaense porque, segundo ele, a PM já tinha dado medalha pra muitos “empresariozinhos” que não mereciam, mas nunca tinha dado medalha pra nenhum jornalista. Outro dia, já ouvi também “jornalistas” reclamando de não terem sido convidados pra eventos, jantares etc. Ou seja, uma palhaçada. Parece que ninguém mais aqui em Macapá busca a imprensa por amor ao bom jornalismo, não existe seriedade. Em todo canto a gente ouve as pessoas comentarem sobre essa prática que mancha a imprensa. Existem programas que visam unicamente atacar das formas mais baixas possíveis os adversários. Tudo isso bancado por políticos que se dizem sérios, éticos. Naquele tempo, embora com muito menos recursos, os radialistas faziam um jornalismo sério, eram pessoas honestas, trabalhadoras. A gente não ouvia falar que eles viviam de propina, como hoje toda a cidade comenta. Que saudades mesmo daquele tempo.

  • Ficava lá mesmo onde está até hoje, na Cândido Mendes. O nome de alguns programas da RDM. O Clube do Guri, Escadinha de Valores, A juventude está com a palavra,Showneilândia, O momento esportivo, Jornal Falado E-2,Musica adulta para gente adulta, Show da tarde, Patrulha da Cidade, Radio teatro E-2 etc.
    Quando comecei no Clube do Guri o prédio era exatamente esse da foto. Estavam la Pedro Silveira, Argemiro Imbiriba, Benedito Andrade, Júlio Salles, Amazonas Tapajós, Edna Luz, Carlos Lins Cortes,Edir Peres, Luciano Amaral, Agostinho Souza e tantos outros.

Deixe uma resposta para Tito Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *