Que vergonha, Amapá!

Reportagem de Dyepson Martins, da TV-Amapá, exibida neste sábado no Jornal Hoje (Globo) sobre o Conjunto Mucajá inaugurado em 2011, em área nobre de Macapá, com recursos do PAC.
Custou quase R$ 30 milhões e está prestes a desabar.

  • Sinistro, esse negócio. Fico pensando na possibilidade de desabamento e na passividade daquela senhora, cuja única esperança parece ser a providencia de Deus. Como gado indo para o matadouro.
    Meu Deus!

  • A princípio, chefe de poder, qualquer que seja o nome dado, não se apresenta como responsável direto, considerando que todas as etapas tenham sido cumpridas, as responsabilidade que se apresentam são as seguintes:
    (1) Houve a elaboração de um projeto básico/executivo (responsabilidade de empresa ou profissionais que o elaborou)..
    (2) Houve uma execução (responsabilidade da empresa e dos profissionais de seu quadro técnico que o executou).
    (3) Houve fiscalização (responsabilidade de empresa (quadro técnico) e/ou de profissionais contratados para esse fim ou de setor técnico, através dos seus profissionais designados, da contratante, no caso prefeitura, para verificação se todos os preceitos técnicos tenham sido cumpridos).
    Em função do exposto e de acordo com o Código Civil Brasileiro, só poderá ocorrer a verdadeira culpabilidade de qualquer etapa através de perícia. Qualquer “devaneio” para culpar “a” ou “b” é mera “especulação”, atitude que considero IRRESPONSÁVEL..

  • Qual o governo que terminou a obra? Roberto Goes 12. O deputado federal mais votado. Da próxima vez , pense antes de votar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *