Macapá tem

em todos os cantos da cidade essas barraquinhas (montadas em bicicletas) que vendem frutas, tucupi e molho de pimenta

  • Alcinea… A vendedora mais antiga que eu conheço é a Dona Joana (Vendedora de Banana) lá na frente do Supermercado Fortaleza (Leopodo Machado com Procópio Rola). Faz mais de 25 anos que ela vende banana (Desde a época do Supermercado Jesus de Nazaré ou coisa mais antiga).
    Minha ávo era vendedora de bananas e farinha tb… Dona Corita (Nome Oscarina)… Lá da antiga Avenida Nações Unidas entre a Hamilton Silva e a Leopodo Machado. Ela negociava muito com as comunidades do interior do Estado (Cupixi, Curiau e outras) e do interior do Pará (Gurupá, Breves e Afuá). Muitas tacacazeiras antigas compravam marcadorias da vovó… Tempos bons.

  • O problema é a a maioria (vejam que estou falando a maioria, não todos) deixam um grande lastro de lixos por onde passam. Aqui em Santana estes “carrinhos” também vendem peixe, e quando vão embora, deixam mt sujeira, moscas e mal cheiro pra traz.

  • Bela foto, mulher heroína, sem dúvida. Porém é a imagem da realidade de uma grande parte de nossa população que luta para se inserir numa sociedade que, por um motivo ou por outro, lhe voltou as costas. E isso vem de muito tempo: tem origem na história do Brasil-colônia que, mesmo depois de independente de Portugal nunca teve resolvida sua crise social. Os problemas só fizeram acumular-se e a corrupção, que já vem desde aquela época, só faz crescer. A corrupção, que tira a saúde, a educação, o alimento do necessitado. Gente heróica que merece nossa atenção. Sou eu, é você, somos todos nós, brasileiros que não nascemos em berço de ouro.

  • Essas senhoras e senhores movimentam uma significativa parcela da economia informal de nossa capital. Esses carrinhos são confeccionados a partir de peças de bicicleta, madeira e ferro. Faço Mestrado no Paraguay e esses empreendedores são meu objeto de pesquisa. Espero fazer um trabalho etnográfico na minha Dissertação observando as nuances sociais, econômicas e culturais, desses lutadores sociais…

  • Infelizmente é o retrato da falta de desenvolvimento economico do estado. A falta de trabalho regular. A única saída é a economia informal.
    Quando digo que esse é um estado sem futuro que me apedrejem, mas façam o favor de mostrar o caminho que não seja a eterna economia dos salários.

    • Por outro lado, admiro a inciativa desta parcela da população em lutar pelo seu sustento, em vez de ficar esperando bolsa disso, bolsa daquilo.

    • Tenha uma visão mais acertada assim como o Gil Barbosa,que assim vc verá que esses pequenos empreendedores é que alavancam a economia do estado.Melhor ver eles trabalhando, dq pedindo esmolas ou roubando.Dou naior ponto para esses trabalhadores.

    • Você continua o mesmo ZEMA (“João Goulart”). A sua opinião é coerente. Vamos “ressucitar” Cabralzinho e “mudar esse jôgo”.

    • Não seja tão rigoroso, Pensador. Afinal, falta inspeção da Anvisa ajudar a desenvolver anticorpos, os quais, por sua vez, favorecem a prevenção de muitas doenças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *