Moradores do conjunto Embrapa fecham ruas e queimam pneus cobrando pavimentação

Jovens, adultos, crianças e idosos que moram no Conjunto Embrapa/Bairro Universidade, em Macapá, começaram o dia cobrando um direito elementar que jamais foi garantido, nem mesmo de forma paliativa: a pavimentação.
Com faixas, apitos, cartolinas, união, palavras de ordem, queima de conj.embrapapneus, interdição da avenida Inspetor Marcelino procuraram chamar a atenção dos gestores responsáveis pelas políticas de urbanismo (Governo do Estado e Prefeitura de Macapá) e também suas equipes técnicas de acesso direto aos governantes. “Este conjunto tem cerca de 25 anos, tempo suficiente para uma pessoa casar, ter um filho e neto. E nesses anos todos as ruas nunca receberam qualquer tipo de pavimentação”, disse a jornalista Dulcivânia Freitas, moradora do conjunto.
Na sua página no facebook, a jornalista postou:  “É um desalento você tentar fazer caminhada, passear com filho em carrinho de bebê etc etc…na verdade uma feiúra total, sem falar na falta de condições dignas para uma caminhada. Quando não é o poeirão, é a lama. Entra ano e sai ano, é assim. Entra década e sai década, é assim. Não é uma situação que a gente deva ser conformar, e também não é uma situação que os gestores públicos devam fazer de conta que não existe. As equipes do Governo do Estado e da Prefeitura de Macapá devem, no mínimo, elaborar uma proposta (incluindo o financeiro a fonte de recursos, obviamente) para ser executado por meio do orçamento de 2014 a ser votado na Assembléia e Câmara Municipal, respectivamente. Em tempo: investimento em saneamento, drenagem e pavimentação é investimento em saúde.”
  • As eleições estão aí. Logo, a rua Inspetor Marcelino será asfaltada. As demais não, porque isto implica em drenagem, palavra que em Macapá é abominada pelos gestores desde o tempo do Territ´rio. Mas é bom os políticos ficarem atentos às manifestações……..

  • Nesta hora não tem Psol, Randolfhe ou Clécio…Vocês se parecem com os mesmos políticos. Boné Azul asfaltado, Renascer as faltado, Brasil Novo asfaltado, pontes asfaltadas e o Conj. Embrapa nada. Queremos uma justificativa… são 25 anos ,meu Deus, de sofrimento, malditos políticos de nossa terra … malditos…

  • OBRIGADO PELA PUBLICAÇÃO POIS NÃO AGUENTAMOS MAIS ENTRAR E SAIR DE CASA NESSAS RUAS INTRAFEGAVEIS DE LAMA NO INVERNO E POEIRA NO VERÃO.

  • Toda manifestação pacífica é legítima. Cobrar do poder público é um direito de todo cidadão, afinal, é o cidadão que mantem o Estado. Agora, causa estranheza que nessa manifestação havia várias pessoas que tinham cargos no governo do Waldez e do Prefeito Roberto Gões, os quais, passarão oito e quatro anos e não foi feito nenhum beneficio para o conjunto da EMBRAPA. Nesse conjunto morava um Deputado Estadual. Vale lembrar que sou morador do bairro Universidade há mais de 10 anos e transito diariamente pela Av. Marcelino.

    • Eh rapaz! esquece esta gente,t em mesmo que manifestar cobrando melhorias, tá reclamando de que? Tu passa todo dia na rua esburacada ainda não quer que cobre? E ai moradores do Zerão vamos acordar e unirmos aos moradores da embrapa e vamos interditar a JK todo dia as 18:00 até Asfaltarem nossos Bairros. Interditar uma ruazinha como a marcolino não surte efeito.

  • Eu moro no conjto Embrapa desde 2003 e nunca vi o Poder Público fazer nem terraplanagem nas nossas travessas.Vivemos em ruas alagadas no inverno e empoeiradas no verão.Meus filhos não brincam nas ruas e nem em na praça ,pois o bairro universidade, apesar de ter uma excelente área na frente do conjto,não tem praça.Sinto na pele, diariamente, que os nossos Direitos de ir e vir ,de lazer,de saneamento básico e de asfalto estão sendo violados por aqueles que tem o dever de protege-los.Esperamos que com essa reivindicação sejamos ouvidos para que nossos sonhos ou Direitos se tornem enfim realizados.

  • Esse aí é meu filho. Moro no conjunto e Infelizmente temos que chegar ao extremo de ter que fazer manifestação para sermos vistos. Gostaria que a parceria que foi feito para ganhar eleição, service também para realizar serviços básico para o povo, como o asfaltamento do conjunto. Nós moradores não aguentamos mais lama e poeira. São mais de mil moradores esperando há 25 anos por asfalto, drenagem e praça para nossas crianças.

    • A razão do esquecimento é obvia, ali moram Juizes, funcionários públicos graduados e politizados, por isso pagam o preço do esquecimento.

  • Alcinéa, moro no Conjunto da Embrapa há anos e isso aqui é o retrato do abandono dos serviços públicos. Pagamos os nosso impostos tal qual os que moram em ruas asfaltadas, com meio fio, passeio público e tudo o mais. Como falou a jornalista Dulcivânia, os atos mais simples que poderíamos praticar da porta da nossa casa para fora, é impossível: caminhar, só se for no meio de lama e lixo; passear com as crianças na rua, também. Enfim, é lamentável o descaso com todos os moradores!

  • A jornalista e demais moradores estão certíssimos.GEA e PMM devem tomar as devidas providencias e fazer oque tem que ser feito.
    Os orgãos do GEA e da PMM estão com suas folhas de pagamento inchadas de carguistas,os quais na maioria não sabem nem o endereço de onde estão lotados.
    Que ve meus comentários deve achar que tenho dor de cotovelo por não ser uma dos apadrinhados.Não é isto não,mas confesso que sou revoltada com essa prática de todos os governos,enquanto os pagadores de impostos, sofrem essas mazelas da vida.Não acho justo qu a maioria pague pelas minorias desses apadrinhados politicos.Além dq os funcionários efetivos,de carreira são menosprezados em detrimento dos carguistas.Camilo deixa muito à desejar e Clécio esta indo pelo mesmo caminho.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *